Atlético-MG falha em missão de dormir no G-4 do Brasileiro ao empatar com o lanterna América
   5 de novembro de 2023   │     12:00  │  0

(Foto: Pedro Souza/Atlético)

O Atlético-MG desperdiçou grande chance de dormir na zona de classificação direta à Libertadores. Ontem, no Parque do Sabiá, em Uberlândia, o time de Felipão repetiu o primeiro turno e apenas empatou com o lanterna América, por 1 a 1, permanecendo na quinta colocação. O Red Bull Bragantino, com 55, fecha o G-4.

Assim que terminou a partida, alguns jogadores do Atlético cercaram o árbitro para reclamar. Hulk, o mais irritado, protestou muito com o árbitro por causa de uma possível falta não anotada nos minutos finais e que poderia ajudar na busca pela virada.

O tropeço foi bastante lamentado pelo fato de o América jogar com um a menos, com a expulsão de Alê, desde os 27 minutos do segundo tempo. A busca da reabilitação será na quarta-feira, em visita ao Corinthians, na Neo Química Arena.

De olho no G-4, o Atlético entrou em campo ciente que não podia desperdiçar pontos diante do lanterna. E adotou postura ofensiva. Não demorou, e o grito de gol saiu. Hulk recebeu na direita de Zaracho, driblou o marcador e cruzou na cabeça de Jemerson, que balançou as redes.

O VAR, porém, acabou com a festa do zagueiro, em falta com o torcedor atleticano por falhas recentes. Hulk foi flagrado um pouco à frente, em impedimento portanto. Para tristeza e espanto dos atleticanos, que viam o lance como normal e sequer com reclamação dos oponentes.

O Atlético continuou na frente, mas sem assustar ou encaixar uma boa jogada no Parque do Sabiá, estádio escolhido pelo América para dois jogos para lucrar uma grana alta e fugir de um rebaixamento em sua casa, o independência. Ainda mandará o duelo com o Flamengo no local.

Um choque de cabeça trouxe enorme preocupação em Uberlândia aos 34 minutos. Os laterais Rubens e Rodriguinho trombaram com muita força e ambos foram ao chão, com o jogador do América-MG desacordado. Recobrou a consciência ainda em campo após atendimento e, na maca e com colar cervical, foi levado de ambulância para um hospital da cidade, assim como o rival do Atlético. A partida ficou paralisada por 10 minutos.

A pausa serviu para o América se acertar na partida. Everson salvou em bomba de Juninho da entrada da área e viu a cabeçada de Mastriani passar perto, dando enorme susto. Na frente, Hulk mandou pelo alto a única oportunidade do Atlético.

A volta do intervalo mostrou bem o que os treinadores queriam. Enquanto o América optou por novo zagueiro, visivelmente satisfeito com o empate, o Atlético optou por reforçar a armação para buscar o gol. Hulk parou em Jori e Zaracho mandou raspando.

Sem conseguir furar o paredão defensivo do América, o Atlético ainda foi surpreendido com um lance estranho aos 20 minutos. No bate e rebate, a bola sobrou para Juninho, que cruzou para a área. Jemerson tentar cortar e desviou para as próprias redes. Mastriani ainda tocou na bola em cima da linha.

Pavón carimbou a trave logo depois do gol, após passe de Pedrinho, nova tentativa de Felipão buscar a igualdade. Com a expulsão de Alê, aos 27 minutos, o Atlético teria um bom tempo para evitar o vexame.

Aos 34 minutos, Paulinho aproveitou cruzamento de Pavón da direita para empatar e se igualar aos 16 gols de Tiquinho Soares, do Botafogo, na liderança da artilharia do Brasileirão. Mesmo com tempo, a virada não veio e o prejuízo foi grande ao Atlético, que ainda perdeu Hulk, expulso por reclamação ao fazer gesto de “roubo” ao árbitro.

Arivaldo Maia com Redação do ESTADÃO CONTEÚDO