Category Archives: Jogos Pan-Americanos

Técnico diz que ‘Cielo chorou demais por deixar equipe na mão’ em Kazan
   9 de agosto de 2015   │     0:01  │  0

Técnico Arilson Silva no Pan-Pacífico de 2014

Técnico Arilson Silva no Pan-Pacífico de 2014

O técnico de Cesar Cielo, Arilson Silva, permaneceu em Kazan, ao contrário do pupilo que retornou para o Brasil.

O treinador contou que Cielo “chorou demais” por “deixar a equipe na mão” ao abandonar o Mundial.

Arilson também falou que foi pedido a Cielo que desistisse da final dos 50 m borboleta na segunda-feira (3), mas o atleta rejeitou – ficou em sexto.

Foi uma lesão. Isso acontece com atletas, ainda mais no alto nível. Ele é um cara extremamente competitivo. Quando não saem as coisas do jeito que ele quer, tenta tirar de qualquer jeito, e até por isso é o campeão que é.

Às vezes passa do ponto. Ele sentiu um pouquinho [o ombro] nas finais em Vichy [no Aberto da França]. Quando nadou a 80%, foi brilhante. Só que quando colocou a potência toda, sentiu um pouco. Depois, ficamos na Holanda e achamos que o descanso iria ajudar.

Ele veio para o Mundial com uma responsabilidade completamente diferente dos outros. É um tricampeão que poderia ser tetra, ou seja, ele tem uma atração maior individualmente do que o time. Então, para esta competição, a opção foi trabalhar em cima das provas individuais dele.

Para os Jogos Olímpicos o trabalho é coletivo, porque eleva à décima potência o que estamos vivendo de pressão e exposição aqui. Precisamos estar todos juntos. É outra coisa. Na preparação para cá, tivemos de resolver esta questão individual.

Ele tinha duas provas para defender título, o que é uma condição que pouquíssimos têm, e tivemos de dar atenção para isso. Mas, para 2016, das três provas que estamos mirando, duas são coletivas. São revezamentos.

 

Blog com Folha de São Pauio

Brasil alcança metas no Pan, mas ainda tem dificuldade para investir no esporte
   1 de agosto de 2015   │     0:02  │  0

O Brasil alcançou as metas estipuladas pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) para a disputa dos Jogos Pan-americanos de Toronto, no Canadá, ao obter o terceiro lugar no quadro geral de medalhas, atrás apenas dos Estados Unidos e do Canadá, mas o país ainda apresenta grande dificuldade para ampliar os investimentos públicos na infraestrutura do esporte, na avaliação do coordenador da Secretaria de Extensão da Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília (UnB), professor Alexandre Luiz Gonçalves Rezende.

Para Rezende, o sucesso do desenvolvimento de uma política nacional de esporte não pode ser medido pelo número de medalhas em megaevento, como o pan-americano ou as olimpíadas, mas sim pelo acompanhamento e implementação de uma infraestrutura que eleve o número de praticantes de esportes no país.“Carecemos de um investimento na infraestrutura de base e eles não conseguem se traduzir em resultados em um ou dois ciclos olímpicos”, diz Rezende.

Segundo ele, o investimento na construção de quadras esportivas, locais para prática de atividade física de modo geral e preparação de profissionais qualificados poderia não trazer resultados esportivos para o país no curto prazo, mas sim para duas ou três olimpíadas depois dos jogos de 2016, no Rio de Janeiro, e depois de forma permanente.

Para o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, o resultado do Brasil em Toronto demonstrou evolução do país na preparação para os jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. “Além de conquistarmos as metas traçadas, graças à parceria entre o COB, Confederações, Ministério do Esporte, Ministério da Defesa, Ministério da Ciência e Tecnologia e patrocinadores conseguimos aumentar o número de modalidades com condições de lutar por medalhas nos Jogos Rio 2016 e no futuro”, disse Nuzman.

Mas para o Brasil se tornar efetivamente uma potência no mundo esportivo, segundo Rezende, o país precisa aliar a política de incentivo a prática esportiva desde a infância, com  investimentos no atletas de alto rendimento, feita atualmente. “Se tínhamos uma expectativa de que em função da realização das Olimpíadas no Brasil teríamos uma política que permitisse o investimento maior e a potencialização da participação do Brasil nesses megaeventos, o resultado do Pan nos mostra que isso não aconteceu de forma efetiva. Mas isso não quer dizer que tivemos uma má participação”, ponderou o professor da UnB.

“Para encontrar talentos tem que haver um trabalho anterior de formação desportiva geral para que as pessoas se envolvam com as modalidades, saibam apreciá-las e dos que praticarem e aprenderem é que vamos levar para os centros de alto rendimento. Se o Brasil não tiver o sistema completo montado, desde o início, da aprendizagem esportiva até o alto rendimento, o país fica lidando com partes”, disse.

 

Blog com Agência Brasil

Brasileiro acusado de estupro em Toronto já foi notificado sobre o caso
   25 de julho de 2015   │     0:03  │  0

A polícia de Toronto acusou Thye Mattos Ventura Bezerra, goleiro da Seleção Brasileira de polo aquático, de ter abusado sexualmente uma mulher canadense durante os Jogos Pan-Americanos. O goleiro, que atualmente está na Rússia por causa do Campeonato Mundial de Desportos Aquáticos, já foi notificado sobre o caso, de acordo com membros da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA).

O caso veio à tona em Toronto, após coletiva concedida pela polícia canadense. A cúpula brasileira em Kazan, cidade russa onde está sendo disputado o Mundial, recebeu aviso antes da realização da coletiva, na qual oficiais revelariam abuso sexual cometido por um membro da delegação brasileira durante os Jogos Pan-Americanos. Após a revelação, os dirigentes e jogadores foram avisados do teor da denúncia.

A polícia canadense expediu um mandado de prisão ao goleiro brasileiro. O desejo das autoridades canadenses é que Thye seja levado a Toronto para encarar as acusações e um eventual julgamento. O abuso aconteceu na casa da vítima, uma canadense de 22 anos de nome não revelado. Thye e um outro homem não identificado entraram na residência com duas mulheres. A polícia informou que não foi uma invasão, o que leva a crer que a presença deles ali era consentida.

Durante os Jogos Pan-Americanos, Thye foi o goleiro reserva da equipe brasileira que perdeu para os Estados Unidos na final e conquistou a medalha de prata.

 

Blog com Terra Esportes

Judoca Érika Miranda leva 1º ouro brasileiro do Pan
   13 de julho de 2015   │     0:04  │  0

Érika Miranda levou o primeiro ouro do Brasil em Toronto (Foto: William Lucas/Inovafoto)

Érika Miranda levou o primeiro ouro do Brasil em Toronto (Foto: William Lucas/Inovafoto)

A judoca Érika Miranda (52kg), da categoria ligeiro, levou o primeiro ouro do Brasil nesta edição dos Jogos Pan-Americanos. Com 28 anos, a 3ª no ranking mundial derrotou a canadense Ecaterina Guica após dois golpes seguidos e conseguiu sua primeira medalha de ouro na competição.

A brasileira imobilizou a dominicana Garcia em apenas 1min22s nas quartas-de-final. Na semi, passou pela equatoriana Diana Diaz antes de enfrentar Ecaterina Guica, que havia eliminado a norte-americana Angelica Delgado na mesma fase.

Os dois bronzes ficaram com Angélica Delgado, que venceu a dominicana Maria Garcia, e a cubana Gretter Romero, que derrotou a equatoriana Diana Diaz.

Érika Miranda foi ouro no Grand Prix de Baku em 2015, prata no Pan de 2007 e bronze em Guadalajara 2011. No Mundial de 2013, a judoca do Minas Tênis Clube levou a prata e no de 2014, o bronze.

 

Blog com Gazeta Esportiva

Jogos Panamericanos começam hoje no Canadá
   10 de julho de 2015   │     0:04  │  0

111111111111111111jogospanamericanosPela terceira vez, o Canadá vai ser o anfitrião dos Jogos Panamericanos. O país já recebeu o torneio em 1967 e 1999. As duas vezes em Winnipeg, na província de Manitoba. A competição ocorre pela primeira vez em Toronto, a maior cidade canadense, com 5 milhões de habitantes.

Durante 16 dias, cerca de 6 mil atletas de 41 nacionalidades das Américas vão disputar pódio em 36 esportes.

A abertura oficial será no dia de hoje, com um espetáculo organizado pelo Cirque du Soleil, uma das maiores expressões artísticas do Canadá.

Antes da abertura, já houve competição e com participação do Brasil. As equipes masculina e feminina de polo aquático enfrentaram os canadenses. Enquanto elas empataram com um placar de 7 a 7, eles ganharam por 11 a 9.

O Brasil vai participar dos jogos com uma delegação de 600 atletas. É a segunda maior participação brasileira em Panamericanos, perdendo apenas para os Jogos feitos no Rio de Janeiro, em 2007, quando a delegação brasileira reuniu 670 atletas.

O objetivo do Brasil é superar o número de 141 medalhas conquistadas no Pan de 2011, em Guadalajara, no México, e preparar novos atletas para as Olimpíadas de 2016.

 

Blog com Agência Brasil