Perícia apontou vestígios de esperma de Cuca em vítima, disse jornal suíço
   24 de abril de 2023   │     19:00  │  0

O técnico Cuca é apresentado pelo presidente do Corinthians Duílio Monteiro Alves e pelo gerente de futebol Alessandro Nunes

O técnico Cuca é apresentado pelo presidente do Corinthians Duílio Monteiro Alves e pelo gerente de futebol Alessandro Nunes – (Foto: Rodrigo Coca/Corinthians)

Treinador do Corinthians, que se diz inocente, foi condenado em 1987 por atentado ao pudor com uso de violência.

Cuca se disse inocente sobre a acusação de estupro contra uma jovem de 13 anos na Suíça, em 1987. O técnico, no entanto, foi condenado, junto com mais três então jogadores do Grêmio por atentado ao pudor com uso de violência.

Em 1989, época do julgamento, o tradicional jornal suíço Der Bund, fundado em 1850 em Berna, publicou que a perícia encontrou vestígios de esperma de Cuca e outro jogador no corpo da menina.

“O relatório forense posteriormente mostrou vestígios de esperma dos dois jogadores Alexi e Eduardo no corpo da menina”, diz trecho da matéria publicada em 16 de agosto de 1989 no Der Bund.

A história foi revelada inicialmente pelo blog de Juca Kfouri. Alexi é o nome de Cuca.
A matéria traz ainda trecho em que a vítima diz que teria ficado “paralisada” durante o estupro.

“Não foram encontrados vestígios de violência na menina. Também afirmou que ficou paralisada durante o incidente e, portanto, não gritou nem revidou”

Cuca era jogador do Grêmio à época e excursionou com o time para a Europa. Em Berna, na Suíça, ele e outros três jogadores (Eduardo, Fernando e Henrique) foram detidos sob a alegação de terem feito sexo sem consentimento com uma menina de 13 anos.

Os quatro foram liberados após quase um mês presos. Dois anos depois, Cuca, Eduardo e Henrique foram condenados a 15 meses de prisão. Fernando foi absolvido da acusação de atentado ao pudor e condenado por estar envolvido no ato de violência. O Brasil não extradita seus cidadãos, e nenhum cumpriu a pena.

— Nós iríamos jogar uma partida, subiu uma menina ao quarto, o quarto era o que eu estava junto com outros jogadores. Era um quarto duplo. Essa foi a minha participação nesse caso. Eu sou totalmente inocente, eu não fiz nada — disse Cuca, durante sua apresentação no Corinthians.

Segundo o Uol, consta nos autos do processo que a vítima não identificou Cuca.

Cuca disse que conversou com o presidente do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, e foi avisado de que os protestos aconteceriam.

— Eu não vou ficar em casa me escondendo, eu não fiz nada. Sou inocente.

Arivaldo Maia com Redação do EXTRA — Rio de Janeiro