Category Archives: Sem categoria

Confira o time do CRB para enfrentar o Londrina
   28 de julho de 2018   │     16:04  │  0

João Carlos; Diogo Mateus, Everton Sena, Anderson Conceição e Rafael Carioca; Claudinei, Luís Otávio, Tinga e Felipe Menezes; Willians Santana e Rafael Costa.

A bola vai rolar às 16h30.

Aguarde mais detalhes.

Arivaldo Maia

TAS confirma suspensão de 10 anos de Valcke, ex-número 2 da FIFA
     │     0:02  │  0

Resultado de imagem para Jérôme Valcke

 

O Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) rejeitou onterm o recurso de Jérôme Valcke, (foto acima/ESPN), ex-número 2 da FIFA, e confirmou sua suspensão de dez anos imposta pela Justiça interna da instituição por corrupção.

Indiciado por um caso de venda de ingressos durante o Mundial 2014 e acusado de ter usado viagens em aviões privados pagos pela FIFA para fins pessoais, o antigo diretor de Marketing e secretário-geral da organização foi condenado a 12 anos de suspensão de qualquer atividade ligada ao futebol em 16 de fevereiro de 2016 pela comissão de ética da FIFA em primeira instância.

Após um primeiro recurso, essa pena foi posteriormente reduzida para 10 anos e acabou sendo confirmada na tarde passada pelo tribunal.

O TAS concluiu que “as infrações cometidas por Jérôme Valcke foram acumulativamente graves e que, em consequência, as sanções foram plenamente proporcionais”.

Além disso, Valcke, junto com Nasser Al-Khelaïfi, presidente do Paris Saint-Germain e presidente da beIN Media, é alvo de um ação penal da Justiça suíça por “corrupção privada”. O caso está ligado à concessão dos direitos de transmissão pela televisão de várias Copas do Mundo de futebol.

Blog com Jornal do Brasil

CSA vai repetir time na Resssacada; CRB altera formação
   26 de julho de 2018   │     13:27  │  0

O jogo entre Avaí e CSA abre a 18ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. O Azulão entra em campo na noite de hoje para brigar pela primeira posição da tabela. O time azulino também tem um número importante na competição: está no G-4 há 14 rodadas. A equipe do técnico Marcelo Cabo entrou na zona de classificação à Série A na quarta rodada e, de lá pra cá, não saiu mais.

A vitória contra o Criciúma por 3 a 1, fora de casa, garantiu ao CSA a vaga no G-4. Quando entrou em campo no dia 1º de maio, o Azulão ocupava o quinto lugar da tabela, com seis pontos. Para se manter entre os quatro primeiro colocados, a equipe faz uma campanha de destaque: da 4ª a 17ª rodada foram seis vitórias, seis empates e duas derrotas.

A partida da noite desta sexta será mais um confronto direto na parte de cima da tabela da Série B, já que o Leão da Ilha é o quatro colocado, com 27, enquanto o Azulão é vice-líder, com 30.

CRB ALTERA FORMAÇÃO PARA REAGIR

Além de perder três posições, encostando na zona de rebaixamento da Série B, o CRB perdeu também Cleiton Xavier para o duelo deste sábado, em casa, contra o Londrina/PR. Recuperado da lesão, Cleiton entrou no jogo contra o Criciúma e voltou a sentir a mesma lesão.

Médico do Galo, Orlando Baía explicou o que aconteceu.

– Apesar de ter treinado com o grupo normalmente durante dez dias e os exames terem mostrado que estava curado, ele voltou a sentir. Pura fatalidade – disse Orlando.

Doriva disse que, com esse novo problema, não há previsão sobre o retorno do meia ao time.

– Não sei quanto tempo vai levar, ele vinha bem, estava numa crescente, treinando normal, mas infelizmente a gente pensou que ia contar com a lucidez dele, ele é muito lúcido, todo mundo sabe da qualidade dele, ele deu dois passes ali, logo quando entrou, e eu disse: “Poxa, esse jogador vai nos ajudar”. Mas na sequência ele voltou a sentir e é uma perda pra gente.

O CRB treina hoje e amanhã para definição da equipe que vai entrar em campo na tarde de sábado, às 16h30, para bater de frente com o ‘Tubarão’ do Paraná.

Em função do empate diante do Criciúma, com desempenho ruim da equipe, é provável que Doriva estabeleça alterações que só serão conhecidos nos vestiários do Rei Pelé.

Textos: Arivaldo Maia e Globoesporte/AL

Vasco é desclassificado da Copa do Brasil
   16 de julho de 2018   │     22:57  │  0

Não deu para o VascoNão deu para o Vasco (Foto: Marcio Alves / Agência O Globo)

A vitória do Vasco sobre o Bahia, por 2 a 0, em São Januário, apenas um dia após o fim da Copa, em nada lembrou o glamour do Mundial da Rússia. Times taticamente bem desenhados, domínios de bola elegantes, passes geniais, o VAR para minimizar erros de arbitragem, gramado impecável… Nada disso deu as caras. Pelo contrário, na eliminação cruz-maltina na Copa do Brasil, teve até ratazana em campo. Foi a volta do futebol “raiz”. No bom e no mau sentido.

— Fizemos um grande jogo. Faltou um gol, mas entrega, atitude e gana tivemos o tempo todo — enalteceu o argentino Desábato.

As arquibancadas roubaram as atenções. Torcedores — em sua maioria de pé — quase lotaram São Januário, numa festa que começou nos arredores do estádio, bem antes do apito inicial. O bandeirão “Sempre ao seu lado”, estendido na marquise, era claro: apesar da derrota por 3 a 0 no primeiro jogo, os vascaínos acreditavam na classificação e queriam empurrar o time rumo à virada.

Os mesmos que fizeram bonito na maior parte do tempo também deixaram a desejar. Após o fim da partida, torcedores irritados com a arbitragem e a cera do Bahia se envolveram em uma confusão, que exigiu ação da polícia e pode voltar a render punições para o Vasco.

A vitória do Vasco sobre o Bahia, por 2 a 0, em São Januário, apenas um dia após o fim da Copa, em nada lembrou o glamour do Mundial da Rússia. Times taticamente bem desenhados, domínios de bola elegantes, passes geniais, o VAR para minimizar erros de arbitragem, gramado impecável… Nada disso deu as caras. Pelo contrário, na eliminação cruz-maltina na Copa do Brasil, teve até ratazana em campo. Foi a volta do futebol “raiz”. No bom e no mau sentido.

— Fizemos um grande jogo. Faltou um gol, mas entrega, atitude e gana tivemos o tempo todo — enalteceu o argentino Desábato.

As arquibancadas roubaram as atenções. Torcedores — em sua maioria de pé — quase lotaram São Januário, numa festa que começou nos arredores do estádio, bem antes do apito inicial. O bandeirão “Sempre ao seu lado”, estendido na marquise, era claro: apesar da derrota por 3 a 0 no primeiro jogo, os vascaínos acreditavam na classificação e queriam empurrar o time rumo à virada.

Os mesmos que fizeram bonito na maior parte do tempo também deixaram a desejar. Após o fim da partida, torcedores irritados com a arbitragem e a cera do Bahia se envolveram em uma confusão, que exigiu ação da polícia e pode voltar a render punições para o Vasco.

 

Parreira critica desempenho do Brasil na Rússia
   12 de julho de 2018   │     11:40  │  1

Resultado de imagem para Parreira na Rússia

 

Comandante da seleção brasileira na conquista do tetracampeonato mundial, em 1994, Carlos Alberto Parreira, (foto acima/Gazeta do Povo), apontou a falta de experiência como um fator primordial para a eliminação do Brasil nas quartas de final do Mundial da Rússia. Membro do grupo de estudos técnicos da Fifa (TSG, na siga em inglês), o ex-treinador afirmou que o time de Tite tinha potencial para ir mais longe, mas não soube lidar com os “detalhes” da competição.

– Nesta Copa, faltou experiência. Tínhamos bons jogadores, mas poucos com Copa. O estafe técnico também. O Brasil poderia ter ido mais longe na Copa. Fomos melhores no segundo tempo, controlamos o jogo, tivemos chance de marcar. Mas a Copa é muito decidida no detalhe. Mas continuamos sonhando em ganhar no Catar. Estamos sempre buscando ganhar a Copa do Mundo. É como uma religião para nós – disse, em entrevista coletiva.

Parreira apontou que é preciso identificar o problema que vem fazendo com que o Brasil colecione decepções recentes em Copas do Mundo, sem chegar a uma decisão desde 2002 – quando levou o penta no Japão e na Coreia do Sul. E lembrou o fracasso do badalado elenco brasileiro em 2006, na Alemanha, que também caiu nas quartas de final, diante da França.

– Não é só saber que há um problema, mas como resolver. Vamos para 20 anos sem título. Não é fácil ser um campeão do mundo. Não precisa ser só talentoso, se não ganharia todas as Copas. Precisa ter fome, ter paixão, ter organização. É muito diferente quando isso tudo está lá, quando há organização e talento, vamos ganhar. Quando falta algo, falhamos. Em 2006 não tínhamos a mesma fome, porque ganhamos em 2002. Os melhores jogadores não foram em sua melhor forma.

Blog com Globoesporte