Category Archives: Olimpíada

Previsão aponta Brasil com recorde de medalhas
   29 de março de 2015   │     0:01  │  0

A Infostrada, empresa especializada em estatísticas, atualizou sua previsão de medalhas para os Jogos do Rio-2016. Na tabela, o site prevê que o Brasil conquistará 27 medalhas, sendo dez ouros, 14 pratas e três bronzes.

De acordo com a análise, que leva em conta resultados recentes de cada país em competições internacionais, o Brasil terminará a Olimpíada na oitava posição. Porém, a empresa cometeu um erro ao colocar o pugilista Esquiva Falcão como medalhista de prata. Falcão se profissionalizou e não pode mais disputar Olimpíadas.

Uma previsão da Infostrada parece absurda. De acordo com o site, a medalha de ouro dos 100 metros rasos não ficará com o jamaicano Usain Bolt, mas com o norte-americano Justin Gatlin. Bolt ficaria com a prata.

Veja quem trará as medalhas do Brasil, segundo a Infostrada:

Ouro

Atletismo – Fabiana Murer (salto com vara)
Atletismo – Mauro Vinicius da Silva (salto em distância)
Ginástica – Arthur Zanetti (argolas)
Judô – Rafaela Silva (categoria até 57kg)
Judô – Mayra Aguiar (categoria até 78kg)
Maratona Aquática – Ana Marcela Cunha (10km)
Natação – Cesar Cielo (50m livre)
Vela – Martine Grael/Kahena Kunze (49erFX)
Vôlei feminino
Vôlei masculino

Prata

Boxe – Esquiva Falcão (o atleta se profissionalizou e não pode mais disputar Olimpíadas)
Boxe – Clelia Marques da Costa (peso mosca)
Boxe – Robson Conceição (peso leve)
Ginástica – Diego Hypolito (solo)
Handebol feminino
Judô – Sarah Menezes (categoria até 48kg)
Judô – Maria Suelen Altheman (categoria acima de 78kg)
Judô – Rafael Silva (categoria acima de 100kg)
Luta olímpica – Aline Ferreira (luta livre)
Maratona Aquática – Poliana Okimoto (10km)
Natação – Bruno Fratus (50m livre)
Tênis – Marcelo Melo/Bruno Soares (duplas)
Vela – Robert Scheidt (Laser)
Vôlei de praia – Larissa/Talita

Bronze

Boxe – Everton Lopes (peso meio médio ligeiro)
Maratona Aquática – Allan do Carmo (10km)
Natação – Leonardo de Deus (200m borboleta)

 

Blog com DOL

Autoridades no Rio garantem que obras para Olimpíadas estão dentro do prazo
   27 de março de 2015   │     0:07  │  0

As autoridades responsáveis pelas obras para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, garantem que tudo está dentro do prazo. Restando menos de 500 dias para os Jogos,  não faltam, no entanto, desafios para garantir o sucesso do evento, marcado para agosto: dezenas de obras inacabadas, instalações a serem feitas, equipamentos a serem adquiridos, Baía de Guanabara a ser limpa.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, chegou a propor aposta com um repórter que lhe perguntou se as obras estarão todas prontas a tempo. “Já falei 500 vezes que estará tudo pronto, você quer apostar? Quanto quer apostar?”, perguntou ele ao jornalista. “Para a desgraça de alguns, as obras para as Olimpíadas vão bem e de legado também”, garantiu o prefeito.

A matriz de responsabilidades dos jogos, documento que reúne os compromissos assumidos pelos governos federal, estadual e municipal para a organização e realização do evento, foi atualizada em janeiro. São 56 projetos orçados em mais de R$ 6,6 bilhões. Do valor total, R$ 4,24 bilhões são financiados por parcerias com o setor privado e R$ 2,37 bilhões, por recursos públicos.

As mais de 660 disputas esportivas, previstas para os 30 dias de jogos, vão ocorrer em mais de 30 instalações nas quatro regiões definidas pelos organizadores. A região do Maracanã engloba o estádio, o Sambódromo e o Engenhão. A de Copacabana inclui a Marina da Glória e a Lagoa Rodrigo de Freitas, que receberão provas como remo, vela e canoagem. As regiões da Barra e de Deodoro são as que concentram o maior número de obras.

A obra mais avançada é a Vila Olímpica e Paralímpica, na Barra da Tijuca, zona oeste, onde ficarão os atletas e que está com 75% das obras concluídas, segundo o Comitê Rio 2016. Com capacidade para hospedar até 18 mil pessoas em uma área 475 mil metros quadrados, o complexo residencial tem 31 prédios de 17 andares, com 3.604 apartamentos e 10.160 quartos. A conclusão da obra está prevista para o fim do ano. Só então serão construídas as estruturas temporárias, como policlínica, refeitório com capacidade para 5 mil pessoas e uma academia.

Os eventos-teste começam em julho. Até maio de 2016 serão feitas 44 competições que devem reunir mais de 7.800 atletas na cidade. Os eventos-teste de alguns esportes, como ginástica e triatlo, serão classificatórios para os Jogos. Alguns, como os de badminton, tiro esportivo e atletismo, servirão para que os atletas possam somar pontos ou atingir marcas.

O secretário municipal da Casa Civil, Pedro Paulo Carvalho, explicou que a cooperação da sociedade civil será fundamental para garantir a mobilidade na cidade durante os jogos e que essa cooperação deve começar nos eventos-teste. “A preocupação é permanente. Essa não é uma operação apenas da prefeitura do Rio, precisamos da parceria da população e que a imprensa ajude a comunicar as medidas que serão adotadas”, explicou, ao mencionar a mudança do calendário escolar. as restrições de vias durante o evento, como mudanças que precisam ser informadas aos cidadãos.

Durante os 30 dias de evento, a cidade vai receber delegações de 204 países, com 15 mil atletas.

 

Blog com Agência Brasil

Corinthians libera Itaquerão, mas reitera exigências para Olimpíada
   26 de março de 2015   │     0:01  │  0

O Corinthians aceitou ceder seu estádio para receber partidas dos torneios masculino e feminino de futebol da Olimpíada de 2016. No entanto, deixou claro que não gastará um centavo sequer por conta da competição. A decisão ocorreu numa reunião em São Paulo. No entanto, ainda não está totalmente batido o martelo sobre a participação da cidade nos Jogos, pois isso depende de um acordo sobre quem arcará com os custos das estruturas temporárias necessárias para o Itaquerão.

A reunião teve a presença de representantes do clube, do Comitê Rio-2016, do Ministério do Esporte, da Prefeitura de São Paulo e do governo estadual. A CBF e a Federação Paulista de Futebol também estiveram representadas. “Estamos avançando. Todas as partes saíram com uma liçãozinha para fazer”, disse uma pessoa ligada à organização dos Jogos.

Essa “liçãozinha” nada mais é do que o estudo das estruturas temporárias, os custos e quem vai arcar com o quê. Para a Olimpíada, é preciso a colocação de algumas tendas para receber o pessoal de apoio, equipamentos de segurança e, no caso do Itaquerão, adaptação nos vestiários para que possam ser utilizados pelas jogadoras das seleções de futebol feminino.

O valor que será gasto ainda não está fechado, mas o comitê acredita que ficará bem abaixo dos R$ 30 milhões que têm sido divulgado. Nos próximos dias, talvez ainda esta semana, deverá haver definição, pois a intenção do Comitê Olímpico Internacional (COI) é ter uma decisão sobre as sedes no fim do mês.

A Prefeitura deverá buscar parceiros para pagar a parte pela qual ficará responsável. O estado poderá fazer o mesmo. Há, ainda, a possibilidade de o Comitê Rio-2016 e o governo federal, por meio do Ministério do Esporte, colocarem algum recurso. A cidade de São Paulo deverá receber 10 ou mais jogos das competições de futebol da Olimpíada.

 

Blog com A TARDE

Romário quer estimular Brasil a se tornar potência mundial no esporte
   21 de fevereiro de 2015   │     0:06  │  0

Romário continua buscando melhores dias para o esporte bvrasileiro

Romário continua buscando melhores dias para o esporte brasileiro

O senador Romário (PSB-RJ) quer estimular o Brasil, sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, a tornar-se uma potência mundial no esporte. Com esse objetivo, ele apresentou o Projeto de Lei do Senado (PLS) 26/215, que estabelece a criação do Fundo Nacional de Legado Olímpico e Paralímpico (FNLOP).

Gerido pelo Ministério do Esporte, o fundo proposto teria dois objetivos: financiar projetos de desenvolvimento do esporte educacional e de alto rendimento; e custear a manutenção da infraestrutura construída para os Jogos de 2016. O ministério, de acordo com seus próprios objetivos e metas, decidiria quais iniciativas priorizar.

O fundo teria sua existência fixada em dez anos, prorrogáveis por mais dez ao fim do prazo. Ele seria abastecido, entre outras fontes, por repasses federais, dotações orçamentárias, doações e fundos de investimento regionais. Além disso, poderia contar com 1% da arrecadação das loterias federais.

Romário entende que é necessário aproveitar os investimentos presentes em estrutura esportiva para perenizar o incentivo ao desporto no país. É o que o senador explica em sua justificativa para o projeto.

“O ambiente olímpico dos Jogos deve ser aproveitado como gatilho para continuar alavancando o desempenho dos atletas brasileiros em campeonatos mundiais e nas Olimpíadas. Diante da realidade social do nosso país, é de fundamental importância a canalização das potencialidades individuais e coletivas para a prática do esporte olímpico e paralímpico”, acredita.

O senador também vê as Olimpíadas e as Paralimpíadas como uma oportunidade para que o Brasil evolua em diversas frentes — não apenas na esportiva.

“Os Jogos devem passar para a história como experiência de sucesso no que diz respeito ao legado deixado para o país e à alocação estratégica de recursos públicos e privados para fomentar o desenvolvimento social, econômico e urbanístico”, defende Romário.

O projeto será analisado pelas Comissões de Educação, Cultura e Esporte (CE) e de Assuntos Econômicos (CAE).

 

Blog com Agência Senado

Um em cada quatro projetos dos Jogos Olímpicos não foi licitado
   30 de janeiro de 2015   │     0:02  │  0

Um em cada quatro projetos dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 ainda não foi licitado, faltando 555 dias para o evento. A informação, que consta na segunda atualização da Matriz de Responsabilidades dos Jogos, foi divulgada hoje (28) pela Autoridade Pública Olímpica, no Rio de Janeiro.

Em relação à primeira atualização da matriz, feita em julho de 2014, o número de projetos cresceu de 52 para 56. Os quatro projetos novos são referentes ao fornecimento de energia para as instalações da região de Copacabana, campo de golfe e Riocentro.

O projeto de urbanização do entorno do Estádio Olímpico João Havelange (Engenhão) saiu da Matriz de Responsabilidades. Desde então, o custo dos Jogos subiu de R$ 6,5 bilhões para R$ 6,6 bilhões, sendo que R$ 4,24 bilhões (64%) vêm do setor privado e R$ 2,37 bilhões (36%), do setor público. Seis dos 56 projetos já foram concluídos.

 

Blog com Agência Brasil