Category Archives: Ex-Dirigentes

Francisco Horta sofre um infarto e é internado no Rio
   13 de junho de 2019   │     20:33  │  0

Francisco Horta foi internado no hospital após infarto (Foto: Marco Antônio Teixeira / AGÊNCIA O GLOBO)

Francisco Horta,ex-presidente do Fluminense, sofreu um infarto nesta quinta-feira e foi levado para o Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

A família confirmou a informação, e seu estado é considerado estável. De acordo com seu filho, André Horta, em breve contato com a reportagem, o dirigente “deu apenas um susto”.

O ex-dirigente realizou um cateterismo e segue em observação no Centro de Terapia Intensiva (CTI). Horta deve permanecer internado no hospital, ao menos, até domingo.

Horta foi presidente do Fluminense por um mandato, entre 1975 e 1977, foi responsável pela chegada de Rivelino, Carlos Alberto Torres, Paulo Cezar Caju e outros craques, formando um time que ficou conhecido como “A Máquina Tricolor”.

Em sua curta, mas marcante gestão, o Fluminense foi bicampeão Carioca em 1975 e 1976, e semifinalista dos Campeonatos Brasileiros de 1975 e de 1976.

O Fluminense se manifestou por meio de sua conta oficial no Twitter desejando pronta recuperação ao ex-presidente.

Blog com EXTRA

Fifa confirma banimento vitalício de Marco Polo Del Nero
   27 de maio de 2019   │     21:00  │  0

O comitê de apelações da Fifa rejeitou um recurso do ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) Marco Polo Del Nero contra a suspensão vitalícia imposta a ele pela federação internacional, informou a entidade nesta segunda-feira.

A Fifa disse em comunicado que Del Nero violou as regras de ética da entidade sobre suborno, oferecendo e aceitando presentes, lealdade, conflito de interesse e regras geral de conduta.

O comitê de apelação também confirmou uma multa de 1 milhão de francos suíços (R$ 4 milhões) imposta ao dirigente, que nega ter cometido qualquer irregularidade.

O próximo passo para a defesa do ex-presidente da CBF recorrer é entrar com um recurso junto ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), em Lausanne, na Suíça. O TAS é a última instância em casos de justiça desportiva.

Além de Marco Polo Del Nero, seu antecessor no cargo, José Maria Marín, também foi banido do futebol para sempre.

Blog com EXTRA

Conselheiro do Santos pede renúncia após áudio racista
   25 de abril de 2019   │     0:01  │  0

Resultado de imagem para Adilson Durante conselheiro do Santos

 

O Conselheiro do Santos Adilson Durante Filho, (foto acima/Torcedores.com), pediu renúncia do seu cargo no clube. A informação foi divulgada pelo Peixe por meio de nota oficial.

Adilson teve um áudio racista vazado. A gravação foi feita há cerca de três anos, num grupo de amigos. Ele afirma que todos os pardos e mulatos não têm caráter.

“Sempre que tiver um pardo…O pardo o que que é? Não é aquele negão, mas também não é o branquinho. É o moreninho da cor dele. Esses caras, você tem que desconfiar de todos que você conhecer. Essa cor é uma mistura de uma raça que não tem caráter. É verdade (…) É verdade, isso é estudo. Todo pardo, mulato, tu tem que tomar cuidado. Não mulato tipo o P…(membro do grupo). O P… é tipo para índio, tipo chileno, essas porr*. To dizendo um mulato brasileiro. Os pardos brasileiros. São todos mau-caráter. Não tem um que não seja”, diz áudio de quase um minuto.

Adilson Durante havia sido desligado do cargo de secretário-adjunto de Turismo na Prefeitura do Santos e do PSD anteriormente. Uma notícia-crime foi registrada contra ele.

Veja a nota oficial do Santos abaixo:

O associado Adilson Durante Filho protocolou na secretaria do Egrégio Conselho Deliberativo o pedido de renúncia da função de conselheiro, triênio 2018/2020, e afastamento definitivo do quadro associativo do Clube.

Blog com Gazeta Press

Marin vende patrimônio imobiliário por R$ 37 milhões para pagar multas
   18 de abril de 2019   │     0:02  │  0

Resultado de imagem para Marin preso nos EEUU

 

O ex-presidente da CBF José Maria Marin, (foto acima/UOL Esporte), se desfez nos últimos dois anos de um patrimônio imobiliário adquirido em mais de três décadas para conseguir pagar despesas com advogados, dívidas processuais e multas nos Estados Unidos. Com as vendas, ele arrecadou R$ 37 milhões.

O ex-governador de São Paulo está preso na penitenciária de Allenwood, nos EUA, condenado a quatro anos de prisão pelos crimes de organização criminosa, fraude bancária e lavagem de dinheiro cometidos no período em que presidiu a CBF, de 2012 a 2015. Ele teria recebido U$ 6,5 milhões (R$ 25,3 milhões pelo câmbio atual) de propina para assinar contratos de direitos comerciais da Libertadores, Copa do Brasil e Copa América. Marin nega os crimes.

Quando foi preso, em maio de 2015, na Suíça, ele tinha quatro imóveis registrados em seu nome na cidade de São Paulo. Hoje, possui apenas uma sala comercial na Avenida Paulista, de acordo com registros em cartórios obtidos pelo Estado. Os advogados de Marin confirmam as transações, mas só se pronunciarão após os recursos apresentados pelo brasileiro serem julgados na Corte Americana.

Entre fevereiro de 2017 e dezembro de 2018, o ex-dirigente, de 86 anos, vendeu três imóveis (um apartamento, um casarão e um prédio comercial) e arrecadou R$ 37 milhões com os negócios. Boa parte do dinheiro foi usada para pagar multas relacionadas ao processo aberto contra o dirigente nos EUA.

Para pagar as contas, o cartola vem se desfazendo de bens. O último e mais valioso imóvel vendido por ele foi um prédio comercial na Rua Colômbia, no Jardim América, região com um dos metros quadrados mais caros do País. Em dezembro do ano passado, o ex-dirigente vendeu o imóvel por R$ 18,1 milhões. O prédio comercial havia sido comprado por Marin em maio de 1983, poucos dias depois de ele ter deixado o governo do Estado de São Paulo.

Antes, em julho de 2018, o ex-dirigente já havia vendido o apartamento onde morou por mais de duas décadas com a mulher Neuza Augusta Barroso Marin, na Rua Padre João Manoel, no bairro de Cerqueira César. O imóvel, de 609 m² e com cinco vagas de garagem, foi negociado por R$ 7,6 milhões.

Em 2015, quando já estava preso nos EUA, Marin deixou a sociedade da JMN Empreendimentos e Participações. Permaneceram como proprietários sua mulher e o filho Marcus Vinícius Marin. O dirigente banido tentou, com a manobra, se proteger de uma possível tentativa da Justiça americana de pedir o confisco e o bloqueio de seus bens e contas no Brasil.

Mesmo preso, Marin recebe pensão vitalícia do Estado de São Paulo de R$ 20.257,80 por mês, referentes à pensão parlamentar da extinta carteira previdenciária dos deputados paulistas. Recebe desde 1987.

Blog com Terra Esportes

Blatter abre o jogo sobre corrupção na Fifa e critica Neymar
   17 de abril de 2019   │     0:02  │  0

Resultado de imagem para Blatter. ex da Fifa

 

O ex-presidente da Fifa, Joseph Blatter, (foto acima/BBC com), abriu o jogo sobre diversos assuntos que permeiam a entidade e o futebol de uma forma geral. Em entrevista ao ‘Uol’, o suíço analisou os casos de corrupção e disse “não saber de nada”, além de ressaltar que a Fifa foi uma “vítima”. Também comentou sobre a organização das Copas do Mundo, incluindo a de 2014, no Brasil e criticou a proposta de um novo modelo com 48 seleções, falando também sobre a figura de Neymar como ídolo.

PALMEIRAS CAMPEÃO MUNDIAL
– Concordamos em reconhecer o Palmeiras. Devemos reconhecer que o Palmeiras foi o primeiro campeão mundial de clubes e ponto final. Foi o primeiro

CORRUPÇÃO NA FIFA
– A Fifa foi sequestrada, foi vítima. Devo dizer que fizeram isso de forma inteligente. Tínhamos a impressão de que a Fifa era a responsável por tudo. Mas, assim que a Copa começou, tudo ficou mais calmo. Claro, até a famosa semi-final entre Brasil e Alemanha.

RICARDO TEIXEIRA
– A última vez que o Brasil ganhou uma Copa foi sob sua presidência em 2002. Mas, em todos os negócios e no futebol, não se pode ser um ditador. Isso não é bom. Na política, em alguns países, você precisa de um ditador. Mas, aqui, no futebol, o exemplo da Alemanha é ainda mais relevante que os casos do Brasil e Argentina. Pelo Brasil, ele foi positivo (Ricardo Teixeira). Para o mundo? Eu não sou juiz.

INOCÊNCIA
– Eu não sabia o que eles estavam fazendo. Eu não era responsável pelo que fizeram. Eu posso ser responsável por não ter visto o que havia um grupo dentro da Fifa que queria tomar a presidência. Fui tolo de não ter sentido isso (…) Podem procurar, nunca vai aparecer, eu não estou na corrupção

CRISE DE 2015
– Eu não renunciei. Coloquei meu mandato à disposição, mas, depois, fui suspenso. Por que coloquei a disposição? Nos EUA, nos disseram que éramos uma organização criminosa. Assim que eu coloquei meu mandato à disposição, fomos considerados vítimas. Depois, em outubro de 2015, fui suspenso. Eu aceitei, mas não deveria. Um comitê não pode suspender um presidente que foi eleito pela assembleia

DOMÍNIO EUROPEU NA COPA
– Hoje, na América do Sul, temos duas federações com um futebol excepcional, que são Brasil e Argentina. O Uruguai também teve essa posição no passado. Mas onde estão os demais? Peru, Colômbia? Deviam estar presentes, mas nã estão. O número de europeus na Copa é maior. Além disso, eu diria que, para os europeus, ter seus jogadores atuando em casa ajuda muito. Não acho que há um declínio do futebol sul-americano. Mas com a exceção do Brasil e Argentina, o restante está dormindo. Eles estão dormindo.

NEYMAR
– Ele não é um líder. Ele é um jogador excepcional. Mas não tem o carisma de um líder, como foi Ronaldo

ESTÁDIOS BRASILEIROS DA COPA DE 2014
– Eu disse que poderíamos fazer com nove estádios, mas eles apresentaram um projeto com 17 estádios. (Quem sugeriu) Foi a CBF. O Comitê Organizador, que era a mesma coisa. Dissemos que poderíamos fazer com dez, mas vieram com o argumento de que não estamos num país, mas num continente, e, portanto, deixe-nos jogar em todo o continente. Acabou que fechamos com doze estádios. (…) No caso do Brasil, tivemos uma discussão sobre Manaus. E eles disseram que, depois, seria usado para festivais de música. Esse é o risco de megalomania, quando você quer ser maior que de fato você é.

COPA COM 48 SELEÇÕES
– Desde o começo, eu disse que não vejo isso como uma boa solução. Existem dois motivos. O primeiro deles é mesmo a qualidade. Teremos praticamente um a cada cinco times do mundo na Copa. Mas o outro problema é a forma pela qual foi proposto, com grupos iniciais de três seleções. Isso significa que o último jogo se abra a possibilidade de alguma coisa estranha. Não se pode jogar em grupos de três. Outro problema é que teremos quatro jogos por dia. Eu falo com muitos presidentes de federações africanas e eles estão felizes. Mas não pensam na qualidade da Copa.

Blog com Terra Esportes