Category Archives: Treinadores

Fla: Dome tem cinco dificuldades nos bastidores para seguir
   20 de setembro de 2020   │     15:00  │  0

Brazil's Flamengo head coach, Spanish Domenec Torrent gestures during their closed-door Copa Libertadores group phase football match at the Olimpico de Atahualpa Stadium in Quito, on September 17, 2020, amid the COVID-19 novel coronavirus pandemic. (Photo by Jose JACOME / various sources / AFP)Leitura do trabalho do técnico Dome no Flamengo não é o esperado (Foto: JOSE JACOME / STR)

A goleada por 5 a 0 sofrida pelo Flamengo no Equador não é apenas saldo de uma atuação péssima diante do Independiente Del Valle. Não é de hoje, há questionamentos internos ao trabalho do técnico Domènec Torrent.

A chance de troca no comando neste momento é vista como praticamente nula, mas há fatores em jogo que após um mês de trabalho ainda geram consequências no ambiente dos treinamentos e no vestiário dos jogos.

Os atletas e funcionários do Flamengo no geral entendem que o treinamento de Domènec Torrent é muito diferente em relação ao que o elenco estava acompanhado no ano passado. O ritmo, principalmente, é outro.

Embora os conceitos sejam modernos, e a didática elogiada, tanto tática como tecnicamente, as práticas são consideradas menos produtivas no Ninho do Urubu em relação ao período de Jorge Jesus.

O treinador colheu os frutos ao longo de uma sequência de quatro jogos no Brasileiro. Mas os questionamentos sempre estiveram lá.

Embora entendam a explicação para a realização do rodízio, os jogadores do Flamengo ainda não compreendem algumas decisões de Dome.

A última é a utilização de Bruno Henrique, que vinha de lesão. O atacante já estava em condições de jogo para a partida do Brasileiro, contra o Ceará, no fim de semana, mas foi poupado da viagem.

Em seguida, ficou no banco contra o Del Valle no primeiro tempo. O mesmo já havia ocorrido com Arrascaeta e Gabigol, que se colocaram à disposição para atuar de início em outros jogos e foram preteridos.

Rafinha era o principal responsável por administrar o ânimo dos jogadores em situações de dificuldade. Com a saída do lateral para a Grécia, o elenco ficou sem uma referência do mesmo nível.

Os líderes do elenco – Filipe Luis, Diego, Éverton Ribeiro e Diego Alves – se colocaram a disposição de Dome para entender as novas ideias, mas no geral elas não tem sido absorvidas tão facilmente por todos os jogadores.

Desde que assumiu, Dome tem dado mais espaço no time e mais voz ao camisa 10 Diego, que até o começo do ano era reserva. O meia vem entrando em vários jogos, assim como outros atletas do banco com menos rodagem.

Mas o diálogo com os principais atletas ainda não atingiu o entendimento desejado. O que se reflete em campo.

Não se sabe se por consequência ou não dos questionamentos, mas o Flamengo tem uma série de jogadores com atuações abaixo do normal. O principal deles hoje é Gabigol, que mais uma vez passou em branco e quando teve oportunidades, desperdiçou contra o Del Valle.

Outra peça fundamental em momentos de conquista, o meia Gerson está longe de seus melhores dias. Comenta-se no clube que o camisa oito também é um dos que questiona os métodos de treino e rodízio de Dome.

Sem falar na linha de defesa, que mesmo com Rodrigo Caio de volta sofre muitos gols. São 18 sob o comando de Domènec Torrent em 11 jogos.

Decisões não compreendidas

Não apenas o rodízio e os métodos de treino são questões não tão bem digeridas no Flamengo. Há diferença de conceitos da comissão técnica de Dome e dos profissionais do Centro de Excelência em Performance no que se refere às decisões sobre o dia a dia dos treinamentos e jogos.

O técnico indicou que preferia dar folga aos jogadores 48 horas após os jogos, mas isso não foi cumprido nas últimas semanas. Um dia depois de poupar jogadores contra o Ceará, os mesmos participaram de um treino com o sub-20.

Em termos táticos, apesar das ideias já explanadas, Dome chamou a atenção nos últimos jogos com a montagem do banco de reservas e com as substituições durante as partidas.

Entre as críticas, o fato de colocar em alguns momentos poucos homens de ataque, e em outros encher o time de atacantes sem meias ou jogadores capazes de fazer a ligação com o setor ofensivo.

Blog com EXTRA

Ramon Menezes mostra tranquilidade após derrota
     │     12:55  │  0

Ramon MenezesRamon Menezes, técnico do Vasco – (Foto:Rafael Ribeiro / Vasco)

Após a derrota para o Botafogo, por 1 a 0, no jogo de ida da quarta fase da Copa do Brasil, o técnico do Vasco, Ramon Menezes não passou muito tempo lamentando o resultado negativo. O treinador vascaíno viu equilíbrio no duelo e mostrou confiança na recuperação da equipe para a partida de volta, em São Januário, dia 23 de setembro.

“Não precisamos ficar justificando muita coisa. O Botafogo teve a felicidade de fazer o gol, jogo muito equilibrado, criamos oportunidades. Jogo de Copa do Brasil. Agora é colocar na cabeça dos atletas que podemos reverter em casa, buscar a recuperação e pensar única e exclusivamente no Brasileiro”.

Diante de um calendário exigente, o treinador destacou a necessidade de mudar a chave e pensar no confronto contra o Coritiba, pelo Brasileiro, neste domingo, antes de voltar a traçar estratégias para superar o Alvinegro no jogo de volta.

“Perder é sempre ruim. Foi um jogo muito igual, muito equilibrado, estudado e, na oportunidade que eles tiveram, fizeram o gol. Agora é recuperar os atletas, temos hoje um compromisso importante contra o Coritiba, pelo Brasileiro. Temos uma final no Brasileiro e, no meio da semana que vem, uma final pela Copa do Brasil, contra o Botafogo”, completou o técnico.

O Vasco viajou para encarar o Coritiba, no Couto Pereira, logo mais às 16h, pela 11ª rodada do Brasileiro. O jogo de volta contra o Botafogo pela Copa do Brasil será no dia 23 de setembro, em São Januário.

Blog com O DIA

Renato completou 4 anos de Grêmio com títulos e pressão inédita
   19 de setembro de 2020   │     16:00  │  0

Renato Gaúcho é o treinador mais longevo no futebol brasileiro, com quatro anos de Grêmio - Leo Caobelli/UOL

Renato Gaúcho é o treinador mais longevo no futebol brasileiro, com quatro anos de Grêmio (Foto: Leo Caobelli/UOL)

Renato Gaúcho completa, ontem (18), quatro anos no comando do Grêmio. A terceira passagem pelo reservado do Tricolor começou em 18 de setembro de 2016, com anúncio oficial da diretoria do clube.

Repleto de títulos, o treinador convive com a sequência de conquistas, mas um cenário inédito de pressão pelo momento ruim do time. Num futebol marcado pelas repetidas trocas de treinador, Portaluppi é o mais longevo.

Superou a desconfiança na chegada, estabilizou o time, e com menos de um ano no comando tirou o Grêmio do longo jejum de conquistas importantes ao erguer a taça da Copa do Brasil.

A sequência da história todo torcedor gremista tem na ponta da língua. Libertadores de 2017, Recopa e Gauchão em 2018, Gauchão e Recopa Gaúcha em 2019, Gauchão em 2020. Sete títulos em quatro temporadas. Ao todo, a terceira passagem tem 259 jogos, com 136 vitórias, 68 empates e 55 derrotas, um aproveitamento de 61,2%.

O Tricolor, pautado por um futebol ofensivo, marcou 396 vezes e sofreu 189 gols. Mas as conquistas e os números positivos contrastam com o momento do time. O Grêmio vive uma fase bastante complicada. Depois de perder por 2 a 0 para a Universidad Católica, no Chile, pela Copa Libertadores, a delegação foi recepcionada por protestos da torcida.

Nos últimos 11 jogos, o Grêmio tem apenas duas vitórias. Perdeu para o Sport em casa, empatou com Fortaleza, resultados longe do que o torcedor se acostumou a ver. Foram seis empates e mais três derrotas completando o recorte.

O time passa por um processo de busca de nova identidade. Além de resultados, tem oscilado em rendimento. Mas Portaluppi tem crédito com boa parte da torcida e, principalmente, com a diretoria. Por isso, se vê respaldado por tudo que já fez no comando do time.

Blog com UOL Esporte

Renato: “Se achar que estou atrapalhando, sou o primeiro a sair”
     │     5:00  │  0

Romildo Bolzan e Renato Portaluppi, do Grêmio — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Romildo Bolzan e Renato Portaluppi, do Grêmio — (Foto: Lucas Uebel/Grêmio)

O Grêmio não irá realizar mudanças em sua comissão técnica além da demissão do executivo Klauss Câmara. Foi esta a mensagem passada pelo presidente Romildo Bolzan Júnior em entrevista coletiva nesta sexta-feira, ao lado do técnico Renato Portaluppi. Mais uma vez, o treinador negou uma crise no clube, disse que o time está em um momento de “transição” e afirmou que ele próprio pedirá para sair caso sinta que não pode mais contribuir.

A decisão da direção foi de manutenção nesse momento de turbulência e aposta no trabalho da atual comissão técnica. Renato completará quatro anos no comando do clube neste sábado. O treinador voltou a falar nos desfalques e na falta de entrosamento para justificar as atuações ruins do time, mas pediu calma ao torcedor.

— Nessas horas tem que ter calma. Se achar que estou atrapalhando, vou ser o primeiro a sair. Ainda mais no clube que amo, que me dedico a quatro anos. Quando não estiver me sentindo bem vou ser o primeiro a sair. Resolvo em dois minutos. Até porque, não coloco R$ 1 real de multa (no contrato). Poderia colocar milhões como muitos fazem. Aí ficam brigando no dia a dia para levar a multa. Não sou deste tipo. Caminho aberto, porta aberta para entrar e sair. Não estou aqui para no próximo jogo ter que ganhar, senão vou embora. Eu mesmo vou chegar, agradecer. Mas o momento é de tranquilidade, trabalho, retomar o rumo — afirmou Renato.

Apesar do título gaúcho no fim de agosto, o Grêmio vem com atuações e resultados ruins e contestações da torcida. Renato reconheceu os problemas de rendimento, mas justificou com as ausências dos jogadores machucados e a falta de entrosamento. Na avaliação do treinador e do presidente, o time está em um momento de “transição”.

— O momento não é bom, mas não é péssimo. Sabemos que temos que melhorar. Um monte de jogadores chegando e jogadores no departamento médico. Não vai ser da noite para o dia. Mas falar que tem crise? Tem que melhorar, não está bem, mas não está péssimo. Não entra na minha cabeça. Os comentários do presidente, que ele bancou, é porque sabe que pode confiar. A mensagem é de calma — acrescentou Renato.

Neste domingo, o Grêmio enfrenta o Palmeiras, às 16h, na Arena, pelo Brasileirão. Na semana que vem, o Tricolor encara o rival Inter pela Libertadores.

Blog com ge.globo

Desgaste: Sampaoli e direção do Galo não falam a mesma língua
   18 de setembro de 2020   │     21:45  │  0

Sampaoli gostou do Galo convicto com sua ideia de jogo ser mantida mesmo quando o time estava perdendo a partida para o Corinthians

O treinador argentino tem feito cobranças fortes à diretoria por reforços e para que os salários fique em dia-(Bruno Cantini/Atlético-MG)

A relação entre Jorge Sampaoli e a diretoria do Atlético-Mg parece desgastada. O treinador argentino tem feito cobranças frequentes por reforços para o time. Mas, ainda há outros pedidos do técnico, referentes a atrasos de salários no Galo.

Sampaoli estaria insatisfeito e até ameaçou deixar o cargo no alvinegro mineiro em dezembro. Seu contrato é válido até o fim de 2021. A informação foi veiculada pela Rádio 98FM e confirmada pelo L!/Valinor Conteúdo.

O Atlético-MG tem dois meses de atrasos salariais com o grupo de jogadores, gerando questionamentos por parte do técnico à diretoria.

O último atrito entre o argentino e diretoria foi a não contratação de Thiago Neves, um pedido do técnico, que não foi confirmado pela alta rejeição da torcida alvinegra.

Desde que chegou ao clube, no início de março, Jorge Sampaoli tem sido um “cobrador” constante da diretoria por reforços que estejam de acordo com a sua visão de futebol.

Até agora o time mineiro já gastou mais de R$ 100 milhões com reforços pedidos pelo técnico, que foram possíveis graças aos aportes do principal patrocinador do clube, a MRV Engenharia, que tem ajudado o clube nos negócios.

Blog com LANCE