Category Archives: Série C

Fim do mundo? Nem tanto… Veja os cenários que esperam Santa Cruz e Náutico na Série C
   27 de novembro de 2017   │     0:03  │  0

Santa Cruz e Náutico caíram juntos para a Série C do Campeonato Brasileiro (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)

Santa Cruz e Náutico caíram juntos para a Série C do Campeonato Brasileiro (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)

A dor dos torcedores de Náutico e Santa Cruz, que viram seus times serem rebaixados para a Série C do Campeonato Brasileiro neste ano, vai demorar a ser curada. Muitos imaginam a terceira divisão do país como o sub-mundo do futebol brasileiro, com estádios ruins, viagens desgastantes e clubes pouco tradicionais. No entanto, isso está longe de ser verdade. O GloboEsporte.com analisou os primeiros adversários dos dois pernambucanos, as viagens que farão e os estádios onde jogarão e comprovou que não existe tanta diferença em relação ao que acontece na Série B.

Ainda não foi batido o martelo dos grupos da Série C, mas como são divididos de forma regional dá para ter uma ideia de quem estará na chave do Tricolor e do Timbu. O adversário de maior tradição será o Remo, que já disputou a Série A algumas vezes. Mesmo sem tanta representatividade no cenário nacional, a Série C tem também Confiança-SE, Botafogo-PB e ABC-RN, que possuem um bom histórico dentro dos seus estados. O Salgueiro, rival local, também está na disputa. Completam o grupo Atlético-AC, Globo-RN e Juazeirense-BA.

Dos oito estádios que Náutico e Santa Cruz vão jogar na Série C, apenas um deles tem capacidade para menos de 10 mil pessoas. O grande destaque fica para o Mangueirão, do Remo, que pode receber um público de 45.007 e tem alguns jogos da seleção brasileira na sua história. O Batistão, do Confiança, foi todo reformado para os treinamentos da Grécia, na Copa do Mundo de 2014.

Blog com Globoesporte

CSA tem 3 jogadores na Seleção da Série C-2017
   31 de outubro de 2017   │     18:38  │  1

A Série C acabou com o CSA campeão e garantido na Série B 2018. Também conseguiram o acesso o vice Fortaleza, São Bento e Sampaio Corrêa. Portanto, são eles os protagonistas da Seleção da terceira divisão nacional.

Apenas dois nomes que não conquistaram o acesso aparecem na edição final. São eles o zagueiro Anderson, que fez grande campanha pelo Confiança, e o atacante Rafael Grampola, artilheiro do campeonato, com 13 gols pelo Joinville.

CONFIRA SELEÇÃO DA SÉRIE C:

Marcelo Boeck (Fortaleza);

Muriel (São Bento), Jorge Fellipe (CSA), Anderson (Confiança) e Bruno Melo (Fortaleza);

Diego Silva (Sampaio Corrêa), Daniel Costa (CSA) e Hiltinho (Sampaio Corrêa);

Everaldo (São Bento), Rafael Grampola (Joinville) e MIchel Douglas (CSA);

Técnico: Paulo Roberto (São Bento)

Blog com Futebol Interiror

Heróis do título inédito do CSA exaltam regularidade do time
   23 de outubro de 2017   │     0:05  │  0

Vibração dos jogadores no momento de levantar a taça de campeão do Brasil na Série C (Foto: AILTON CRUZ)

Depois de nove anos da última conquista, o estadual de 2008, o CSA conquistou a maior glória de sua história centenária. Fundado em 7 de setembro de 1913, o Azulão sagrou-se campeão da Série C do Campeonato Brasileiro, se tornando o primeiro clube do estado a conquistar um título nacional.

As finais contra o Fortaleza serviram para reforçar a campanha consistente do time comandado pelo competente Flávio Araújo, apelido no meio do futebol como ‘Rei do acesso’ – fama a qual o treinador comprou mais uma vez. Nos 24 jogos da vitoriosa campanha, o CSA somou 11 vitórias, empatou outras 10 partidas e perdeu somente três. É preciso lembrar que Nei da Matta foi o técnico azulino durante a maior parte da competição.

Há dois anos no CSA, o já ídolo Didira relembrou que este é o segundo acesso consecutivo do time, que ano passado foi vice-campeão da Série D, sendo derrotado na final pelo Volta Redonda-RJ. Emocionado após a partida, o meia relembrou que no início do projeto o clube “não tinha calendário, só o estadual”.

“A gente (elenco e comissão técnica) merece, por tudo o que a gente passou”, disse o jogador após o apito final.

Destaque da primeira finalíssima, Michel reforçou a importância do título na carreira dos jogadores e diz que saiu preocupado desta partida, mas que o médico o tranquilizou quanto a possível lesão. E, completou dizendo que só restou apoiar os companheiros do banco de reservas.

Questionado se ele iria dormir hoje, o atacante respondeu:

“Depois de hoje acho que nunca mais. Nos próximos dias com certeza eu não vou dormir”.

Capitão do CSA, Daniel Costa endossou que o time entrou em campo com o regulamento embaixo do braço. “Jogamos fechados e conseguimos segurar o time deles”, disse. Para encerrar ele enfatizou: “Vamos ficar na história do clube”

Sem pestanejar, o lateral-esquerdo Raul enalteceu a regularidade do time: “Ninguém merecia mais esse título do que nós”.

“O clube é muito grande. Nós somos o único campeão brasileiro do Alagoas. Só Deus sabe o quanto foi difícil, estão todos de parabéns”, disse, antes de se juntar aos outros jogadores para receber as medalhas e a taça.

Blog e Futebol Interior

O Brasil tem um novo campeão: CSA, o maior da Série C
   22 de outubro de 2017   │     0:05  │  3

A festa dos azulinos, do começo ao fim, encantou os brasileiros na conquista da Série C de 2017 (Foto: AILTON CRUZ)

O tão esperado título nacional, enfim, chegou para o CSA após 104 anos de fundação. O time alagoano sagrou-se campeão brasileiro da Série C, na noite de ontem, no Estádio Rei Pelé, em Maceió, ao empatar sem gols com o Fortaleza. No jogo de ida o CSA venceu por 2 a 1 e entrou em campo com a vantagem do empate. O Fortaleza precisava vencer por dois gols de diferença.

Mas tanto o campeão como o vice já tinham garantido o acesso para a Série B em 2018, ao lado dos outros dois semifinalistas: o São Bento, de Sorocaba (SP), e o Sampaio Corrêa-MA. A premiação, com entrega de medalhas e troféus, aconteceu após o jogo num clima de festa total.

O jogo foi muito equilibrado no primeiro tempo. O Fortaleza tentou dar pinta de que iria fazer pressão, mas adotou uma postura cautelosa e quase sofreu o gol aos oito minutos. Após falta cobrada por Daniel Costa, o atacante Michel Douglas cabeceou, o goleiro Marcelo Boeck deu um tapa e a bola ainda tocou na sua trave esquerda. O time cearense ameaçou num chute de longe de Ronny e que Mota fez grande defesa aos 19 minutos.

O segundo tempo teve a mesma tônica. O Fortaleza teve uma chance de ouro numa cabeça da de Adalberto, que tirou tinta da trave esquerda de Mota aos 25 minutos. Depois disso, os cearenses cansaram. E apoiados pelos torcedores, os jogadores do CSA se agigantaram.A partir daí, o CSA criou as melhores chances transformando Marcelo Boeck no melhor em campo.

Aos 30 minutos, após escanteio, o zagueiro Jorge Felipe subiu no segundo andar e testou firme. Boeck saltou, desviou a bola que ainda tocou na sua trave direita. Três minutos depois, da intermediária, Rafinha soltou a bomba e Boeck espalmou de novo.

Nesta altura, o Fortaleza já estava batido, sem forças para atacar. De outro lado, a torcida festejava nas arquibancadas o inédito título para o CSA e para o futebol alagoano.

O show da ‘Fantástica Nação Azulina’ foi outra atração da conquista dos alagoanos. Liderados por Rafael Tenório, os jogadores fizeram sua parte no campo de jogo. Nas arquibancadas, o povão azulino arrebentou, exibindo um festival de alegria espetacular. Em Maceió e em outras partes do Brasil o CSA venceu e convenceu. É um time ‘abusado’. O maior campeão da história da terceira divisão brasileira.

Textos: Arivaldo Maia e Futebol Interior

 

CSA é destaque no Brasil pela conquista da Série C
   21 de outubro de 2017   │     22:01  │  0

O CSA bordou uma estrela especial na camisa. A maior de toda a sua história. Chegou em quatro decisões de Brasileiro, guardou o grito, mas agora não teve jeito. Na quinta chance, venceu o primeiro jogo contra o Fortaleza, no Castelão, por 2 a 1, e empatou neste sábado num Rei Pelé lotado, por 0 a 0.

Este é, sem dúvida, o título mais importante do Azulão e do futebol alagoano. O acesso para a Série B com a taça da Terceirona fecha um ano marcante para o CSA, dono de uma história de 104 anos e de uma das mais apaixonadas torcidas do Nordeste.

Para chegar à taça, o CSA terminou a primeira fase na segunda posição do Grupo A, com 32 pontos. Nas quartas de final, conseguiu o acesso deixando para trás o Tombense. Na semifinal, superou o São Bento. Na primeira final na Arena Castelão, bateu o Fortaleza com gols de Michel e Pablo, contra. Cristiano, contra, diminuiu para o Tricolor.

Blog com Globoesporte/AL