Category Archives: Ex-jogadores

Partiu: Ronaldinho Gaúcho divulga mensagem sobre sua aposentadoria
   19 de janeiro de 2018   │     0:02  │  0

Resultado de imagem para Ronaldinho Gaúcho, hoje, no pagode

Quando jogou, Ronaldinho foi maravilhoso. Agora vive intensamente sua vida, desfrutando o prestígio de um nome que encantou o mundo do futebol (Foto: Divulgação)

 

Depois da confirmação da aposentadoria de Ronaldinho Gaúcho, o agora ex-jogador de 37 anos se pronunciou sobre o fim da carreira, ao postar um texto em suas redes sociais.

Na mensagem, Ronaldinho Gaúcho agradeceu as diversas homenagens recebidas e disse estar realizado pelos seus 20 anos como jogador profissional.

Sem jogar oficialmente desde 2015, o ídolo do Barcelona foi cogitado em algumas equipes, mas não voltou a assinar contrato com nenhum clube, participando apenas de jogos festivos.

A última equipe pelo qual atuou foi o Fluminense, onde jogou somente nove partidas, sem marcar nenhum gol.

Na carreira, Ronaldinho foi revelado pelo Grêmio e teve passagens por Paris Saint-Germain (PSG), Barcelona, Milan, Flamengo, Atlético Mineiro, Querétaro e Fluminense. O ex-jogador pendurou as chuteiras com mais de 15 títulos no currículo e outras diversas premiações individuais.

Entre suas principais conquistas estão: uma Copa do Mundo, uma Liga dos Campeões, dois Campeonatos Espanhóis e outra Copa Libertadores da América.

Mesmo tendo condições de jogar nos últimos anos, Ronaldinho Gaúcho jamais foi o mesmo. Viajou bastante e nunca esqueceu sua maior paixão – o Pagode – vivido intensamente com seus amigos mais próximos.

Texto: Blog e Agência ANSA

Aposentado, Zé Roberto mostra registro de sua nova função no Palmeiras
   11 de janeiro de 2018   │     0:01  │  0

O volante Zé Roberto na função de assessor técnico do Palmeiras
O volante Zé Roberto na função de assessor técnico do Palmeiras (Foto: Reprodução / Instagram)

 

Aos 43 anos, Zé Roberto anunciou oficialmente a aposentadoria no fim de 2017. Depois de dedicar mais de 20 anos ao futebol, o ex-volante aceitou a proposta de ser assessor técnico do Palmeiras, seu último clube. Ontem, ele fez um registro do seu novo ambiente de trabalho: o escritório.

“Ano de desafios… nova rotina… muito trabalho… Bate no peito e fala que 2018 vai ser grande”, escreveu o ex-atleta em seu perfil no Instagram.

Como assessor técnico do Palmeiras, Zé Roberto vai trabalhar de perto com a comissão técnica, incluindo o técnico Roger Machado, seu ex-treinador, e os jogadores. Ele irá fazer o trabalho ao lado de Cícero Souza, que é gerente de futebol, e Alexandre Mattos, o diretor de futebol.

Blog com EXTRA

Longe dos gramados, ídolo do Santa Cruz recomeça a vida como porteiro
   6 de janeiro de 2018   │     0:02  │  0

Pantera atualmente trabalha como porteiro (Foto: Tiago Medeiros)

Pantera, ex-ídolo do Santa Cruz, atualmente trabalha como porteiro (Foto: Tiago Medeiros)

Alcir é um cara de sorte, não espera além das 7h para largar do serviço. O colega que lhe rende costuma sempre chegar antes do começo do expediente. É sempre assim, ele o atualiza dos acontecimentos, passa o que tem de ser feito e se despede: ‘’Valeu, meu artilheiro”.

Alcir não está agradando o companheiro, mas, sim, exaltando uma verdade. Debaixo daquela farda azul, está um dos grandes nomes revelados na história recente do Santa Cruz: Maurício Leandrino da Silva, que em campo recebeu um apelido que virou um sobrenome: Pantera. Das 7h às 19h quem dá as ordens na portaria do edifício Luar do Sítio é o ex-atacante coral.

Nascido e criado no Alto José Bonifácio, bairro com aproximadamente 13 mil habitantes, na Zona Norte do Recife, Maurício sempre teve duas paixões, o futebol e o Santa Cruz.

– Sou Tricolor e sempre ia ao Arruda com meu tio. Via Zé do Carmo jogando e sempre dizia a ele que um dia estaria lá dentro. Pouco tempo depois, BOOM! Tava lá treinando ao lado de Zé do Carmo.

Destaque nas peladas do Alto José Bonifácio, Maurício era o centroavante da escola pública Caio Pereira. Em um jogo amistoso contra o juvenil do Santa, marcou o gol da vitória do time da comunidade. O desempenho chamou a atenção da comissão técnica tricolor e dias depois ele já treinava na base do clube, onde não demorou a se destacar. Como já havia um Maurício no elenco, recebeu o apelido de Pantera.

– Tinham dois Maurícios, um branco e eu, negão. Aí começaram a me chamar de Pantera.

Em 1995 fez 24 gols pela base e iniciou a temporada de 1996 marcando quatro gols na Copa São Paulo de Futebol Júnior, foi artilheiro do time na competição e passou a treinar com os profissionais, promovido pelo então técnico Péricles Chamusca. Pantera fez alguns jogos, mas só veio a deslanchar com a chegada de Abel Braga, que substituiu Chamusca.

– Ali foi um pai pra mim. Me chamou, disse que ia me utilizar e que eu jogasse meu futebol sossegado.

Maurício faz parte de um pequeno grupo de Brasileiros que conseguem se reinserir no mercado de trabalho numa outra profissão, depois de anos atuando em outro setor.

– É o que quero fazer daqui para frente. Estou adaptado e feliz. O futebol me deu muitas alegrias e continuo alegre. Tenho que ser agradecido, pois não precisei pedir nada a ninguém. Meu futuro é nessa profissão, é daqui que tiro o sustento dos meus filhos. Entregar na mão de Deus e que seja para sempre.

Blog com Globoesporte

Lembra dele? Aos 42 anos, ex-jogador Beto pode voltar ao futebol profissional
   30 de dezembro de 2017   │     0:01  │  0

Beto foi tricampeão carioca pelo Flamengo (Foto: Ernesto Carriço / Agência O DIA)

Roraima – O futebol de Roraima pode ter uma presença ilustre em 2018. O ex-meia Beto pode retornar ao futebol profissional depois de ter se aposentado em 2009. O futebol do meia interessa ao Baré.

O ex-atleta fez uma visita à sede do clube e admitiu que, caso aconteça uma proposta, pode pensar em sair da aposentadoria para jogar profissionalmente.

“Um convite oficial não aconteceu e confesso que ainda não passou pela minha cabeça voltar ao futebol profissional, mas não descarto essa possibilidade até pelo crescimento do futebol em Roraima já que minha presença pode trazer alguns benefícios para o clube, para o Campeonato e para o futebol do Estado e é um caso a se pensar e se surgir esse convite vou analisar com muito carinho, até porque fui muito bem recebido em Boa Vista”, afirmou o jogador, em entrevista à Folha de ‘Boa Vista’.

No entanto, Beto deixou claro que a idade pode ser um empecilho para voltar a calçar as chuteiras. Aos 42 anos, o ex-jogador não tem mais a rotina de um profissional desde 2009.

“Conversamos com o presidente e lançaram essa brincadeira de que eu poderia vir a fazer alguns jogos pelo Baré, mas tudo na brincadeira, não ficou nada acertado e até porque a idade já chegou, estou com 42 anos e parei de jogar profissionalmente desde 2009, então isso fica bem mais difícil de voltar agora para o profissional.”

Revelado pelo Botafogo, Beto rodou por todos os grandes times cariocas. Depois de marcar época no Flamengo, também teve passagens mais curtas por Vasco e Fluminense, além de ter jogado por Napoli, Grêmio e São Paulo.

Blog com O DIA

Zico reclama da falta de ídolos no Brasil
   26 de dezembro de 2017   │     13:04  │  1

 

 

Assim como reconhece que hoje a seleção brasileira não possui mais à disposição camisas 10 clássicos que desempenhavam uma função de meia que municiavam os atacantes como verdadeiros maestros, Zico, (foto acima), revelou, em entrevista ao Estado, que hoje não consegue se lembrar de um jogador em atividade no Brasil que o faria sair de casa para vê-lo atuar de bem perto, não apenas como acompanha tantos outros pela televisão.

“A gente sente falta daquele jogador que faz a gente ir ao estádio só pra vê-lo jogar, não para ver o time jogar. É difícil eu dizer que hoje vou sair da minha casa e ir ao Maracanã no domingo para ver fulano jogar. Hoje está difícil. E não estou falando de camisa 10, mas de um jogador que realmente chame a atenção e faça coisas que você não espera que ele faça”, ressaltou Zico, que foi este tipo de craque por muitos anos enquanto vestiu a camisa do Flamengo, pelo qual se tornou o maior ídolo da história do clube mais popular do Brasil.

Já ao ser questionado sobre os motivos que fizeram com que o Brasil parasse de produzir autênticos camisas 10 como os que tinha no passado, o ex-jogador apontou que o próprio jeito de jogar das equipes colaborou para que isso ocorresse.

“Eu acho que, realmente, nas categorias de base esse tipo de jogador começa a acabar porque estão prevalecendo mais as partes táticas do que a individualidade, então esquecem que o que decide os jogos e o que ganha campeonatos é a qualidade técnica. Você pode ver que todos os grandes nomes foram muito fortes e importantes para as conquistas de suas equipes ou seleções”, enfatizou o ex-camisa 10 do Flamengo e da seleção brasileira.

Zico também deu um conselho a Neymar ao comentar como vê a atual condição do atacante, que veste o número 10 da equipe nacional desde 2013 e a estreou em uma Copa em 2014. Ele agora se prepara para envergar a camisa no Mundial de 2018, na Rússia, onde espera poder ser decisivo para levar a seleção brasileira ao sonhado hexacampeonato.

“O Neymar precisa ter autocontrole quando o time está perdendo. Quando está ganhando ele até tem, mas, quando está perdendo, ele perde a bola, leva uma falta e se descontrola um pouco. Tem que se controlar quando o time está em desvantagem. O Brasil não é um time que está acostumado a estar em desvantagem. A cada dez jogos, em um costuma ter este problema. E este um é que pode ser perigoso”, alertou.

Blog com R7 e Estadão