CBF recebe apoio de federações e anuncia programa de incentivo que vai distribuir R$ 200 milhões em três anos
   30 de novembro de 2023   │     18:00  │  0

Presidentes das federações estaduais reunidos na CBF — Foto: Divulgação

Presidentes das federações estaduais reunidos na CBF — (Foto: Divulgação)

Ednaldo Rodrigues rebate críticas recentes: “Qualquer um que achar que não houve clareza nisso ou naquilo pode vir nos procurar”.

Presidentes das 26 federações estaduais e da federação de futebol do Distrito Federal assinaram nesta semana uma carta de apoio ao presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, durante evento na sede da entidade, no Rio de Janeiro.

A reunião foi agendada para Ednaldo apresentar aos dirigentes o programa CBF Transforma, que promete distribuir R$ 200 milhões nos próximos três anos para projetos apresentados pelas federações.

Nos momentos finais da reunião, que durou cerca de três horas, os presidentes das federações do Rio de Janeiro, Rubens Lopes, e de São Paulo, Reinaldo Carneiro Bastos, fizeram discursos em defesa da gestão de Ednaldo.

Os 27 presidentes então assinaram uma carta em que declaram respaldo à gestão do atual presidente, que foi eleito em março de 2022 para um mandato de quatro anos – com direito a uma reeleição.

Após um ano de resultados ruins no futebol – nas seleções principais masculina e feminina e com eliminações precoces nos Mundiais Sub-20 e Sub-17 – Ednaldo viu crescer o volume de críticas à sua gestão.

O dirigente passou a ter alguns de seus atos contestados. Além dos maus resultados no campo, Ednaldo passou a ser criticado por gastos da entidade e divergências políticas com antigos aliados.

O presidente da CBF agiu então para atrair apoio das federações, por meio do lançamento do programa CBF Transforma, que vai aumentar o volume de recursos a serem geridos por elas.

Depois da encontro com as federações, Ednaldo afirmou que “sabe de onde partem” os ataques à sua gestão, sem mencionar nomes, embora seja uma referência direta a Marco Polo Del Nero e Ricardo Teixeira, ex-presidentes da CBF.

O dirigente admitiu que “ninguém vai conseguir agradar a todos” e afirmou que tem “a consciência limpa e a cabeça tranquila de estar sempre procurando fazer o melhor para o futebol brasileiro”.

– Qualquer situação, qualquer um que achar que não houve clareza nisso ou naquilo pode vir nos procurar. Sempre tivemos a postura de informar com a realidade, como fizemos hoje.

Arivaldo Maia com Redação do ge — Rio de Janeiro