Category Archives: Estádios

Prefeitura afasta diretor do Pacaembu após novo apagão no estádio
   7 de março de 2018   │     0:01  │  0

A Secretaria de Esportes e Lazer da Prefeitura de São Paulo afastou José Eduardo Gomes, diretor do estádio do Pacaembu. A decisão ocorreu após o longo apagão que obrigou a paralisação do clássico entre Corinthians e Santos, que contou com a presença do prefeito João Doria.

A Prefeitura não divulgou o motivo do afastamento, entretanto, explicou a causa da falta de luz, que não é a primeira vez que atrapalha o curso de partidas realizadas no estádio municipal. Segundo o órgão, o Pacaembu recebe carga instável pelo fato de ser o consumidor final da linha de energia da região.

O relatório primário realizado pela Eletropaulo também aponta para um problema na cabine primária, equipamento do próprio estádio. Por conta disso, a Prefeitura garante que a partir de agora todos os jogos realizados no Pacaembu contarão com o acompanhamento de um engenheiro e de uma equipe técnica.

Essa não é a primeira vez que o Pacaembu sofre com a falta de luz neste ano. Ainda em janeiro, pela Copa São Paulo de Futebol Júnior, Palmeiras e Portuguesa tiveram de aguardar 15 minutos até a energia voltar no estádio municipal. Dois dias depois, em 21 de janeiro, o confronto entre Corinthians e São Caetano, pelo Campeonato Paulista, teve de ser paralisado por um tempo ainda maior: os atletas tiveram de aguardar o reinício do jogo por aproximadamente meia-hora.

Blog com Gazeta Esportiva

 

Chelsea tem reforma do estádio mais caro da Europa ameaçada por vizinho
   17 de janeiro de 2018   │     0:03  │  0

Stamford Bridge, estádio do Chelsea, e residência da família Crosthwaite (parte circulada)

Stamford Bridge, estádio do Chelsea, e residência da família Crosthwaite (parte circulada)

O Chelsea tem o plano de reconstrução do Stamford Bridge em R$ 4,4 bilhões, valor que tornaria a casa do clube inglês o mais caro de todo o continente europeu. No entanto, vê um vizinho como empecilho. A família Crosthwaite foi contra a reforma do estádio por conta de uma possibilidade de perda de luz natural em sua residência.

De acordo com o jornal britânico The Sun , a casa dos quatro membros da família chegou a receber 1 milhão de libras esterlinas, mas ainda assim, pedem 20 vezes mais do valor já pago pelo Chelsea . O proprietário do clube, Roman Abramovich, não gostou nada da exigência e caso não entrem em um acordo, os planos de finalizar a obra para a temporada 2023/24 podem ir por água abaixo.

Os Crosthwaite residem no local há 50 anos, onde moram o pai, a mãe e o casal de filhos. Em uma carta aos conselheiros do clube, a filha da família, Rose, alega que cinco cômodos da casa ficariam sem luz solar. Vale ressaltar que eles não são contra a remodelação do estádio e sugeriram que a parte leste, poderia ser “recortada ou redirecionada para não causar interferência”. Os demais vizinhos dos arredores, no entanto, já fizeram acordos e concordaram com valores pagos pela equipe.

Blog com 24horasNews

 

Liminar garante espaço no Maracanã para Flamengo jogar em 2018
   4 de novembro de 2017   │     0:01  │  0

Resultado de imagem para Maracanã, hoje

 

A juíza Milena Angelica Drumond Morais, da 38ª Vara Cível do Rio,  já concedeu liminar  permitindo que o time do Flamengo jogue no Maracanã, (foto acima), em 2018, sem que o consórcio que administra o estádio aumente o valor do aluguel. Atualmente, o contrato prevê que o clube pague, por partida, entre R$ 250 mil e R$ 700 mil, mais os custos operacionais. Sendo que o Fluminense, por decisão da 16ª Câmara Cível do Rio, gasta apenas R$ 100 mil. Caso o Complexo Maracanã descumpra a medida, terá de pagar multa de R$ 250 mil por partida do rubro-negro que seja impedida.

De acordo com a decisão, “o Flamengo assinou acordo financeiro que vai até o final de dezembro. E, embora alegue que os valores estabelecidos são exorbitantes, aceitou pagá-los, de modo que não se verifica parâmetros para a redução do valor, ainda que o argumento seja a fixação de valor inferior para o Fluminense por meio de decisão judicial”. A decisão da magistrada considerou documentos apresentados pelo clube, além do risco de demora, que poderia inviabilizar a realização das partidas no estádio, que, por ser um ambiente público, deve ser disponibilizados a todos.

“Assim sendo, entendo razoável a manutenção do contrato em vigor estabelecido entre as partes, que não poderá ser modificado no ano de 2018 no intuito fim de aumentar as despesas ali previstas enquanto perdurar a presente demanda ou as partes realizarem acordo de modificação das bases contratuais”, concluiu.

A juíza marcou para 5 de dezembro, às 14h, a realização de uma audiência de conciliação entre o clube e o Complexo Maracanã.

Blog com Jornal do Brasil

Acabou: Maceió não tem bebida alcoólica liberada nos estádios
   5 de outubro de 2017   │     16:56  │  3

O Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL) pediu e o Poder Judiciário decretou: está proibida a venda de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol. A decisão, datada desta quinta-feira (5), atendeu a ação civil pública ajuizada pela Promotoria de Defesa do Torcedor da Capital e pela 1º Promotoria Cível da Capital, nessa terça-feira (4), contra a Lei nº. 6.696/17, de autoria do vereador Silvânio Barbosa, que permite a comercialização desse tipo de produto durante campeonatos.

A ação civil pública foi ajuizada pelos promotores de justiça Sandra Malta e Max Martins, das Promotorias de Defesa do Torcedor e 1º Promotoria Cível (Consumidor) respectivamente, contra a Federação Alagoana de Futebol (FAF), a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e a Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude. Em caso de descumprimento, os titulares dessas duas entidades e do órgão público serão penalizados com multa de R$ 50 mil por jogo.

Na petição, o Ministério Público alegou que expediu a Recomendação nº 03/2017 para que a FAF, a CBF e a Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude cumprissem o que determina Constituição Federal e o Estatuto do Torcedor, que dizem que a legislação sobre desporto é de competência da União, dos estados e do Distrito Federal e que o consumo de bebidas não pode ser permitido em estádios de futebol. Porém, nem as entidades e nem o estado seguiram o que foi recomendado, ensejando o ajuizamento da ação civil pública.

Blog com Gazetaweb

Fla projeta estádio de olho no orçamento: “Queremos conforto, mas sem luxo”
   25 de setembro de 2017   │     0:01  │  0

Terreno que o Flamengo estuda comprar na Avenida Brasil: clube realiza reuniões diárias para avançar no projeto (Foto: Reprodução)

Terreno que o Flamengo estuda comprar na Avenida Brasil: clube realiza reuniões diárias para avançar no projeto (Foto: Reprodução)

Duas semanas depois de anunciar a assinatura de termo de opção de compra de terreno de 160 mil metros na Avenida Brasil, o Flamengo se debruça em estudos para o avanço do projeto. São reuniões quase que diárias para contratações de empresas e consultorias que vão ajudar o clube a analisar se compra ou não o local para a construção do estádio próprio.

Mas uma premissa não sai da ótica do Flamengo, garantem os dirigentes: a viabilidade financeira do projeto e a sustentabilidade do clube. Em outras palavras, como disse o vice-presidente de patrimônio do Flamengo, Alexandre Wrobel, em entrevista ao GloboEsporte.com, o clube não vai dar um passo maior que as pernas. Não vai comprometer o presente ou o futuro do Flamengo para realizar o sonho do estádio próprio.

– Sem sombra de dúvida, essa é uma das maiores preocupações (endividamento). Se o projeto caminhar, o prisma do negócio é endividar-se o mínimo possível. Não pensamos em arena de Copa. O estádio é para a torcida, com arquibancada vertical colada ao campo. Queremos conforto, mas sem luxo. Tudo gastando o mínimo possível, com muito rigor – disse Wrobel.

O Flamengo tem 120 dias para definir se compra o terreno. Por enquanto, afirma Wrobel, não houve nenhuma novidade sobre nova licitação do Maracanã ou qualquer sinal do governo sobre a reabertura da concessão do estádio. O projeto acústico na Gávea não está totalmente descartado, mas é um plano B, está em modo de espera – caso o clube não compre o terreno ao Grupo Peixoto de Castro (GPC).Wrobel não confirma os valores – há cláusula de confidencialidade -, mas o preço já acordado – e que teria que passar numa segunda fase por conselhos do Flamengo – é abaixo de R$ 80 milhões para a compra do terreno. Custo bem inferior ao levado para leilão, de R$ 157 milhões. A estimativa é que o Flamengo gastaria mais de R$ 400 milhões no total.

Blog com Globoesporte