Category Archives: Ex-jogadores

Ex-jogador Carlos Alberto tem mansão penhorada para bancar dívida com a União
   26 de janeiro de 2023   │     1:00  │  0

 

Ex-jogador e hoje comentarista passou por Botafogo, Fluminense e Vasco

Ex-jogador e hoje comentarista passou por Botafogo, Fluminense e Vasco – (Foto: Fernanda Dias)

Receita Federal cobra, desde o ano passado, valores devidos sobre impostos.

O ex-jogador e hoje comentarista Carlos Alberto, que atuou por Botafogo, Fluminense e Vasco, teve penhorada, por ordem da Justiça Federal, uma mansão na Barra da Tijuca.

O imóvel fica dentro do condomínio Quintas do Rio, próximo ao Bosque da Barra. A penhora servirá para encerrar (total ou parcialmente) uma dívida de R$ 2.623.016,03 com a União.

Em 2022, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional iniciou a cobrança de pendências do jogador junto a Receita Federal. O imóvel a ser penhorado foi comprado por Carlos Alberto em 2009.

A dívida diz respeito ao não recolhimento de valores sobre o Imposto de Renda (IR) em diversos anos, assim como multas aplicadas. O caso está na 6ª Vara Federal do Rio.

Arivaldo Maia com O blog do Ancelmo Gois

 

40 anos sem Garrincha: onde e como a memória do ídolo é preservada
   22 de janeiro de 2023   │     21:30  │  0

Filha de Garrincha, Rosângela dos Santos posa em frente ao grafite do pai em escola de Pau Grande; cidade possui tour que passa por locais ligados ao ídoloFilha de Garrincha, Rosângela dos Santos posa em frente ao grafite do pai em escola de Pau Grande; cidade possui tour que passa por locais ligados ao ídolo – (Foto: Gabriel de Paiva)

Não é preciso muito esforço para esbarrar com algum Mané Garrincha. Uma pesquisa rápida no Rio de Janeiro, por exemplo, aponta duas creches públicas (Bangu e Marechal Hermes), uma escola municipal (Campo Grande), uma Vila Olímpica (Caju), dois Centros de Atenção Psicossocial (Santa Cruz e Tijuca) e uma praça (Inhaúma).

Pelo país, o mais famoso é o Estádio Nacional de Brasília, um dos palcos da Copa de 2014. Quarenta anos após a morte do ex-jogador (completados nesta sexta), é inegável que seu nome siga em alta. Mas e o homem por trás dele?

Com um fim de vida marcado pelo alcoolismo e pelo empobrecimento, Garrincha não deixou pertences catalogados (quiçá reunidos). Muitos itens que ajudariam a contar sua história se perderam. Ainda assim, sua memória é mantida viva. Em diferentes locais é possível conhecer sua trajetória e ter noção de seu tamanho no futebol.

Um exemplo, óbvio até, de onde isso ocorre é a sede do Botafogo. O local possui um tour através do qual o visitante pode conhecer a história do clube, com destaque para o futebol, e de seus ídolos, dentre os quais Garrincha ocupa papel de destaque.

No tour do Maracanã, o eterno camisa 7 também ganha holofotes. Além de sua pegada na calçada da fama, há outros objetos do ex-jogador, como um par de chuteiras e o uniforme utilizado na Copa do Chile, em 1962.

Para além das fotos, bustos e imagens tradicionais, é possível ter um contato mais próximo com Garrincha visitando Pau Grande. O bairro da cidade de Magé, na Região Metropolitana do Rio, se tornou famoso por ser a terra natal do ídolo do Botafogo e da seleção brasileira. E não esconde o orgulho.

São duas escolas (uma municipal e outra estadual) com o nome do filho ilustre, além de um ginásio poliesportivo e de um posto de saúde. No segundo semestre do ano passado, a prefeitura lançou um passeio guiado com o ex-jogador como tema. Acompanhado de uma guia turística, o visitante percorre as ruas do bairro e conhece alguns dos locais mais identificados com Garrincha.

Fazem parte do roteiro a casa onde ele passou a infância (e corria atrás dos passarinhos garrincha, que lhe deram o apelido) e a que viria a morar mais tarde, dada em 1962 pela fábrica local de indústria têxtil como presente pelo protagonismo na conquista da Copa do Chile.

O Esporte Clube Pau Grande é outro atrativo, assim como o gramado da Barreira, um campo encravado no meio da mata e no alto de um morro onde o ponta-direita jogava peladas antes e até mesmo durante a fama (obrigando o Botafogo a mandar um carro para buscá-lo quando não retornava ao Rio para os jogos) .

O passeio se completa com a igreja de Sant’Ana, na qual ele foi batizado, e a praça principal do bairro, que conta com um busto dele.

Quem já realizou este passeio foi o técnico do Botafogo, Luís Castro. Em maio do ano passado, o português fez questão de conhecer mais da história do maior ídolo do clube. No campo da Barreira, ele pediu para ficar um tempo sozinho. Por alguns instantes, contemplou o local onde Garrincha deu seus primeiros chutes na bola.

Por outro lado, a experiência também mostra como, em termos de estrutura e de bens, o legado de Garrincha ainda convive com a falta de cuidados. No pequeno memorial dedicado a ele no Esporte Clube Pau Grande são nítidos os problemas de conservação, principalmente pelo excesso de poeira e pelo estado dos troféus. Já a casa onde ele morou está à venda e fechada para visitação.

Artigo de colecionador

Um projeto tenta furar esta dificuldade de preservar sua memória nos tempos de hoje. O “Memorabília do Esporte”, especializado em itens para colecionadores, produziu uma série limitada de estatuetas do craque usando o uniforme do Botafogo. Pesando cerca de 1,2kg, produzidas em ‘pedra artificial’ e pintadas à mão, elas são licenciadas pelo clube e vêm com certificado de autenticidade. Segundo Samy Vaisman, co-fundador da marca, o produto atraiu o interesse não só de torcedores alvinegros, mas de amantes do futebol em geral.

 

Imagem de divulgação da HQ de Garrincha que será lançada este ano

Imagem de divulgação da HQ de Garrincha que será lançada este ano – (Foto: Divulgação / Memorabília do Esporte)—-Para este ano, ainda estão previstos o lançamento de uma HQ e de uma série de NFTs de Garrincha. Ambas em números limitados. A venda de todos os produtos gera royalties para os familiares do ídolo.— Nossa missão é resgatar histórias e eternizar feitos e ídolos. — afirma Vaisman. — Como país, não sabemos respeitar os ídolos, especialmente em vida. Garrincha é uma figura emblemática, um ídolo mundial que nunca teve o devido valor ou respeito com a sua história salvo em raríssimos momentos.

Maria Cecília dos Santos no quarto que transformou em memorial do pai Garrincha: luta para manter sua imagem viva
Maria Cecília dos Santos no quarto que transformou em memorial do pai Garrincha: luta para manter sua imagem viva – (Foto: Fabio Rossi)

Quem concorda com ele é Maria Cecília dos Santos. Uma das filhas de Garrincha, ela luta para que a imagem do pai seja mais divulgada. Em sua casa, em Oswaldo Cruz, fez uma espécie de memorial do pai. Estão lá fotos, homenagens recebidas e réplicas de camisas. Não tão raro, torcedores batem à sua porta e pedem para conhecer o local, o que permite com prazer:

— Não posso deixar a imagem dele ser esquecida — conta. — A gente precisa botar mais o Garrincha na cabeça do povo.

A estatueta de Garrincha voltada para colecionadores

A estatueta de Garrincha voltada para colecionadores – (Foto: Divulgação / Memorabília do Esporte)

 

Arivaldo Maia com Rafael Oliveira – Redação do EXTRA

 

Zico posta nova versão de música da torcida do Flamengo e agradece por retirada de ofensa a Pelé: ‘Obrigado, Nação’
   18 de janeiro de 2023   │     5:00  │  0

Zico pediu que música com ofensa a Pelé não fosse mais cantadaZico pediu que música com ofensa a Pelé não fosse mais cantada – (Foto: Domingos Peixoto)

A versão original do canto chamou atenção ao ser cantada durante o minuto de silêncio — dedicado ao Rei e a Roberto Dinamite — de Flamengo x Audax, abertura do Campeonato Carioca, na quinta-feira. Na letra, Pelé era chamado de “maconheiro”.

“Zico, Zico, Zico, Zico, Zico. O Pelé é maconheiro. Maradona, cheirador” foi alterada para “Zico, Zico, Zico, Zico, Zico. Gabigol é artilheiro. Adriano, imperador”. A nova letra foi cantada pela primeira vez neste domingo, em goleada por 4 a 1 do Fla sobre a Portuguesa, pelo estadual.

Na ocasião, Zico revelou irritação com o canto e chegou a pedir que torcedores parassem com a música. “Não permito que cantem essa música quando vou a algumas coisas no Flamengo. Quem me acompanha sabe disso. Só tenho a dizer que espero que a torcida do Flamengo não faça mais isso”, disse. O pedido do Galinho foi atendido.

Arivaldo Maia com Redação do EXTRA

Prefeitura do Rio inaugura Av. Roberto Dinamite, em frente ao estádio São Januário
   11 de janeiro de 2023   │     1:00  │  0

Maior atrilheiro do Vasco da Gama, Roberto Dinamite morreu na manhã do último domingo (8), vítima de câncer de cólon – (Foto: Imagem: Redes Sociais)

Homenagem foi idealizada pelo prefeito da cidade, que é torcedor do Vasco.

A entrada social do estádio de São Januário agora carrega o nome do maior ídolo do Vasco: Roberto Dinamite.

A Prefeitura do Rio já alterou a placa da antiga Rua General Almério de Moura, para homenagear o ex-jogador, que morreu no último domingo, aos 68 anos de idade, vítima de um câncer.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, que é vascaíno, já havia anunciado no domingo, que tinha aceitado a sugestão dos torcedores para rebatizar o local.

Roberto Dinamite é o maior artilheiro da história do Vasco da Gama: o ídolo Cruz-Maltino marcou 708 gols com a camisa do Gigante da Colina. No estádio de São Januário, Dinamite balançou as redes em 184 oportunidades, sendo até hoje o recordista da Colina Histórica.

Arivaldo Maia com PARCERIA LANCE & ISTOÉ

Zico escreve mensagem de despedida a Roberto Dinamite: ‘Lutou até o último minuto, como fazia em campo’
   10 de janeiro de 2023   │     19:00  │  0

Roberto Dinamite ao lado de Zico (Foto: Reprodução/Instagram)

Roberto Dinamite ao lado de Zico (Foto: Reprodução/Instagram)

Foto: Lance!

Galinho falou sobre a longa amizade com o ídolo do Vasco e desejou forças à família do ex-jogador.

“Bob”, era assim que os amigos mais próximos se dirigiam a Roberto Dinamite, grande nome da história do Vasco da Gama. Um dos mais próximos do ex-jogador foi o ídolo do Flamengo, Zico, em uma amizade que surgiu no futebol carioca. Através de uma publicação no Instagram, o Galinho de Quintino se despediu do grande companheiro, que faleceu aos 68 anos.

Na publicação, Zico relembrou a data de falecimento do seu irmão mais velho Antunes Coimbra, dia que coincidiu com a perda de um outro irmão, dessa vez da vida no esporte. Os ícones dos maiores rivais do futebol carioca tiveram uma longa amizade, de mais de 50 anos.

Além do texto para o amigo, Zico fez um carrossel de imagens de diversos momentos ao lado de Roberto Dinamite. Como uma partida de futevôlei em que atuaram juntos, uma das edições do Jogo das Estrelas, convocações para a Seleção Brasileira e a marcante partida em que Zico vestiu a camisa do Vasco para a despedida de Bob do futebol profissional.

Leia a publicação de Zico na íntegra

“Há 26 anos no dia 8/1/97 eu perdia meu irmão Antunes, que foi quem mais me ensinou no futebol, e agora perdi um dos grandes amigos que fiz no futebol. Meu querido Bob Dinamite. Quero ficar sempre com esse sorriso. São mais de 50 anos de amizade, que começou nos juvenis. Nossas mães assistiam juntas aos jogos. Fomos somente adversários, jamais rivais ou inimigos. Nossa relação se estreitou na Seleção Brasileira – e nunca perdemos jogando juntos. Respeito, carinho, admiração e muito profissionalismo. Sei que você estava sofrendo bastante e lutou até o último minuto pela vida, como fazia em campo, mas Deus o levou. Que Deus o tenha e que descanse em paz, que conforte os familiares e amigos. Obrigado, Bob. Pela amizade e pelo que você fez pelo futebol. Meus sentimentos aos familiares.”

LUTO NO FUTEBOL

O nome que se tornou sinônimo de gol e consagrou-se como maior ídolo da história do Vasco deu seu último adeus. Roberto Dinamite travava uma batalha contra um câncer no intestino desde o fim do ano de 2021 e estava internado desde sábado passado no Hospital da Unimed, na Barra da Tijuca. Além de ter marcado época como o maior artilheiro do Vasco, ele teve dois mandatos como presidente, entre os anos de 2008 e 2014.

Arivaldo Maia com Redação do  Lance!