Flamengo triplica receitas de patrocínio nos últimos dez anos e mostra a importância de seus ‘craques invisíveis’
   8 de janeiro de 2024   │     12:00  │  0

O volante Gérson posa com a camisa do Flamerngo sem o patrocínio nas mangasO O volante Gérson posa com a camisa do Flamerngo sem o patrocínio nas mangas — (Foto: Flamengo / Divulgação)

Cota master rubro-negra já vale quase 50% a mais do que a soma dos anunciantes do manto rival.

Chegou ao final o contrato de patrocínio que estampava o nome da empresa Sil Fios e Cabos Elétricos nas mangas das camisas do futebol profissional do Flamengo. O acordo que rendeu R$ 12 milhões ao clube em 2023 não será renovado por estratégia de marketing da companhia.

Os rubro-negros, no entanto, não estão nem um pouco preocupados. Ao contrário: há ao menos três marcas interessadas em ocupar o espaço, as bases para novo acordo estão sendo negociadas em patamares mais elevados… e não há pressa!

Dez anos após iniciar o processo de recuperação econômica, o Flamengo abre nova década de trabalho contabilizando uma valorização em torno de 300% em seu uniforme. Passou dos R$ 73 milhões de dezembro de 2013 para cerca de R$ 180 milhões de dezembro de 2023, abrindo 2024 com faturamento acima de R$ 216 milhões. O número não leva em conta o valor ainda a ser apurado com o novo anunciante das mangas e é estimativa conservadora dos royalties pagos pela Adidas na venda de camisas. Ou seja: pode chegar próximo a R$ 250 milhões ao longo deste ano.

Em pensar que em 2012 o clube mais popular do país passou a temporada sem marca na cota máster do uniforme. Em janeiro de 2013, a Peugeot pagou R$ 10 milhões para estampar sua logo na parte frontal por 90 dias e, em maio daquele ano a Caixa Econômica assumiu o espaço pagando R$ 25 milhões passando a marca da montadora passando para as costas. Pois bem: em 2024, a Pixbet pagará R$ 85 milhões, três vezes mais. Em termos de comparação, segundo fontes do mercado, um valor apenas, supera os R$ 60 milhões apurados pelo Vasco com o patrocínio de seis marcas em seu uniforme.

A camisa do Flamengo com o novo patrocinador na cota master: RS 85 milhões por ano — Foto: Flamengo / Divulgação

A camisa do Flamengo com o novo patrocinador na cota master: RS 85 milhões por ano — (Foto: Flamengo / Divulgação)

É uma diferença brutal e injustificável se levada em consideração a capacidade de penetração e de sensibilização das duas marcas em todas as classes do país. E, de forma mais abrangente, é possível envolver também Fluminense e Botafogo na discussão em torno dos valores que seus departamentos comerciais têm sido capazes de apurar à reboque do trabalho de soerguimento que os dois têm feito ao longo dos últimos dois anos. Porque, grosso modo, parece ser que só o Flamengo é capaz de gerar receitas com ativações de projetos comerciais e publicitários.

Acho, portanto, que o foco dos torcedores dos demais clubes cariocas não deveria estar só na prospecção de bons valores para o time que vai a campo. É preciso que se descubra craques também para atuar em pastas estratégicas na captação de recursos. Os craques rubro-negros, nesta seara, embora invisíveis, estão jogando ainda mais e melhor do que Arrascaeta, Gabriel Barbosa e cia…

Arivaldo Maia com texto de Gilmar Ferreira – Redação do EXTRA – Rio de Janeiro