Category Archives: Jogadores

Aos 36 anos, Nenê se vê preparado para jogar aberto no São Paulo
   24 de fevereiro de 2018   │     0:03  │  0

Resultado de imagem para Nenê, do São Paulo

 

Quem assistiu ao clássico San-São no último domingo certamente percebeu o veterano meia Nenê, (foto acima/SportTV), jogando aberto pelo lado esquerdo, e Cueva mais centralizado. Muitos críticos e torcedores entendem que o reforço são-paulino pode acabar sendo sacrificado nessa função mais desgastante, mas, ao contrário disso, o próprio atleta fez questão de esclarecer que mesmo aos 36 anos não vê qualquer dificuldade em ajudar o lateral tanto nas jogadas ofensivas quanto defensivamente.

“Eu sempre me cuidei. Clássico é sempre mais pegado, e eu acredito que desempenhei bem essa função, não tive problema, corri praticamente 12 km”, comentou Nenê, ao Sportv.

“Eu já joguei nessa (posição) muitos anos. Eu não estou vendo problema nenhum quanto a isso. Conversei com o Dorival e agora, como acho que ele viu que eu ainda tenho condição de estar ali (na ponta), é só acertar alguns movimentos táticos. A gente ainda tem que entrosar, joguei só quatro jogos”, explicou.

Nenê saiu do Brasil com apenas 20 anos de idade, depois de passagens por Paulista de Jundiaí, Palmeiras e Santos. No Velho Continente, o armador aprendeu a cumprir função, além de colocar em prática suas principais características de armador. Toda essa experiência é válida para o atual momento do São Paulo.

“Essa posição eu joguei muito, principalmente na Europa, claro que eu estava acostumado a jogar mais centralizado, mas eu tinha muita liberdade. Aqui (no São Paulo), meio que a gente estava revezando, Cueva e eu, e agora eu estou um pouco mais fixo jogando aberto. Mas a gente pode variar, Cueva, eu, Diego (Souza), para não ficar estático. A gente está treinando bastante isso”, emendou, refutando que a equipe esteja perdendo velocidade.

O que realmente tem incomodado Nenê não é sua posição em campo, e sim os resultados. Não só os placares em si, já que o São Paulo chegou a vencer três jogos seguidos e mesmo assim saiu de campo vaiado pela torcida tricolor. O desempenho preocupa. A derrota para o Santos no Morumbi só serviu para aumentar essa pressão.

“Hoje em dia é tudo resultado. Eu fiquei indignado com a derrota, porque jogamos bem e perdemos por uma bola. Mas perdemos, e não pode acontecer. Não tem paciência. Hoje em dia é tudo imediatista”, lamentou o jogador.

Blog com Gazeta Esportiva

Marcos Rocha se anima com o Dérbi: ‘É um clássico que mexe com todos’
     │     0:02  │  0

Resultado de imagem para Marcos Rocha., do Palmeiras

 

Após dois empates consecutivos, o Palmeiras está preparado para o clássico de hoje com o Corinthians, em Itaquera. Marcos Rocha, (foto acima), que vai disputar pela primeira vez o Dérbi paulista, mostra-se ansioso para o confronto, válido pela nona rodada do Estadual.

– É um clássico que mexe com a torcida, que mexe com nós jogadores. Para mim vai ser o primeiro. Tem a importância de começar vencendo clássicos para dar continuidade ao nosso trabalho, confiança ao nosso grupo. Vamos nos preparar bem para conseguir essa vitória e espero que a torcida possa nos apoiar, mesmo sem estar no estádio, mandando energias positivas, para conseguir a vitória diante do Corinthians – disse o camisa 22.

Com seis vitórias nas primeiras seis rodadas, o Verdão não conseguiu bater nem Linense nem Ponte Preta, na última semana. Segundo Marcos Rocha, o resultado em Campinas (SP) deve ser comemorado, diante das condições do gramado encharcado do Moisés Lucarelli.

– Fugimos da nossa característica que é o toque de bola e controle do jogo. Com o campo encharcado, tivemos de usar a parte física e impusemos nosso ritmo, mesmo faltando um pouco da parte técnica, de um pouco de sorte, porque criamos para sair com a vitória. Todos estão de parabéns pelo empenho – completou.

Blog com LANCE

Réver admite ansiedade pela estreia na Copa Libertadores
   23 de fevereiro de 2018   │     0:04  │  0

Réver beija o filho, Réver Junior, em coletiva no Ninho do Urubu

Réver beija o filho, Réver Junior, em coletiva no Ninho do Urubu – (Foto: Marcio Mercante / Agencia O Dia)

Rio – Réver trocou, a firmeza de xerife que exibe em campo pela ternura. Ao lado do filho Réver Júnior, de 4 anos, transpirava carinho, durante a coletiva, no Ninho do Urubu, enquanto curtia o dia seguinte a mais uma conquista na carreira. O capitão, no entanto, não perde a concentração e admite a inquietação por causa da estreia pela Libertadores, dia 28, contra o River Plate, no Nilton Santos.

“É difícil controlar essa ansiedade. Isso pode até nos atrapalhar. Ontem (domingo), fizemos um primeiro tempo ansioso, tentando resolver de qualquer maneira. Não pode ser assim. Temos que tomar cuidado com isso. A estreia vai ser contra uma equipe que entra também como favorita”, afirmou Réver.

“Isso pode colocar por água abaixo uma estreia em casa, e a gente não ter um resultado positivo. Temos que controlar (a ansiedade) da melhor maneira para estrear bem. Uma pena que será sem o torcedor, mas tenho certeza que eles vão estar acompanhando e passando energia boa para conseguirmos a vitória”, completou o defensor.

Entre abraços e beijos no filho, que ao pé do ouvido lembrava ao pai a hora do jantar, Réver classificou como dificílima a chave do Flamengo o Rubro-Negro está no Grupo 4 da Libertadores ao lado de River, Emelec e mais um clube ainda a ser definido. O zagueiro ressalta os erros de 2017, quando o time caiu na primeira fase, para que, desta vez, a história seja diferente:

“Ano passado pecamos muito fora de casa, não somamos pontos em partidas controladas, jogando bem. Em casa, fizemos o nosso dever, mas, fora, deixamos escapar. Temos que ter essa precaução para seguir na Libertadores.”

Blog com O DIA

Montillo desabafa após escolas recusarem matrícula de seu filho com Síndrome de Down
   22 de fevereiro de 2018   │     0:04  │  0

Santino roubava a cena e se tornou xodó da torcida alvinegra

Santino roubava a cena e se tornou xodó da torcida alvinegra – (Foto: Vitor Silva/SS Press/Botafogo)

Argentina – Depois de se aposentar precocemente por conta de repetidas lesões, o argentino Walter Montillo voltou ao futebol, mas descartou jogar pelo Botafogo novamente por conta de seu filho Santino, que estava em fase de aprendizado e precisava de uma escola na Argentina. Problema é que o meia revelou que não consegue matricular a criança em nenhum local. O motivo? A Síndrome de Down.

O meia do Tigre-ARG usou seu Twitter para desabafar sobre a situação que vem enfrentando ao lado do menino de oito anos, que nasceu com a doença genética e vem tendo matrícula negada em diversas escolas.

“Nunca pensei que seria tão difícil conseguir uma escola para o meu filho no meu próprio país. Tenho um filho com síndrome de Down, não uma bomba nuclear. Não dá para acreditar. Há vagas, mas quando informamos que ele ‘tem Down’, dizem que não há mais vagas. Muito triste.”

Santino, que passou por diversas operações em sua curta vida, está em fase de aprender a ler e escrever, sendo um dos motivos pelos quais Montillo preferiu voltar a um país que falasse espanhol.

Blog com O DIA

Jogador que espancou gandula é afastado do Operário-MS
     │     0:03  │  0

Jeferson Reis, atacante do Operário-MS, espancou um gandula

Jeferson Reis, atacante do Operário-MS, espancou um gandula – (reprodução de video)

Mato Grosso do Sul – Em dia que contou com as cenas lamentáveis no Ba-Vi, as agressões de Jeferson Reis, jogador do Operário-MS a um gandula no clássico contra o Comercial-MS também chocaram o futebol. O presidente do clube já anunciou seu afastamento do elenco.

Estevão Petrallas, presidente do Operário, realizou uma coletiva de imprensa para falar sobre o ocorrido, onde ressaltou que o clube não compactua com o tipo de atitude que o atleta teve, revelando que Jeferson foi afastado em definitivo do time.

Raul Prazeres, massagista acusado de ter participado da agressão, foi suspenso de forma temporária pela equipe. Em relação a outro atleta suspeito de agredir o gandula, Rodrigo Gral, o presidente indicou que não há provas de sua participação e, por conta disso, o clube não tomou nenhuma atitude.

O motivo da briga foi porque Tadeu comemorou o único gol do clássico, marcado por Jô, do Comercial, aos 45 minutos do segundo tempo. Tadeu está com suspeita de ter fraturado o nariz. O jovem foi à delegacia para prestar queixa da agressão sofrida. A partida terminou logo após a confusão generalizada. O Comercial venceu o Operário por 1 a 0, pela sétima rodada do Campeonato Sul-Mato-Grossense.

Blog com O DIA