Category Archives: Seleções

Sem pestanejar, técnico da Alemanha reconhece: “O 7 a 1 foi definitivamente superado”
   14 de novembro de 2016   │     13:22  │  0

Joachim Löw coletiva Alemanha na Itália (Foto: Stefano Rellandini / Reuters)Joachim Löw está com a Alemanha na Itália para amistoso nesta terça-feira (Foto: Stefano Rellandini / Reuters)

A seleção campeã do mundo está na Itália para uma turnê de seis dias de jogos e compromissos oficiais, que incluiu uma partida das eliminatórias para a Copa de 2018 contra a seleção de São Marino (terminada em goleada por 8 a 0), um encontro com o Papa em Roma e o amistoso contra a Itália.

Apesar da agenda lotada de compromissos, o treinador Joachim Löw não perdeu nem um minuto da vitória do Brasil por 3 a 0 sobre a Argentina no Mineirão. Dois anos e meio depois do 7 a 1 naquele mesmo estádio, o treinador alemão analisa o atual momento da seleção de Tite.

– Creio que o Brasil está numa fase de profunda renovação. Vi o jogo contra a Argentina e posso dizer que o Brasil me impressionou. Me impressionou muito pela maneira como entrou em campo contra uma seleção com o talento da Argentina. Vejo que o time do Brasil também integrou novos jovens que estão crescendo e, pelo que eu tenho acompanhado do Brasil, eu posso dizer que o 7 a 1 foi definitivamente superado – disse Low, em respsota à reportagem do GloboEsporte.com em Milão.

Blog com GloboEsporte.com

 

Comandada por Micale, seleção brasileira sub-20 é campeã no Chile
   18 de outubro de 2016   │     0:02  │  0

A seleção brasileira sub-20 conquistou, na noite deste domingo, o título do Quadrangular de Seleções. Na partida disputada em Talca, no Chile, o Brasil empatou com os donos da casa por 1 a 1 e garantiu a primeira colocação no torneio preparatório para o Sul-Americano da categoria. Foi a primeira conquista do técnico Rogério Micale depois da medalha de ouro inédita na Olimpíada do Rio.

Felipe Vizeu, atacante do Flamengo, marcou o gol do Brasil, que jogava pelo empate para ser campeão – venceu Uruguai e Equador, terceiro e quarto colocados, respectivamente, nas primeiras rodadas. Ainda no primeiro tempo, Lucas Paquetá fez boa jogada pela direita e tocou para o atacante bater cruzado de primeira no canto. A reação chilena veio na segunda etapa, mas o time de Micale conseguiu segurar o resultado para festejar no apito final.

Feliz com o título, Rogério Micale fez questão de ressaltar o principal objetivo alcançado no torneio disputado no Chile.

– Foi serviço completo. O mais importante era conhecer os jogadores, dar oportunidades para criar um leque maior de opções para a nossa convocação para o Sul-Americano. Mas é sempre bom ganhar. O Brasil sempre entra nas competições para ganhar – disse o treinador à página oficial da CBF no Facebook.

No jogo decisivo, o Brasil foi a campo com Cleiton, Gustavo, Nathan, Lucas Cunha e Marlon (Jefferson); Douglas, Caio Henrique e Lucas Paquetá (Ravanelli); Matheus Savio, Felipe Vizeu e Giovanny (Léo Jabá)

Brasil conquista título sub-17 na Índia com direito a goleada na decisão
   16 de outubro de 2016   │     0:02  │  0

brasil sub-17 campeão da brics cup (Foto: CBF)

Seleção brasileira conquistou a BRICS Cup com campanha de 100% de aproveitamento (Foto: CBF)

A seleção brasileira sub-17 conquistou, neste sábado, o título da BRICS CUP 2016, uma competição disputada na Índia entre os países do bloco e que serve de preparação para os compromissos que a equipe terá pela frente – ano que vem, por exemplo, tem Sul-Americano no Chile. Na decisão, diante da África do Sul, uma goleada por 5 a 1 serviu para coroar a campanha de 100% de aproveitamento no torneio.

Os gols da final foram anotados por Paulinho (do Vasco), Vinícius Jr. (Flamengo), Alan (Palmeiras) e Vitinho (Corinthians, que marcou duas vezes). O técnico Carlos Amadeu escalou a equipe para a decisão com Arthur Gazze, Wesley Andrade, Lucas Halter, Matheus Stockl e Kevin Kesley; Vitor Eduardo, Marco Antonio Santos e Alan Souza; Vinícius Jr., Paulinho e Vitinho.

A seleção brasileira venceu todos os cinco jogos da competição. Pela primeira fase, bateu a China por 2 a 0, a Rússia também por 2 a 0, a África do Sul por 3 a 0 e a índia por 3 a 1. Um dos destaques da equipe foi o meia Vinícius Jr., que fez gol em todas as partidas.

Gabriel Jesus “colhe” informações do Manchester City com Fernandinho na Seleção
   10 de outubro de 2016   │     0:04  │  0

Gabriel Jesus Seleção Brasileira (Foto: Pedro Martins / MoWA Press)

Gabriel Jesus é um dos destaques da seleção brasileira comandada por Tite (Foto: Pedro Martins / MoWA Press)

Em entrevista coletiva neste fim de semana,  logo após o treinamento da Seleção em Natal, o atacante falou sobre a futura parceria com o volante no clube comandado pelo espanhol Josep Guardiola.

– Quanto mais conhecimento eu tiver da cidade, do clube e de tudo por lá, fica mais fácil para a minha chegada. Procuro sempre perguntar o que tenho de curiosidade e o que pode ser importante para mim. Vai ser um choque, é normal – disse o atacante.

Mais cedo, Philippe Coutinho falou sobre o que esperar de Gabriel Jesus no Campeonato Inglês. O meia do Liverpool vê o companheiro de seleção brasileira, futuro rival na Europa, pronto para começar a sua carreira na Inglaterra.

– Ele é um craque, não vai te dificuldade nenhuma de se adaptar. É um jogador ágil, forte e rápido. Tudo o que se exige na Inglaterra ele tem. Tenho certeza que vai chegar muito bem – afirmou o meia.

Companheiros de Neymar e Coutinho no Mundial Sub-17 de 2009. Onde estão?
   9 de outubro de 2016   │     0:02  │  0

Protagonistas da Seleção contra a Bolívia, Neymar e Philippe Coutinho jogam juntos com a amarelinha desde os 15 anos, mas não fizeram sucesso sempre. A primeira competição internacional da dupla foi o Mundial Sub-17 de 2009, na Nigéria, em que o Brasil foi eliminado na primeira fase após vencer o Japão por 3 a 2 na estreia e ser derrotado por México e Suíça (ambos por 1 a 0).

Aquele time, que saiu do torneio debaixo de várias críticas, revelou vários jogadores que hoje fazem sucesso em grandes clubes. E, além de Neymar e Coutinho, tem Casemiro e Alisson como titulares da Seleção principal. Confira o destino de cada um.

Alisson (goleiro): goleiro titular, falhou no gol da derrota por 1 a 0 para a Suíça que eliminou o Brasil. Mas se recuperou, ganhou a posição de titular no Inter e rumou para a Europa. Atualmente está no Roma e é titular da Seleção brasileira.

Crystian (lateral-direito): revelado no Santos, chegou a ter chances nos profissionais, mas não se firmou. Passou por Boa Esporte, Paulista, Paraná, Paysandu e Penapolense, clube que defende atualmente.

Gerson (zagueiro): capitão do time, Gerson era elogiado pelo potencial que mostrava em campo, mas no Grêmio, clube que ele defendia, sempre houve dúvidas em relação ao sucesso dele por causa da altura (tem 1,77m). Não se firmou e passou, depois, por Oeste, RB Brasil e Atenas-URU. Em 2016, assinou com o Mumbai City, da Índia.

Romário Leiria (zagueiro): canhoto, Romário Leiria era do Internacional e tinha muito cartaz na base. Foi também campeão mundial sub-20 em 2011, mas não se firmou no Colorado. Passou por Náutico, Paysandu e Novo Hamburgo e agora tenta a sorte no Marítimo, de Portugal.

Dodô (lateral-esquerdo): o então lateral do Corinthians surgia como uma das principais promessas da equipe. Teve poucas chances no time principal, mas, após boa passagem pelo Bahia, foi para o Roma. De lá, para o Internazionale, e agora para o Sampdoria.

Casemiro (volante): ainda chamado de Carlão em 2009, Casemiro atuava mais adiantado do que hoje, como um segundo volante, e chegava bem para finalizar de fora da área. No ano seguinte, estreou pelos profissionais do São Paulo, e de lá foi para o Real Madrid, onde é titular absoluto desde a chegada de Zinedine Zidane ao comando técnico. É também absolutou na Seleção, mas ficou fora do jogo contra a Bolívia por lesão.

Guilherme Batata (volante): autor de um dos gols da vitória por 3 a 2 sobre o Japão na estreia, Guilherme Batata era um volante que aliava boa marcação e qualidade no chute de longe. Mas jamais se firmou no Furacão, e rodou emprestado por vários clubes. O último foi o Luverdense, em 2016.

Wellington Nem (meia): meia de origem, Wellington Nem fez parte de uma tentativa de Lucho Nizzo de deixar a equipe mais ofensiva na competição, e chegou a atuar como segundo volante. Não foi bem, mas deu a volta por cima e acabou vingando nos profissionais como atacante, pelo lado do campo. Foi titular do Fluminense campeão brasileiro de 2012 e hoje está no Shakhtar Donetsk.

Zezinho (meia): foi o craque do Sul-Americano Sub-17 daquele ano, e para muitos gaúchos, era melhor do que Neymar na época. Foi mal no Mundial e depois, apesar de alguns brilharecos em Santos e Atlético-PR, teve a carreira prejudicada pela intensa vida noturna.

Wellington Silva (atacante): Um dos dois jogadores nascidos em 1993 do grupo, Wellington Silva foi também um dos poucos a se salvar no fracasso brasileiro. Pouco depois, estreou nos profissionais do Fluminense, mas ficou pouco tempo. Foi vendido para o Arsenal, não se firmou, rodou por clubes espanhóis e retornou ao Flu tirando o sobrenome por já haver um homônimo na equipe. Faz um ótimo Campeonato Brasileiro.

Luis Guilherme (goleiro): herói do Sul-Americano daquele ano na decisão por pênaltis, Luis Guilherme chegou ao Mundial na reserva. O goleiro, que era visto como uma joia no Botafogo e chegou a treinar no Arsenal, no Manchester City e no Blackpool, da Inglaterra. Mas não se firmou. Rodou por vários clubes e recentemente terminou o curso de psicologia.

Romário (lateral-direito): comparado a Maicon no início da carreira, Romário surgiu bem no vitória, mas sofreu com uma série de lesões no joelho e não conseguiu uma boa sequência no Vitória. Em 2016, foi emprestado ao Londrina.

Sidimar (zagueiro): muito elogiado na base do Atlético-MG, Sidimar foi muito prejudicado por lesões no joelho que o impediram de ter uma sequência. Aos 24 anos, depois de atuar por Araxá, Villa Nova e Madureira, está no Tupi, novamente machucado.

Elivelton (volante): jogador de muita marcação e força física, Elivelton não teve chances nos profissionais do Santos. Passou, posteriormente, por Boa Esporte e Oeste, clube pelo qual disputou o último Paulistão antes de rescindir o contrato, em setembro.

Giovani (atacante): cria da base do Internacional, Giovani era uma das opções entre os reservas. Passou pelos juniores do Fluminense, rodou o interior gaúcho e em 2016 atuou pelo Sergipe, sob o comando do técnico Clemer.

Willen (atacante): estreou junto com Philippe Coutinho nos profissionais do Vasco e tinha o apelido de Charuto. Teve chances, mas aos poucos foi perdendo espaço e rodou por vários clubes até ir para o futebol tailandês em 2016.

Felipinho (atacante): baixinho e rápido, Felipinho fazia sucesso no Internacional no sub-17 e rapidamente foi vendido para o futebol sul-coreano. Rodou novamente por clubes pequenos do Brasil, e atualmente está no Muharraq, do Bahrein.

João Pedro (meia): versátil, João Pedro podia atuar em várias posições do campo e logo subiu aos profissionais do Atlético-MG. Foi vendido ao Palermo, mas não teve sucesso e acabou emprestado ao Peñarol. Após passagem discreta pelo Santos, voltou à Europa e está no Cagliari.

André Lucas (goleiro): cria do Corinthians, passou também pelo Santos e rodou pelo interior paulista até chegar ao Cuiabá, clube que defende atualmente.