Category Archives: Torcida

Casos de racismo crescem no esporte brasileiro
   2 de dezembro de 2019   │     15:00  │  0

Depois que foi chamado de “macaco” pelos irmãos Adrierre e Natan Siqueira da Silva e recebeu uma cusparada no rosto, o segurança Fábio Coutinho não queria contar para ninguém. O vigilante temeu que não acreditassem na sua versão, pois não sabia que a agressão havia sido filmada. Hoje, ele fala sobre o tema por acreditar que está no meio de uma causa coletiva, que casos de injúria racial continuam a acontecer, mas evita ver o vídeo do dia 10 de novembro feito nas arquibancadas do Mineirão.

As dificuldades de Fábio estão mesmo inseridas em um contexto mais amplo: o aumento dos casos de injúria racial no esporte brasileiro em 2019. O Observatório da Discriminação Racial, entidade dedicada a pesquisar e discutir o tema, registrou 47 casos no País até novembro. O número representa um crescimento de 6,8% em relação ao ano passado, quando foram registradas 44 ocorrências.

Os casos de 2019 representam a maior marca nos últimos cinco anos. “Um dos maiores erros é enxergar cada caso como uma novidade. Todos estão inseridos em um contexto que exige preocupação e atitude”, explica Marcelo Carvalho, diretor executivo do Observatório.

Para os especialistas, a questão está ligada a problemas estruturais da sociedade brasileira. O sociólogo Rogério Baptistini Mendes, da Universidade Mackenzie, opina que os episódios nos estádios de futebol reproduzem o processo de exclusão do negro na sociedade por conta da escravidão. Nos momentos de tensão social frequentes nos estádios, quando as pessoas são colocadas como torcedoras de times diferentes, a exclusão ressurge. “A abolição da escravatura foi insuficiente para inserir o negro na vida social. O que nós imaginávamos que estivesse sendo mitigado com o avanço da educação e a melhoria das condições econômicas e políticas voltou à tona com a polarização da vida social nos últimos anos”, conceitua.

Roger Machado, um dos dois técnicos negros da Série A do Campeonato Brasileiro, concorda. “Se não há preconceito no Brasil, por que os negros têm o nível de escolaridade menor que o dos brancos? Por que a população carcerária, 70% dela é negra? Se não há preconceito, qual a resposta? Para mim, nós vivemos um preconceito estrutural”, opinou o treinador.

Para Marcel Tonini, pesquisador da USP, vários fatores explicam o aumento dos casos. “Os jogadores parecem estar um pouco mais encorajados a denunciar, seja por autoconsciência, seja por influência de atletas internacionais; segundo, a imprensa tem tratado o tema com mais recorrência e profundidade; terceiro, talvez, pelas ações do Observatório e por clubes nas redes sociais.”

O historiador Amailton Azevedo defende punições mais efetivas. “Não basta exibir faixas com dizeres ‘Diga não ao racismo’. É urgente uma política que puna os clubes. Os torcedores racistas devem ser banidos e o patrocínio das empresas pode ser cortado para os clubes que não adotarem medidas contra racistas”, sugere.

No caso de Fábio, o Atlético foi multado em R$ 130 mil. Os torcedores foram expulsos do quadro de sócios-torcedores. Um deles responde por crime de injúria racial, com pena de 1 a 3 anos e multa.

Blog com ISTOÉ

Torcida do Palmeiras: ‘Maurício banana’ e ‘Mattos Ladrão’
   28 de novembro de 2019   │     0:02  │  0

Organizada do Palmeiras colocou foto de Galiotte em banana (Foto: Divulgação/Twitter)

A pressão da torcida do Palmeiras só aumenta com o fim melancólico da temporada da equipe, que não levantou nenhuma taça em 2019. Na madrugada da última terça-feira, a Mancha Alviverde, principal organizada do clube, protestou em frente à empresa que tem Maurício Galiotte como sócio, em Barueri.

O local recebeu centenas de cachos de bananas. Todas as frutas foram adesivadas com uma fotografia do presidente do Verdão. Além disso, faixas com os dizeres “Maurício banana” e “Mattos ladrão” foram penduradas do lado de fora.

Alexandre Mattos, diretor de futebol do Palmeiras, enfrenta grande oposição da organizada. Em todos os jogos, um grupo da torcida utiliza camisetas com “Fora Mattos”. Eles acusam o dirigente de tirar vantagem financeira nas negociações de atletas e já foram até a casa dele para protestar.

Apesar da pressão, Mattos declarou que continua no clube na próxima temporada. O diretor tem contrato até o final de 2021.

Na derrota para o Grêmio, a torcida mostrou que acabou a paciência e xingou o elenco, chamando o time de “vergonha”.

Blog com Esportes Band

Homenagem ao Gabigol: Bebê recebe o nome de Gabriel
   26 de novembro de 2019   │     0:03  │  0

Pamela Marques, torcedora do Flamengo, fez homenagem a Gabigol

Pamela Marques, torcedora do Flamengo, fez homenagem a Gabigol (Foto: Daniel Castelo Branco)

A vitória épica do Flamengo no bicampeonato da Libertadores não ficará marcada somente na história: um bebê, nascido no dia da partida da final, recebeu o nome do salvador rubro-negro, Gabriel. “Ele iria se chamar Miguel, mas após o jogo resolvemos mudar o nome em homenagem ao Gabigol”, contou a mãe, Pâmela Marques, de 35 anos, que assim como o pai da criança é rubro-negra.

Ela assistiu ao jogo entre Flamengo e River Plate já com Gabriel Marques Pires em seus braços, no Hospital Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda, no centro do Rio. Horas antes tinha passado por uma cesariana.

O pai, Luciano Pires, 45 anos, gerente operacional, falou a respeito do sentimento que está vivendo. “Tenho outros dois filhos, Rafael e Daniel, que são flamenguistas e têm o Gabigol como ídolo. Quando o Flamengo ganhou o primeiro mundial eu tinha sete anos. Agora, com 45 anos, sou pai novamente e no mesmo dia de mais uma Libertadores. Estou muito feliz”, contou.

Gabriel nasceu com 3,410 kg, 50 centímetros e recebeu alta ontem com a mãe para a sua casa, no bairro Jardim América, Zona Norte, em clima de festa: nas ruas do centro do Rio os torcedores do Flamengo prestigiavam o desfile do time com a taça.

Blog com O DIA

Organizada do Santos repudia presença de Bolsonaro na Vila
   16 de novembro de 2019   │     0:02  │  0

Hashtag #BolsonaroNaVilaNão chegou a ser o assunto mais comentado no Twitter (Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo)

A Torcida Jovem do Santos, principal organizada do clube, divulgou uma nota repudiando a possível presença do presidente Jair Bolsonaro na Vila Belmiro, neste sábado. O presidente planeja acompanhar no clássico entre Santos e São Paulo pelo Brasileirão.

A organizada considera a visita de Bolsonaro como “palanque político” e reforça que os posicionamentos ideológicos do presidente são incompatíveis com a pluralidade da torcida santista.

“Repudiamos o palanque político que essa visita significa e reforçamos que os posicionamentos ideológicos de Bolsonaro são incompatíveis com a pluralidade social, racial, étnica e cultural da torcida santista”, diz um trecho da nota.

Na quarta-feira, a hashtag #BolsonaroNaVilaNão chegou a ser o assunto mais comentado no Twitter.

Palmeirense declarado e fã de futebol, Bolsonaro já marcou presença em outros estádios pelo Brasil. Recentemente, ele até fez uma “profecia” e disse que Gabigol fará o gol do título do Flamengo na Libertadores.

Blog com Esportes Band

Gabigolzinho é novo fenômeno da torcida do Flamengo
   12 de novembro de 2019   │     19:00  │  0

Emerson Rabello, o Gabigolzinho, acompanha a partida contra o Bahia nos ombros do paiEmerson Rabello, o Gabigolzinho, acompanha a partida contra o Bahia nos ombros do pai (Foto: MARCELO THEOBALD / Agência O Globo)

A ótima fase do Flamengo extrapola as quatro linhas. E a torcida segue fazendo um espetáculo à parte fora delas. O mais novo personagem é Emerson Rodrigues Rebello, ou, como ele faz questão de ser chamado, o Gabigolzinho — com direito a perfil oficial no Instagram. A ideia de imitar o ídolo, o atacante Gabigol, foi do próprio garoto, como garante o pai, o técnico em manutenção Wallace Rebello.

Desde o início do ano, a paixão de Emerson, de apenas cinco anos, aumentou ainda mais com a chegada do novo ídolo. Já sonhando em ser jogador de futebol desde os três anos, Gabigolzinho foi matriculado em uma escolinha de futebol do Flamengo na Penha Circular, Zona Norte do Rio, assim que completou a idade mínima para participar das atividades, no início deste ano. Antes treinando no meio campo, até ajudando na marcação, Emerson já foi adiantado para jogar no ataque, pela “fome de gols” do garoto, segundo relatos dos seus treinadores.

— Isso vem desde quando ele voltou a acompanhar os jogos comigo neste ano. Agora com o Gabigol, ele virou muito fã. E foi tudo muito espontâneo. Ele estava treinando normalmente na escolinha, aí teve um pênalti para ele bater. Ele fez o gol e já correu para comemorar igual ao Gabigol, e a mãe dele filmou. A partir daí, os próprios treinadores da escolinha passaram a chamar assim — conta Wallace.

Wallace, no entanto, deixou de levar o filho aos estádios por um período por conta da violência. No entanto, neste ano, Gabigolzinho voltou às arquibancadas do Maracanã no jogo contra o Santos, pela última rodada do primeiro turno do Campeonato Brasileiro. Já contra o CSA, pela 28ª rodada, Emerson foi fantasiado pela primeira vez, com a barba do ídolo, e, do jogo contra o Corinthians em diante, adotou o cabelo louro.

— O meu filho está muito feliz, quer contar para todo mundo. As pessoas chegam perto dele para tirar foto e ele já faz a pose do Gabigol. É uma coisa que ele quer naturalmente — conta Wallace, que revela ter demorado uma hora para sair do estádio neste domingo, por conta dos pedidos de foto. — Ele incorporou o personagem de verdade. Depois das fotos, ele já pede para as pessoas: “me segue lá no Instagram, Gabigolzinhooficial” — celebra o pai do garoto.

O primeiro encontro de Gabigolzinho com o camisa 9 ocorreu no início do mês, na saída do jogador após o treino no Ninho do Urubu. No dia seguinte, o atleta fez uma postagem em seu perfil oficial no Facebook, em homenagem às crianças que se vestem como o craque, chamado por ele de “Gabicartoon”.

Blog com EXTRA