Category Archives: Dirigentes

Justiça dos EUA julgará cartolas da Fifa 2 anos após prisão
   18 de outubro de 2017   │     0:03  │  0

José Maria Marin teve seu julgamento marcado para o dia 6 de novembro

Marin tem seu julgamento inicialmente marcado para o dia 6 de novembro (Foto: Divulgação)

Após dois anos e meio das prisões que mancharam o mundo futebolístico, cartolas do futebol serão julgados nos Estados Unidos por crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e organização criminosa. Entre eles está o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, que teve seu julgamento marcado para o dia 6 de novembro.

No mesmo dia, ocorrerá a audiência do ex-presidente da Conmebol Juan Ángel Napout e do ex-presidente da Federação Peruana de Futebol (FPF) Manuel Burga, que como Marin, cumprem prisão domiciliar desde 2015. Eles são acusados de solicitar propinas em contratos de direitos de transmissão da Copa América, Copa do Brasil e Libertadores.

De acordo com fontes envolvidas no processo, as datas dos julgamentos podem sofrer alterações caso apareça nos próximos dias novas provas ou se os acusados negociarem um acordo de cooperação.

Além de Marin, outros dois cartolas brasileiros foram indiciados: Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, e o atual líder da entidade, Marco Polo del Nero.

A investigação liderada pelo FBI indiciaram 42 entidades e dirigentes do futebol. O serviço de inteligência acredita que os esquemas dos cartolas movimentaram cerca de US$ 200 milhões nos últimos 20 anos. Os cartolas da Concacaf, entidade que rege o futebol das Américas do Norte e Central, foram os mais atingidos pelas investigações. Os ex-presidente da organização, Jeffrey Webb, e seu sucessor, Alfredo Hawit, estão entre os indiciados. Além deles, o ex-chefe da Federação de Futebol da Guatemala Brayan Jiménez, e de Honduras, Rafael Callejas, também vão ser julgados.

Blog e Agência ANSA

 

Defesa de Nuzman critica prisão e entra com novo habeas corpus
   12 de outubro de 2017   │     0:03  │  0

Carlos Arthur Nuzman se afastou da presidência do Comitê Olímpico do Brasil (Foto: Divulgação)

Carlos Arthur Nuzman se afastou da presidência do Comitê Olímpico do Brasil (Foto: Divulgação)

 

Os advogados de Carlos Arthur Nuzman entraram com novo pedido de habeas corpus, após a Justiça acatar pedido do Ministério Público Federal e converter a prisão temporária do dirigente em preventiva, ou seja, por tempo indeterminado. Ele segue detido em Benfica, na Zona Norte do Rio, na mesma cela em que está Leonardo Gryner, seu braço direito e ex-diretor de operações no Comitê Olímpico do Brasil (COB). A defesa mantém a tese de que faltam provas consistentes que mostrem participação de Nuzman em um esquema de compra de votos para que a capital fluminense fosse eleita sede dos Jogos do ano passado.

De acordo com o pedido do MPF, caso Nuzman respondesse às acuações em liberdade, não existiriam garantias de que o cartola não interferiria na produção de provas em meio às investigações. O órgão justifica a tese com a forte influência que o carioca ainda exerce no COB e no Comitê Rio-2016. Ele presidia as duas entidades ao mesmo tempo.

Os advogados de Nuzman voltaram a criticar a participação da procuradoria francesa no caso, assim como já haviam feito no texto do primeiro pedido de habeas corpus, protocolado logo após o dirigente ser levado à Polícia Federal para depor, em setembro. Na ocasião, ele teve bens e passaportes apreendidos. A defesa queria a devolução dos documentos.

A Operação “Unfair Play” (Jogo Injusto, em português) apura a ligação de Nuzman com o senegalês Papa Massata Diack, filho de Lamine Diack, ex-presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo (Iaaf). Papa teria recebido propina para conseguir votos ao Rio de Janeiro.

Os procuradores federais também identificaram a ocultação de bens de Nuzman, incluindo 16 barras de ouro depositadas em um cofre na Suíça, para justificar a prisão. Eles citam ainda que o brasileiro teve crescimento de 457% em seu patrimônio, entre 2006 a 2016.

Blog com Terra Esportes

Fortuna de Nuzman, avaliada em R$ 2 milhões, está guardada num armazém em Genebra
   8 de outubro de 2017   │     0:03  │  0

Resultado de imagem para Prisão de Nuzman

Nuzman, no momento da sua prisão na cidade do Rio de Janeiro (Foto: Agência EFE)

Em um bairro afastado de Genebra, na Suíça, um armazém de proporções impressionantes guarda alguns dos maiores segredos da Europa: pinturas de alto valor, peças arqueológicas e joias. Mas também ouro brasileiro. Trata-se do Ports Francs de Geneve, uma espécie de entreposto comercial e cofre-forte em um dos locais mais seguros do mundo.

O jornal O Estado de S.Paulo confirmou que Carlos Arthur Nuzman é de fato “cliente” do local, especializado em guardar itens de valor. Ali, segundo a polícia, o brasileiro guarda 16 barras de ouro. Investigadores suíços disseram que vão cooperar com o Brasil e que o congelamento dos ativos, a transmissão dos dados e eventual repatriação do ouro poderão ocorrer.

Mas antes que o Ministério Público da Suíça pudesse tomar uma iniciativa, funcionários do alto escalão do cofre-forte em Genebra confirmaram por telefone ao jornal O Estado de S.Paulo que Carlos Arthur Nuzman era seu cliente. Não sabiam da prisão do cartola e insistiram que o tema fosse tratado na próxima segunda-feira, quando a pessoa encarregada dos temas de Nuzman estaria no local.

O aluguel do cofre foi alvo de contato de um representante de Carlos Arthur Nuzman “há alguns dias”. Ninguém sabia da prisão dele. A ligação foi então repassada para outro funcionário, que disse não haver qualquer tipo de ação policial até aquele momento, cerca de 15h30, e que, portanto, se alguém viesse com procuração de Nuzman, poderia levar o conteúdo do cofre. Mas admitiu que, se uma ordem policial chegasse, teriam de cumpri-la. “Por enquanto, não recebemos nada”, disse.

Era um prédio imponente nas proximidades do estádio de Genebra e da linha de trem. Conhecido por suas polêmicas ao longo dos anos por abrigar peças roubadas e artigos arqueológicos de valor, o gerente não informou quanto custa para alugar um cofre. Deu o e-mail de um responsável: o nome era o mesmo que aparece entre os cartões de visita descobertos na casa de Carlos Arthur Nuzman, no Rio de Janeiro.

Enquanto a reportagem consultava documentos oficiais no local, funcionários do cofre-forte discutiam como tinham recebido um telefonema de alguém buscando informações sobre Carlos Arthur Nuzman e como, sem saber que se tratava de um repórter, repassaram os dados. “Não fizemos o nosso trabalho”, dizia um dos responsáveis sem saber que a discussão ocorria diante do jornalista que havia feito a ligação.

Para se justificar, disseram que o repórter se apresentou como sendo advogado de Carlos Arthur Nuzman. A reportagem deu seu nome real aos funcionários, indicando que queria falar sobre o caso do presidente do COB. A reportagem entrou em contato com os procuradores para relatar o ocorrido.

Tradicionalmente, guardar ouro ou diamantes em Genebra tem vantagens. Nos serviços de aluguel de cofre visitados pela reportagem, nenhum deles exige a procedência do objeto. Já nos bancos, qualquer movimentação de brasileiros tem sido suscetível de exame por parte de gerentes, cada vez mais pressionados a saber origens de tudo.

Carlos Arthur Nuzman não é o único ator dos Jogos do Rio-2016 com ouro em Genebra, cidade a 60 quilômetros da sede do COI. Há seis meses, o jornal O Estado de S.Paulo revelou que o ex-governador Sergio Cabral tinha barras do metal e pedras preciosas em dois locais da cidade suíça. No total, envolveriam US$ 3,5 milhões (R$ 10,8 mi). Um dos locais usados é da mesma rede de serviços que Nuzman utilizou. No caso de Cabral, a opção foi manter os ativos em entreposto perto do aeroporto.

Blog com A TARDE

Ricardo Lomba é o novo vice-presidente de futebol do Flamengo
   7 de outubro de 2017   │     0:04  │  0

   Ricardo Lomba, Flamengo (Foto: Reprodução)
Ricardo Lomba, Flamengo (Foto: Reprodução)

 

Com Eduardo Bandeira de Mello acumulando a vice-presidência de futebol desde janeiro, quando Flávio Godinho foi afastado do cargo, o Flamengo, enfim, anunciou um novo nome para a pasta. Trata-se de Ricardo Lomba, de 49 anos. É auditor fiscal da Receita Federal, onde exerce o cargo de inspetor-chefe da Alfândega do Porto do Rio de Janeiro.

Lomba nunca ocupou vice-presidência no Flamengo, mas é integrante do grupo político SoFla (Sócios pelo Flamengo) e nome que transita bem com todos seus futuros colegas.

Atualmente, é o vice do Conselho Deliberativo, presidido por Rodrigo Dunshee de Abranches.

Com Eduardo Bandeira de Mello, o Flamengo teve os seguintes vice-presidentes de futebol: Wallim Vasconcellos, Alexandre Wrobel (atual VP de Patrimônio), Gerson Biscotto, Flávio Godinho e o próprio Bandeira de Mello, que acumulava a pasta desde o afastamento de Godinho.

No futebol, o meia Diego vive atualmente um dos momentos mais conturbados em sua passagem pelo clube. O mau desempenho dentro dos gramados tem sido motivo de críticas. A falta de liderança da equipe em campo também tem sido, de certa forma, jogada em suas costas.

Agora, cortado da Seleção Brasileira que está disputando as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, o jogador precisa se recuperar de uma lesão na coxa esquerda, que pode, inclusive, acelerar um processo de saída do time titular.

O Rubro-Negro volta a campo somente no dia 12 de outubro, próxima quinta-feira, quando encara o Fluminense, às 17h (de Brasília), no Maracanã, pela 27° rodada do Campeonato Brasileiro.

Blog com Globoesporte e Gazeta Press

Vasco vê crescimento político na boa relação com a CBF
   24 de setembro de 2017   │     0:01  │  0

O presidente do Vasco, Eurico Miranda, estreita relações com a CBF (Foto: Marcelo Sadio/CRVG)

 

A decisão da CBF de utilizar o árbitro de vídeo a partir dos próximos jogos do Campeonato Brasileiro foi tratada internamente no Vasco como uma vitória do presidente Eurico Miranda. O dirigente, que esteve reunido com os principais nomes da entidade, deixou o encontro confiante de que, aos poucos, o clube está se fortalecendo politicamente.

Eurico Miranda tem procurado a aproximação de dirigentes da CBF no sentido de se colocar politicamente com mais destaque no cenário nacional às vésperas da eleição presidencial do clube, prevista para novembro. Até bem pouco tempo, o atual mandatário via como pouco provável a aproximação com a entidade, no sentido de que a administração de Marcos Polo del Nero é tratada como favorável a clubes paulistas.

A costura de uma aproximação da CBF com o Vasco foi feita por dirigentes de dentro da própria entidade, que olham Eurico como um apoio importante já que alguns clubes, como Flamengo e Fluminense, por exemplo, defendem que os clubes devem organizar os principais campeonatos nacionais, o que esvaziaria o poder da própria CBF.

Nenhuma das partes quis se posicionar sobre essa possível aproximação. Nesta reunião, além de Eurico Miranda e de Del Nero, participaram o diretor de competições Manoel Flores e o presidente da comissão de arbitragem, coronel Marinho.

Na esfera política, a chapa “Mudança com Segurança” registrou a sua candidatura, que tem como nome para presidente Fernando Horta, ex-vice-presidente geral da gestão de Eurico Miranda, que vai tentar um novo mandato. Além dos dois, concorrem ao pleito marcado para 7 de novembro Otto de Carvalho, Alexandre Campello e Júlio Brant. Porém, existe nos bastidores a possibilidade de alguns nomes da oposição se juntarem na tentativa de superar o atual presidente.

Blog com Gazeta Esportiva