Quem sobe e quem desce na briga por vagas com a saída de Bruno Lage e chegada de Lucio Flavio
   7 de outubro de 2023   │     23:00  │  0

Di Placido em treino do BotafogoDi Placido em treino do Botafogo — (Foto: Vítor Silva)

Treinador interino deve manter base da equipe que funcionou com Cláudio Caçapa e Luís Castro.

A troca de treinadores em times de futebol é sempre vista como uma oportunidade para que jogadores que não vinham tendo minutagem possam tentar ganhar espaço. E no Botafogo não é diferente. Com a saída de Bruno Lage e a escolha por Lucio Flavio como técnico interino, a tendência é que alguns nomes desçam na hierarquia da titularidade, e outros subam. O GLOBO separou alguns desses atletas.
Quem sobe

Tiquinho Soares

Principal jogador do Botafogo e artilheiro do Campeonato Brasileiro, Tiquinho era um jogador prestigiado e admirado por Bruno Lage. Ainda assim, após a lesão, o centroavante foi substituído em todos os jogos e não passou dos 67 minutos em nenhum deles. Além disso, foi barrado do time titular contra o Goiás, motivo que foi o estopim para a saída do técnico português do time.

Dessa maneira, mesmo que ainda esteja retomando sua melhor forma em campo, é difícil imaginar que Tiquinho continue sendo substituído nas partidas, tanto pelo status que tem no time, como também pela grande pressão da última partida.

Di Plácido

Di Plácido foi um dos jogadores que mais caiu de rendimento sob o comando de Bruno Lage. Mais exposto com a marcação em linha alta do treinador argentino, o lateral-direito falhou em diversos jogos, como contra Defensa y Justicia, Atlético-MG e Corinthians. O jogador chegou a perder a vaga para o jovem JP Galvão e, no empate contra o Goiás, foi reserva de Tchê Tchê, meio-campista que, por mais que tenha dito abertamente que não se sentia confortável em atuar como lateral, foi colocado na posição.

Por outro lado, foi junto de Lucio Flavio, na época auxiliar de Cláudio Caçapa, que Di Plácido fez uma de suas melhores partidas pelo Botafogo, na vitória por 2 a 0 contra o Bragantino quando inclusive marcou um gol.

Assim, a tendência é que o lateral volte ao time titular do Botafogo no clássico de domingo, contra o Fluminense. Acumular boas atuações para ele é fundamental, já que tem contrato de empréstimo com o alvinegro até o fim da temporada e já declarou que deseja ficar no clube.
Carlos Alberto

Talvez o caso de Carlos Alberto tenha sido o mais emblemático da passagem de Cláudio Caçapa pelo Botafogo. Muito pouco utilizado por Luís Castro, o atacante ganhou boa minutagem quando o interino esteve no alvinegro e, entrando nos quatro jogos de Caçapa no clube, marcou três gols.

No entanto, após a chegada de Bruno Lage, Carlos Alberto novamente perdeu espaço no time. Dos 15 sob o comando do português, o atacante participou de apenas seis, com um total de 83 minutos.

Com preferência pelo lado direito do ataque, mas com a possibilidade de atuar na esquerda ou como centroavante, o jogador que ganhou a alcunha de xodó com Caçapa deve voltar a ganhar minutos com Lucio Flavio para poder, quem sabe, voltar a mostrar sua estrela.

Danilo Barbosa

Danilo Barbosa é outro que atuou nas quatro partidas do Botafogo sob o comando de Cláudio Caçapa. No entanto, não teve muitas oportunidades com Lage, que é grande admirador de Marlon Freitas, volante com quem Danilo disputa posição.

Vez ou outra, o técnico português chegou a utilizar os dois volantes juntos. Mas, assim como já havia acontecido com Luís Castro, os dois não conseguiram se entrosar dentro de campo, o que pode ter prejudicado o desempenho do camisa 5.

Ainda que Marlon Freitas não esteja vivendo bom momento, ele deve continuar no time titular. Mesmo assim, Danilo pode ser utilizado ao longo dos jogos ou até, quem sabe, ganhar a vaga caso o 17 siga abaixo.

Mateo Ponte

Por mais que a diretoria do Botafogo tenha a ideia de não expor jovens recém-contratados, como Ponte, Diego Hernández etc., o uruguaio campeão da Copa do Mundo sub-20 acaba sendo a única opção da posição para a vaga de Di Plácido. O lateral-direito teve poucas oportunidades com Bruno Lage, que optou por utilizar JP Galvão e Tchê Tchê. Mas com as atuações abaixo do primeiro e a clara preferência do segundo em jogar em sua posição original, pode ser que Ponte ganhe minutos para demonstrar seu futebol que rendeu a titularidade durante toda a campanha do título Mundial.

Arivaldo Maia com Redação do EXTRA