Category Archives: Ex-Dirigentes

‘Brasil não tem nenhum Pelé’ para a Copa, afirma Lula
   3 de março de 2018   │     0:01  │  2

O ex-presidente Lula crê que a seleção brasileira tem chances de conquistar a CopaO ex-presidente Lula crê que a seleção brasileira tem chances de conquistar a Copa (Foto: Divulgação)

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vê a seleção nacional “com chances” de conquistar a Copa do Mundo da Rússia, mas adverte que o Brasil atual não tem nenhum craque como Pelé.

Consultado sobre Neymar, o torcedor Lula avaliou que é “um grande jogador”, mas reafirmou que a seleção “não tem um Pelé”.

“O Brasil vai chegar de forma competitiva, tem um bom técnico, o Tite é uma pessoa muito equilibrada muito de bom senso e o que não falta é a experiência internacional porque todos os nossos jogadores jogam no exterior”.

“Mas não vai ser um Mundial fácil, temos a Alemanha sempre muito forte, a seleção da França está muito forte, a Bélgica está bem preparada”, opinou o corintiano Lula.

“A Argentina vai chegar com força, acho que o Messi vai querer chegar na Copa de Mundo para levantar a Copa, parece que ele está devendo ao povo argentino esse negocio que o Maradona tem de mais e o Messi tem de menos. O que Maradona tinha muito forte era uma personalidade guerreira, e o Messi, embora seja o gênio da bola, é mais pacato”.

“Eu acho que Uruguai com Cavani e Luis Suarez vai dar dor de cabeça para muita gente. Eu se pudesse iria assistir à Copa do Mundo, mas não posso porque estamos em campanha e lá não tem votos”, concluiu Lula.

Blog com Agência AFP

Sentença de Marin é marcada para 4 de abril; pena pode ser de 120 anos
   19 de janeiro de 2018   │     0:01  │  0

O ex-preisdente da CBF, José Maria Marin, pode ser condenado até 120 anos de prisão

 

A juíza Pamela Chen, da Corte do Brooklin, marcou para 4 de abril a divulgação da sentença de José Maria Marin, (foto acima). O ex-presidente da CBF foi condenado por crimes como fraude financeira, lavagem de dinheiro e organização criminosa e está preso desde 22 de dezembro no Centro Metropolitano de Detenção, também no distrito do Brooklin, em Nova York, nos Estados Unidos.

José Maria Marin pode ser condenado a até 120 anos de prisão. Mas em função de sua idade avançada, a pena deverá ser menor. A própria juíza Pamela Chen, ao final do julgamento que durou cerca de seis semanas, disse que pelos seus cálculos ele ficará no mínimo 10 anos na cadeia.

O ex-presidente da CBF foi considerado culpado na última sessão da Corte antes do Natal. Ele foi acusado de sete crimes: conspiração para recebimento de dinheiro ilícito, conspiração para fraude relativa à Libertadores, conspiração para lavagem de dinheiro relativa à Copa Libertadores, conspiração para fraude relativa à Copa do Brasil, conspiração para lavagem de dinheiro relativa à Copa do Brasil, conspiração para fraude relativa à Copa América e conspiração para lavagem de dinheiro relativa à Copa América. Ele só foi inocentado da acusação de lavagem de dinheiro na Copa do Brasil.

José Maria Marin é acusado ainda de ter recebido US$ 6,5 milhões (cerca de R$ 21,6 milhões na cotação atual) desde que assumiu o comando da entidade, em 2012.

Blog com matéria do R7

 

Ex-presidente Marin pode pegar 120 anos de prisão
   18 de janeiro de 2018   │     12:34  │  0

Resultado de imagem para Marin na prisão

 

A juíza Pamela Chen, da Corte do Brooklin, marcou para 4 de abril a divulgação da sentença de José Maria Marin, (foto acima). O ex-presidente da CBF foi condenado por crimes como fraude financeira, lavagem de dinheiro e organização criminosa e está preso desde 22 de dezembro no Centro Metropolitano de Detenção, também no distrito do Brooklin, em Nova York, nos Estados Unidos.

José Maria Marin pode ser condenado a até 120 anos de prisão. Mas em função de sua idade avançada, a pena deverá ser menor. A própria juíza Pamela Chen, ao final do julgamento que durou cerca de seis semanas, disse que pelos seus cálculos ele ficará no mínimo 10 anos na cadeia.

Leia mais detalhes na edição desta sexta do seu blog preferido.

Arivaldo Maia

Dinamite alfineta Eurico sobre eleição conturbada no Vasco: “Urna 7 se repete”
   3 de janeiro de 2018   │     0:02  │  0

   Roberto Dinamite em Teresina (Foto: Wenner Tito/GloboEsporte.com)

Roberto Dinamite, ex-jogador e ex-presidente do Vasco da Gama, em Teresina (Foto: Wenner Tito/GloboEsporte.com)

Em passagem por Teresina, onde participou do lançamento do uniforme do River-PI e da apresentação do seu filho, Rodrigo Dinamite, no time piauiense, Roberto Dinamite falou sobre assuntos relacionados ao Vasco, entre eles a polêmica eleição para presidência do clube carioca.

Dinamite, que já ocupou o cargo, se referiu aos votos supostamente irregulares da urna 7, que deram a vitória a Eurico Miranda sobre Júlio Brant, mas foram posteriormente suspensos pela Justiça.

– Eu acho que essa urna 7 se repete em várias eleições e eu espero que possa ser definida essa situação o mais rápido possível – disse Dinamite.

O ex-presidente vascaíno afirmou ainda que a demora em homologar o resultado da eleição, devido às investigações e processos que correm na Justiça, prejudicam o clube e podem até comprometer o desempenho da equipe na Libertadores, principal competição da equipe na temporada.

– A instituição não pode ficar, para iniciar uma pré-libertadores, com um presidente contratando alguns jogadores com outro estando eleito. Atrapalha o planejamento, as contratações, atrapalha a definição da diretoria que vai estar assumindo, então quanto mais rápido ser resolvido isso, é benéfico principalmente para o Vasco. Quando esteve na Libertadores o Vasco foi um dos clubes brasileiros que jogou o melhor futebol, mas para que isso aconteça o clube tem que ter tranquilidade.

Apesar de dar sua opinião sobre a política vascaína, Dinamite descarta qualquer possibilidade de retornar ao clube como presidente. Para ele, o importante no momento é que uma nova diretoria assuma, mas sem o seu nome envolvido.

– Foi uma experiência até boa, mas não pretendo voltar a ser presidente do Vasco. Vou torcer para que a chapa que ganhou a eleição possa ser confirmada e com isso mudar também o rumo do Vasco para os próximos anos – finalizou.

Em decisão expedida pela desembargadora Márcia Alvarenga, da 12ª Câmara Cível, os votos da urna 7 ficam invalidados. Sem eles, quem fica em primeiro lugar é a chapa “Sempre Vasco Livre”, de Julio Brant, com 1.933 votos. Em segundo lugar está a “Reconstruindo o Vasco”, de Eurico Miranda, com 1.683 votos.

Blog com Globoespporte

Marin é considerado culpado nos EUA e vai para prisão
   22 de dezembro de 2017   │     17:01  │  1

  Marin chega com os advogados ao tribunal, em Nova York, nesta sexta-feira (Foto: Stephen Yang / Reuters)

Marin chega com os advogados ao tribunal, em Nova York, nesta sexta-feira (Foto: Stephen Yang / Reuters)

Pela primeira vez na história, um chefão do futebol brasileiro foi condenado pela Justiça. Não do Brasil, mas dos Estados Unidos. José Maria Marin, de 85 anos, presidente da CBF entre 2012 e 2015, foi considerado culpado de seis das sete acusações de crimes do “caso Fifa”: inocentado de lavagem de dinheiro na Copa do Brasil, Marin acabou condenado por três crimes de fraude financeira (Copa América, Copa Libertadores, Copa do Brasil), dois de lavagem de dinheiro (Copa América e Libertadores) e um por conspirar/formar uma organização criminosa.

Ex-presidente da Conmebol, o paraguaio Juan Angel Napout também foi condenado. Das cinco acusações, Napout foi inocentado em duas: lavagem de dinheiro na Libertadores e na Copa América. Apesar do apelo das defesas, a juíza Pamela Chen aceitou o pedido da promotoria e Napout e Marin, que estavam em prisão domicilar nos EUA até o julgamento, serão levados imediatamente para a prisão federal ao saírem do tribunal.

Marin foi condenado pelo júri popular no Tribunal Federal do Brooklyn, em Nova York, onde corre o “Caso Fifa”. O tamanho de sua pena ainda será definido pela juíza Pamela Chen, que não tem prazo para publicar a sentença. Antes da condenação, Marin estava em prisão domicilar, no seu apartamento na Trump Tower, em Nova York.

Marin e Napout foram presos, mas não na frente do público presente. Os agentes americanos estavam à paisana entre as pessoas no Tribunal, se aproximaram dos dois e, em seguida, a juíza pediu que todos saíssem do local. Emocionado, Napout entregou a aliança à esposa, na frente das filhas. Já Marin foi consolado pelos advogados.

Blog com GFloboesporte