Gabigol surpreende o Flamengo, chama responsabilidade com entrevista, mas não blinda Sampaoli
   16 de setembro de 2023   │     12:00  │  0

GabigolGabigol — (Foto: Flamengo)

Discurso a favor do treinador é protocolar e não esconde problemas e desgaste apesar de final pela frente.

A aparição de Gabigol na sala de entrevistas para falar antes do técnico Sampaoli não foi premeditada. O atacante decidiu que devia chamar a responsabilidade após a derrota para o Athletico-PR, que antecede as finais da Copa do Brasil, contra o São Paulo. E recebeu o aval da diretoria para o pedido de sentar-se de banho tomado e responder a todos os questionamentos.

A postura do camisa 10 de se expor, o que faz raramente, já havia se dado em outros momentos decisivos desde o ano passado, e foi vista internamente como uma resposta à má fase individual e do elenco como um todo, ainda mais depois de uma atuação péssima e de sua expulsão no jogo.

Por outro lado, Gabriel não quis blindar o treinador como indicou em algumas das respostas. O discurso a favor de Sampaoli foi protocolar. Com foco na conquista do título em disputa. Por mais uma vez o jogador quis desqualificar informações sobre o ambiente ruim no Ninho do Urubu, entre os atletas e do grupo com a comissão técnica, o que todos admitem de forma velada.

— É um trabalho novo, querendo ou não. O Sampaoli tem muito a cara do Flamengo, isso parece que dá a ele muito tempo, mas é um trabalho novo. A gente tem oscilado em partidas muito boas e umas menos boas, mas o futebol é assim, incoerente — afirmou Gabi, que atuou como titular ao lado de Pedro, já que o Flamengo não tinha Bruno Henrique.

Com o retorno do camisa 27, fica a dúvida de quem sairá para ele entrar. Antes do último jogo, Sampaoli optou por Pedro contra o Botafogo, e Gabigol ficou no banco durante toda a partida.

Ao assumir o seu lado capitão, o camisa 10 tenta larga na frente de Pedro para a decisão, ainda mais por seu histórico. Também na entrevista, respondeu de forma sucinta quando questionado por que o torcedor do Flamengo deveria acreditar no título da Copa do Brasil. E mostrou que ainda vive de passado. Da final da Libertadores de 2019, especificamente.

— Eles acreditaram que a gente ia virar um jogo em três minutos. E a gente virou — lembrou Gabi, o carrasco do River Plate, que deixou pelo caminho essa fama, mas pediu ajuda aos torcedores.

— Acho que o clima tem que ser positivo, relembrar esses momentos, que a torcida já nos apoiou assim, compareceu, nos empurrou, e fez com que a gente fosse campeão. A gente precisa deles.

Arivaldo Maia com Diogo Dantas – Redação do EXTRA