Category Archives: Dirigentes

Lugano pode sair do São Paulo para ser candidato à presidência da AUF
   3 de março de 2019   │     0:01  │  0

Lugano tem a possibilidade de deixar o cargo de direção do Tricolor (Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

 

Ídolo do São Paulo e atualmente superintendente de relações institucionais do clube, Diego Lugano pode deixar a equipe da capital paulista. Segundo noticiou o jornal uruguaio Ecos, o ex-zagueiro é o nome preferido de setores do futebol local para concorrer à presidência da Associação Uruguaia de Futebol (AUF). Caso isso ocorra, Lugano teria que deixar o Tricolor.

O dirigente de 38 anos tem o apoio da Associação de Futebolistas Uruguaios (AFU) e da Associação de Futebolistas Amadores do Interior (AFAI) para lançar candidatura, já que Pedro Bordaberry, atual presidente do comitê de regularização da AUF e interinamente no comando, decidiu não ser candidato ao cargo.

A eleição está marcada para o dia 21 de março. Por conta disso, Lugano deve tomar sua decisão o mais rápido possível.

Na última sexta-feira, o ídolo da torcida são-paulina acompanhou os atletas durante os comandos do interino Vagner Mancini. Em determinado momento, Lugano conversou com Bruno Alves, Anderson Martins e Arboleda, defensores que podem ser os titulares no compromisso deste domingo, contra o Bragantino.

Blog com Gazeta Esportiva

 

Com mandato até abril, Coronel Nunes é figura decorativa na CBF
   26 de fevereiro de 2019   │     0:03  │  0

Coronel Nunes durante conversas com jornalistas na Copa da Rússia (Luiz Castro/VEJA.com)

À espera da posse oficial de Rogério Caboclo na presidência da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o que só ocorrerá em 9 de abril, o futebol brasileiro tem hoje um presidente que não preside. Oficialmente no comando desde 15 de dezembro de 2017, o coronel Antônio Carlos Nunes de Lima não tem sido visto na entidade nos últimos meses. Com problemas de saúde e isolado pela cúpula da confederação desde a Copa do Mundo da Rússia, onde cometeu diversas gafes, ele se mantém presidente apenas no papel.

Ex-presidente da federação paraense, Coronel Nunes ocupa o cargo desde que Marco Polo Del Nero foi afastado do futebol acusado de corrupção. Como era o vice mais velho, o cargo lhe caiu no colo, com o aval do ex-chefão. Sua ausência em eventos esportivos, inaugurações ou em reuniões de trabalho se intensificou nos últimos meses.

Um dos motivos é a saúde do coronel de 80 anos, que em novembro passou por uma cirurgia em São Paulo para a retirada de um tumor. Desde então, por orientação médica, ele tem evitado viagens. Retornou para o Rio apenas há duas semanas, tem ido à CBF, mas não participa de decisões importantes.

Aliás, desde que assumiu o posto, o coronel no máximo usou o caneta para assinar despachos do impedido ex-presidente ou de seu sucessor, o atual CEO Caboclo. É figura quase decorativa. Para o presidente da Federação Cearense de Futebol, Mauro Carmelio, a gestão do coronel Nunes foi de transição. “Ele manteve a linha do que vinha sendo realizado. O trabalho dele foi de estabilidade e segurança institucional ao futebol brasileiro”, considerou.

Mas, nas poucas vezes em que procurou demonstrar a autonomia que, em tese, seu cargo oferece, Nunes fez estragos. Em junho do ano passado, votou na candidatura do Marrocos como sede do Mundial de 2026. A CBF havia se comprometido com a Conmebol a apostar em bloco na candidatura tríplice de Estados Unidos, Canadá e México.

Há quem diga que o voto no Marrocos tenha sido orientado por Del Nero, por mera afronta. De qualquer forma, a postura de Nunes irritou a cúpula da Conmebol, que considerou o voto uma traição, e causou abalo na relação da CBF com a entidade e com a própria Fifa.

A partir daí, Nunes passou a ser isolado. Começou a andar sempre monitorado por assessores e secretária e deixou de participar de reuniões decisórias na CBF e na Conmebol. E a renovação de contrato de Tite após o Mundial da Rússia foi toda negociada por Caboclo.

A data da posse oficial do novo presidente foi escolhida a dedo: trata-se da véspera do início do Congresso da Conmebol, que acontecerá no Rio a partir de 10 de abril. Ele, porém, há muito já despacha como mandatário da entidade. É visto em praticamente todos os eventos da CBF. É avesso a entrevistas, mas se demonstra solícito em conversas e é recebido por cartolas do país e do exterior como se já fosse o presidente. Ninguém duvida que seja.

Blog com VEJA

Presidente revela déficit superior a R$ 100 milhões e indica demissões no Sport
   20 de fevereiro de 2019   │     0:03  │  0

   Milton Bivar fala em rombo de mais de R$ 100 milhões no Sport — Foto: Reprodução

O presidente Milton Bivar fala em rombo de mais de R$ 100 milhões no Sport Clube do Recife  (Foto: Reprodução) 

Prestes a abrir as contas para os sócios, em reunião do Conselho Deliberativo, na noite de ontem o presidente do Sport, Milton Bivar, revelou o tamanho da crise financeira do clube. Com uma previsão orçamentária que indica uma queda de dois terços do que o Leão teve em 2018, o mandatário disse que as dívidas do Rubro-negro superam os R$ 100 milhões.

– O Sport deve um montante superior a R$ 100 milhões. Infelizmente, o clube está em uma situação caótica. Quando assumi, pensei que era algo em torno de R$ 60 milhões, mas é muito superior. Destrincharei esses números na reunião do conselho, mas tivemos problemas sérios de gestão. Nos últimos anos, o Sport teve uma previsão de orçamento que superava os R$ 100 milhões, mas em 2019 nós teremos um terço disso. É essa a nossa situação – disse o dirigente, lembrando que o Leão teve um orçamento de R$ 108.382.297, em 2018.

De acordo com o Bivar, contratações, altos salários e dívidas com clubes são os piores problemas que o Sport enfrenta.

– As pessoas perguntam como essa dívida foi gerada. Vou dar um exemplo do que aconteceu aqui nos quatro últimos anos. O Sport contratou um jogador que tinha os direitos econômicos ligados a dois clubes. Dividiu a compra em 12 vezes, pagou uma e não pagou mais. Atrasou o salário do jogador e passou a ter três dívidas. Não só foi um atleta, foram vários. Isso, além de jogador ganhando até R$ 400 mil. O Sport não pode pagar esse salário para ninguém.

Apesar de culpar as gestões de João Humberto Martorelli e Arnaldo Barros, Bivar deixou claro que, no momento, não pensa em procurar responsabilizar os ex-presidentes na esfera jurídica.

“Não posso levar para justiça pois não tenho provas de que algo foi feito de má fé. Responsabilizo na capacidade, pois foram gestões desastrosas, mas só procuraria a Justiça se fosse algo desleal. Se isso for constatado, certamente eu buscarei os direitos do Sport.”

A reportagem tenta contato com os ex-presidentes João Humberto Martorelli e Arnaldo Barros. Até o momento, as ligações não foram atendidas.
Sem receita prevista de patrocínio ou participação em competições, Milton Bivar deixou claro o que, para ele, será a solução para reduzir o rombo financeiro.

– Vamos reduzir o clube. Não tem jeito. Teremos que demitir, reduzir regalias, fazer uma folha enxuta. Administrativo e futebol. Não tenho mais receita. Anteciparam até anuidade dos sócios. A solução é isso: reduzir o tamanho do clube, pois não temos condição de pagar. A folha do futebol também será enxuta, não posso ter um time caro. Nem perto disso.

Blog com Elton de Castro/GloboEsporte

Definido esquema de segurança para o clássico deste domingo
   7 de fevereiro de 2019   │     18:23  │  0

A Polícia Militar de Alagoas divulgou, na manhã desta quinta-feira (7), o esquema de segurança elaborado para o primeiro Clássico das Multidões de 2019, entre CRB e CSA, marcado para o próximo domingo (10), às 16h (horário de Alagoas), no Estádio Rei Pelé. Ao todo, serão 646 policiais deslocados ao palco da decisão, ficando responsáveis pela segurança do torcedor dentro e fora do Trapichão.

O Major Lima Lins, do Batalhão de Polícia de Radiopatrulha (BPRp), será o responsável por comandar o policiamento no dia do clássico, com expectativa de carga máxima. Isso porque, o CRB, mandante da partida, colocou 15 mil ingressos à disposição do torcedor, sendo 70% da capacidade do Trapichão destinada aos regatianos e 30% aos azulinos.

Como de costume, o trânsito na região do estádio será interditado às 13h, enquanto a abertura dos portões está marcada para acontecer às 14h. Os torcedores estão proibidos de entrar com capacete, garrafa plástica, guarda-chuva, pau de selfie, papel picado, sinalizador com acionamento incendiário, apontador laser, bandeiras com mastro, rolos de papel higiênico ou de máquinas registradoras, isqueiro e animais.

Por outro lado, os torcedores poderão entrar com faixas, bandeiras pequenas, bandeirões, instrumentos e faixas de TNT.
Também ficou definido que os torcedores do CRB deixarão as dependências do Rei Pelé primeiro, independente do resultado. Com isso, os azulinos terão que esperar um período de trinta a quarenta minutos para deixar o estádio.

Blog com GloboEsporte/AL

Pedro Abad classifica arbitragem do clássico como vergonhosa
   4 de fevereiro de 2019   │     0:02  │  0

Presidente do Fluminense detonou a arbitragem do clássico (Foto: Nelson Perez/Fluminense)

 

O Fluminense não ficou satisfeito com a arbitragem de Carlos Eduardo Nunes Braga no clássico do último sábado, diante do Vasco, no estádio Mané Garrincha. O presidente Pedro Abad estava inconformado e disse que o seu clube vem sendo sistematicamente desrespeitado na disputa do Campeonato Carioca.

Em entrevista coletiva, o dirigente tricolor disse que o que aconteceu em campo foi uma vergonha e que o árbitro, além de não marcar um pênalti sobre Bruno Silva quando a partida ainda estava empatada, fez o que era possível para irritar os jogadores da equipe tricolor. “Um pênalti óbvio no Bruno Silva e a arbitragem não viu”, disse o mandatário.

Sem citar nomes, Abad disse que após tantos anos com erros de arbitragem, ele entende que quem organiza o estadual não respeita o Tricolor das Laranjeiras. “Então o Fluminense vai passar a não respeitar o Campeonato Carioca”

O atacante Luciano preferiu direcionar suas críticas ao comportamento do time adversário. “Eles só sabem cruzar bola na área, bola longa do goleiro para o atacante, uma deu certo e foi o pênalti”, afirmou o atacante.

Em entrevista ao Canal Premiére, Luciano garantiu que o Fluminense entrou muito bem preparado e deveria ter saído com a vitória, por ter sido melhor durante a maior parte do clássico.

“Infelizmente a bola não entrou, eu tive uma oportunidade e acertei a trave. Serve de aprendizado. Eles só se defenderam, nós só atacamos, mas o gol não saiu”, finalizou.

Blog com Gazeta Esportiva