Category Archives: Fifa

Presidente da Fifa desafia a Uefa: ‘Eurocopa também poderia ser a cada dois anos’
   5 de janeiro de 2022   │     19:00  │  0

O presidente da Fifa, o suíço Gianni Infantino, saiu mais uma vez em defesa da Copa do Mundo a cada dois anos e disse que a Eurocopa poderia seguir o mesmo caminho. Em uma entrevista à rádio italiana Anch’io Sport, o dirigente explicou que “o impacto econômico é positivo para todos”.

“A Copa do Mundo a cada dois anos não é uma petição minha, mas sim do Congresso da Fifa, que pediu um estudo sobre a sua viabilidade. Fizemos um estudo muito sério e do ponto de vista esportivo funcionaria. O impacto econômico é positivo para todos”, explicou.

“O mais importante é que é positivo para a proteção das ligas nacionais e para os próprios jogadores. Haveria menos jogos com uma pausa em julho. Na Europa há oposição, mas esta é uma forma mais inclusiva. As Eurocopas também poderiam ter a mesma cadência”, acrescentou Infantino.

Na entrevista, o presidente da Fifa também falou sobre o tempo de jogo efetivo e ressaltou que é um aspecto que deve ser estudado. “Sou tradicional porque o futebol é um esporte tradicional, mas moderno em não ter tabus. Um dos maiores problemas do nosso futebol é que quando há uma pequena falta, o jogador fica no chão e não se mexe”, disse.

“Pode-se pensar um pouco mais em tempo real, não é possível que em 90 minutos as partidas durem 47. Então não sei se o cronômetro é a solução ou não. Fui contra o VAR (árbitro de vídeo) no início, mas vimos que pode ajudar o árbitro. O que pode ajudar o futebol é bem-vindo, assim como a regra do impedimento, que dá uma vantagem aos atacantes. Este é também um dos pontos que estamos estudando”, acrescentou.

Questionado sobre a possibilidade de o estádio Olímpico, em Roma, ser rebatizado de estádio Paolo Rossi, em homenagem ao jogador italiano, herói da Copa do Mundo que a Itália conquistou na Espanha em 1982 e que morreu em 2020, Infantino se entusiasmou. “Não há ninguém contra ‘Pablito’, temos que apoiar a ideia de colocar o estádio Olímpico com o nome de Paolo Rossi. Ninguém como ele teve impacto sobre os italianos no mundo”, concluiu.

Blog com ESTADÃO Conteúdo

 

Pesquisa da Fifa mostra que 63,7% dos torcedores aprovam Copa do Mundo a cada 2 anos
   19 de dezembro de 2021   │     15:00  │  0

Troféu da Copa do Mundo – (Foto: HEULER ANDREY/DIA ESPORTIVO/ESTADÃO CONTEÚDO)

De acordo com os dados divulgados, o maior apoio à ideia partiu de Ásia e África.

A Fifa publicou ontem, dia 17, os resultados de uma pesquisa ampliada sobre a frequência das Copas do Mundo, indicando que 63,7% dos torcedores consultados gostariam que o torneio acontecesse com mais assiduidade.

De acordo com os dados divulgados, o maior apoio à ideia partiu de Ásia e África, com 66% e 76%, respectivamente. Já entre países, a Turquia apresentou maior receptividade às mudanças, em 87%, seguida por Índia e África do Sul, ambas com 85%.

A Europa foi o continente que apresentou menor sinal de aprovação ao projeto de reduzir a periocidade da Copa, com 48%. Entre países, os índices mais baixos são de Inglaterra, Alemanha e França, com 53%, 50% e 42%, respectivamente.

Os resultados da pesquisa serão apresentados segunda-feira, dia 20/12/21, na próxima reunião de cúpula da Fifa, em que participarão todas as federações nacionais e confederações continentais filiadas.

Blog com informações da Agência EFE

Presidente da Fifa polemiza e rebate críticos da Copa do Mundo bienal
   29 de novembro de 2021   │     18:00  │  0

Gianni Infantino é o atual presidente da Fifa – (Foto: EFE/ Cristobal Herrera)

Gianni Infantino segue fazendo excursões com a missão de convencer delegações e autoridades de que o Mundial a cada dois anos é uma boa iniciativa para a comunidade do futebol,

Presidente da Fifa, Gianni Infantino segue fazendo excursões com a missão de convencer delegações e autoridades de que a Copa do Mundo a cada dois anos é uma boa iniciativa para a comunidade do futebol. Nesta sexta-feira, durante discurso para 54 dirigentes de federações africanas, no Egito, o mandatário polemizou, disparando contra quem é crítico do Mundial bienal. “Acontece em todos os setores da vida, quando há reformas e mudanças, aqueles que estão no topo não querem que nada mude”, discursou o suíço no Cairo, capital do Egito. “Eles temem, talvez, que se algo mudar sua posição de liderança estará em risco”, completou.

Uefa e Conmebol, responsáveis por gerir o futebol na Europa e na América do Sul, respectivamente, já se manifestaram contra a ideia de reduzir a distância entre as competições de quatro para dois anos. Ainda assim Infantino se mantém irredutível na ideia da mudança, com discurso de que seria “mais justo”. Atualmente, apenas seleções da Europa e da América do Sul englobam o Top 10 do ranking de seleções, com Bélgica em primeiro e Brasil e Argentina em segundo e quinto, respectivamente. Os representantes do dois continentes formaram as 21 decisões da Copa do Mundo.

“Compreendemos isso, os parabenizamos e aplaudimos por terem tido tanto sucesso em chegar ao topo”, disse Infantino. “Isso é fantástico e eles são um exemplo para todos. Mas, ao mesmo tempo, não podemos fechar a porta para os outros”, acrescentou o presidente da Fifa, que sonha ver representantes de outros continentes conseguindo a façanha. Segundo o mandatário, a ideia da Copa a cada dois anos é ajudar outras regiões a se desenvolverem e diminuírem essa diferença, dando às nações mais chances de se classificarem e, aos jogadores, mais oportunidades de atuarem no maior palco do futebol mundial.

Blog com Jovem Pan

 

Ranking da Fifa: Brasil diminui diferença para a Bélgica; Argentina entra no top 5
   23 de novembro de 2021   │     5:00  │  0

Vinícius Júnior esteve presente nas principais chances de gol do Brasil contra a Argentina – (Foto: Juan Ignacio Roncoroni / EFE)

A França, que garantiu sua vaga na Copa do Mundo de 2022 com os triunfos sobre Cazaquistão e Finlândia, completa o pódio, mantendo a terceira posição.

A Fifa atualizou, na tarde de sexta-feira última, o seu ranking após a realização da Data Fifa de novembro, a última de 2021. A seleção brasileira, após vencer a Colômbia e empatar com a Argentina, diminuiu a diferença para a líder Bélgica, mas segue na segunda colocação. A diferença, agora, é de apenas 2,1 pontos, conforme a conta feita pela entidade que rege o futebol mundial. A França, que garantiu sua vaga na Copa do Mundo de 2022 com os triunfos sobre Cazaquistão e Finlândia, completa o pódio, mantendo a terceira posição.

Quem perdeu duas colocações no ranking da Fifa foi a seleção italiana, que terá de disputar a repescagem das Eliminatórias da Europa depois de empatar com Suíça e Irlanda do Norte. Da quarta posição a Itália passou para o sexto lugar, sendo ultrapassada por Inglaterra e Argentina – os “hermanos” fecham o top 5. Outras movimentações na parte de cima da tabela aconteceram graças a Dinamarca e Holanda, que completam o top 10 depois da queda do México para a 14ª posição. Veja a classificação abaixo.

Vale lembrar que os sete melhores colocados do ranking serão cabeças-de-chave do Mundial de 2022. Além deles, o Catar, anfitrião do torneio, também ocupará tal posto. Para estabelecer o ranking, a entidade máxima do futebol mantém o critério do algoritmo, considerando várias situações, como resultado do jogo, número de gols e tipo de partida. Amistosos realizados fora da data Fifa, por exemplo, equivalem a pontuação mínima de cinco pontos. Já uma vitória em um confronto válido a partir das quartas de final de uma Copa do Mundo chega a somar 60 pontos.

Confira o top 10 do ranking da Fifa

1 – Bélgica – 1.828,45 pontos
2 – Brasil – 1.826,35 pontos
3 – França – 1.786,15 pontos
4 – Inglaterra – 1.755,52 pontos
5 – Argentina – 1.750,51 pontos
6 – Itália – 1.740,77 pontos
7 – Espanha – 1.704,75 pontos
8 – Portugal – 1.660,25 pontos
9 – Dinamarca – 1.654,54 pontos
10 – Holanda – 1.653,73 pontos

Blog com Jovem Pan

Justiça manda Fifa indenizar brasileiro inventor do spray: “Davi venceu o Golias”
   1 de novembro de 2021   │     15:00  │  0

Fifa perdeu ação para brasileiro

Fifa perdeu ação para brasileiro – 

Valor da indenização será definido na próxima etapa do processo.

O brasileiro Heine Allemagne, que há seis anos briga judicialmente com a Fifa, conseguiu uma vitória importante na Justiça nesta quarta-feira. A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro condenou a entidade máxima do futebol a indenizar a Spuni Comércio de Produtos Esportivos, empresa de Allemagne, por danos causados em decorrência da utilização não autorizada do spray de demarcação de barreira em competições de futebol.

O Tribunal de Apelação acolheu o recurso apresentado pela Spuni e reverteu a decisão de primeira instância de julho do ano passado. Na ocasião, a juíza Fabelisa Gomes Leal, da 7.ª Vara Empresarial do TJ-RJ, havia dado razão à Fifa ao considerar que a entidade não tinha violado o uso da patente que pertence a Allemagne.

Por unanimidade, a 14ª Câmara Cível do Tribunal de Apelação determinou que a Fifa indenize Spuni e reconheceu a má-fé da entidade em razão da falta de lisura nas negociações existentes entre o inventor da tecnologia e a entidade. Ainda cabe recurso, mas a decisão desta quarta não permite mais a discussão de provas e fatos.

“O Davi venceu o Golias do futebol”, afirma ao Estadão Allemagne, sem esconder o entusiasmo pela decisão da Justiça. “Vencer a Fifa, o maior órgão, a dona do futebol, dona do esporte mais amado do planeta, é um feito épico. Eu me sinto um ituiutabano, mineiro e brasileiro vencedor que fez história no futebol mundial. Hoje mais que o inventor do spray, sou o homem comum, que venceu a Fifa”, acrescenta.

Relator do processo, o desembargador Francisco de Assis Pessanha Filho decidiu que a Spuni deve ser indenizada pelos danos ocorridos desde 2012. Também foi determinado que a entidade pague R$ 50 mil por ter utilizado a tecnologia na Copa do Mundo de 2014, no Brasil, ocultando a marca da Spuni. O produto fora cedido de graça.

“A Fifa, após reiterada utilização gratuita do produto, transferência de expertise e promessas de compra da patente, atuou em flagrante má-fé negocial, violando o nome da empresa autora e ficando inerte na concretização do negócio jurídico”, argumentou o desembargador.

No julgamento, a defesa da Fifa argumentou que não usa inventos, não compra patentes, e que não violou patente nenhuma. O Estadão tentou contato com o departamento de comunicação da entidade que rege o futebol mundial, mas não obteve retorno até a publicação da reportagem.

O valor da indenização será definido em uma próxima etapa processual. Somente uma parte da indenização é estimada, na peça que inaugurou o litígio, de 2017, em mais de R$ 50 milhões. Naquela peça, o inventor pedia U$S 40 milhões. Esse é o valor mínimo que, segundo o brasileiro, a Fifa prometeu que lhe pagaria para comprar o equipamento.

“Eu falei com o (secretário-geral da Fifa) Jérôme Valcke. Na Fifa, pedimos um preço justo, e há avaliações de mercado que confirmam valores maiores do que a Fifa ofereceu”, alegou Allemagne.

Em 2014, ele chegou a receber uma proposta de US$ 500 mil pela compra de sua patente, mas considerou o valor irrisório. “Eu nem respondi àquela proposta imoral. E depois daquilo, a Fifa continuou as tratativas e nos usando, continuou solicitando o uso e os testes, tanto que chegamos a treinar os árbitros da Copa do Mundo no campo do Zico e no hotel Windsor”, relata o mineiro de 50 anos.

Blog com o CORREIO DO POVO/RS