Category Archives: Copa do Mundo

Kolinda: a menina dos olhos da última Copa
   24 de setembro de 2018   │     0:01  │  0

Resultado de imagem para presidente da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovic, na Copa da Rússia

 

Ela ficou famosa durante a Copa do Mundo por seu comportamento enérgico nas arquibancadas russas durante os jogos da seleção croata e também por dispensar protocolos geralmente aderidos por chefes de Estado em grandes eventos. Aos 50 anos, a presidente da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovic,(foto acima/Gentside), crê que a maneira como políticos se expressam precisa mudar, e aposta em sua autenticidade para seguir promovendo seu país, que ficou tão em evidência no último verão europeu ao decidir o Mundial de futebol de 2018 com a França.

Completamente apaixonada por esportes, Kolinda Grabar-Kitarovic fez questão de ir à maioria dos jogos de mata-mata da Copa do Mundo para acompanhar a Croácia. Para se deslocar até a Rússia, pagou as passagens do próprio bolso por não considerar certo o fato de o governo bancar viagens que não envolvam qualquer compromisso de Estado. Foi usado dinheiro dos contribuintes croatas apenas quando a presidente esteve em Moscou e Sochi, onde encontrou o presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro, Dmitri Medvedev.

Por essas e outras, a Gazeta Esportiva foi atrás da história dessa mulher que se tornou um verdadeiro personagem da Copa do Mundo de 2018. Concedendo sua primeira entrevista a um veículo de comunicação brasileiro, Kolinda Grabar-Kitarovic admitiu que jamais esperava que sua imagem repercutisse tanto ao redor do planeta.

“Honestamente, não esperava que isso aconteceria, porque não é nada diferente para mim. Sou fanática por esportes, onde quer que eu vá estarei torcendo para os times croatas, sempre visto a camisa da seleção. Poderia estar na arquibancada, com os torcedores, em um jogo de futebol, tênis, handball, polo aquático ou qualquer outro esporte”, disse a presidente da Croácia.

“O fato de que posso me expressar, que não devo me importar com protocolos, limites, que às vezes vêm com esse cargo, honestamente, vem mudando ao redor do mundo. O modo como as pessoas enxergam os políticos, presidentes, primeiros-ministros, tem mudado”, acrescentou.

Um recado aos brasileiros que planejam ir à Croácia

O que posso dizer ao povo brasileiro é que a Croácia é muito bonita em todos os aspectos. O formato da Croácia é como uma ferradura. Mas minha filha disse para mim: ‘Não, mãe. A Croácia não é uma ferradura, é uma águia de asas abertas’. Temos a parte continental, as montanhas e a costa. São muito diferentes em arquitetura, paisagem, culinária, mas em um território tão pequeno há uma concentração de beleza, cultura, culinária, pessoas hospitaleiras. Podemos até entender um pouco de português pela similaridade que há com o italiano, muitos croatas falam italiano. Então, por favor, venham para a Croácia. Não apenas para as grandes cidades, como Zagreb, Split e Dubrovnik, mas até em lugares pequenos na Croácia, cada cidade, cada pedra, faz parte de uma história de centenas, milhares de anos que você pode aproveitar. Você encontrará paisagens lindas, nadar em mares quentes e muito seguros, sem tubarões, sem perigos. Você pode velejar, você pode ir a alugares que poderá ficar completamente sozinho e aproveitar a natureza. Ou você pode visitar os vários monumentos históricos, eventos culturais e explorar nossa culinária, visitar os parques naturais onde há uma série de lagos e cachoeiras. Na parte continental da Croácia você pode aproveitar as festividades, em istria há as melhroes trufas do mundo, muita música e Carnaval. É algo que compartilhamos com o Brasil. Em Rijeka, minha cidade natal, temos diferentes eventos, mas no último fim de semana do carnaval, é absolutamente maravilhoso.

Blog com Gazeta Esportiva

Cortado após estreia na Copa, croata se recusa a receber medalha de vice
   22 de julho de 2018   │     0:01  │  0

Nikola Kalinic foi cortado após o primeiro jogo da Copa do Mundo
Nikola Kalinic foi cortado após o primeiro jogo da Copa do Mundo (Foto: Antonio Bronic/Reuters)

O sonho da Copa do Mundo terminou logo após a primeira rodada para Nikola Kalinic. Após se recusar a entrar durante a estreia da Croácia, alegando dores nas costas, o atacante foi cortado pelo técnico Zlatko Dalic. Sem o atleta, os eslavos fizeram uma campanha inesquecível e chegaram ao vice-campeonato. Mas Kalinic, por opção própria, não receberá a medalha pelo segundo lugar.

Como foi cortado durante a competição, o atacante do Milan não poderia ser substituído por ninguém e acabou constando na lista de vice-campeões do mundo. Após a partida, Dalic confirmou que o elenco iria entregar a medalha a Kalinic. “Decidimos que Kalinic ganhará a medalha. Se ele vai aceitar ou não, é outra coisa”, afirmou.

Mas o receio do treinador se confirmou. Em entrevista na tarde de ontem ao Sportske Novosti, da Croácia, Kalinic rechaçou a medalha por não ter feito parte da campanha que terminou com o vice-campeonato.

“Obrigado pela medalha, mas eu não joguei na Rússia”, frisou.

Blog com EXTRA

Com moral! Thiago Silva, Marcelo e Coutinho aparecem na seleção da Copa do Mundo
   19 de julho de 2018   │     0:03  │  0

Rússia – Apesar de não ter conquistado o tão sonhado hexa, a Seleção ainda tem muita moral com os torcedores mundo a fora. Três brasileiros figuram no time da Copa do Mundo 2018, que foi votada por quase 130 mil usuários cadastrados no site oficial da Fifa: Thiago Silva, Marcelo e Coutinho.

O Brasil foi a equipe com mais representantes, seguida por França, com o zagueiro Varane e o atacante Mbappé, e Bélgica, com o goleiro Courtois e o meia De Bruyne. Completam os 11, o uruguaio Godín, o croata Modric, o inglês Harry Kane, artilheiro do torneio, e o português Cristiano Ronaldo.

Modric, eleito craque da Copa, alcançou a maior preferência dentre os votantes, seguido de perto por Coutinho. Todos os jogadores que fizeram ao menos três partidas puderam ser votados, de 29 de junho, dia de descanso entre a fase de grupos e as oitavas de final, até domingo passado, algumas horas depois da decisão do título.

Blog com O DIA

Quarenta e cinco casos de assédio sexual foram registrados durante a Copa
   18 de julho de 2018   │     0:01  │  0

Torcedor tenta beijar repórter Julia Guimarães, da TV Globo, durante uma transmissão ao vivo (Foto: Twitter/Reprodução)

Quarenta e cinco casos de assédio sexual foram registrados oficialmente até agora durante o período de disputa da Copa do Mundo, que começou no dia 14 de junho e foi encerrada no último domingo, em Moscou. Os dados foram apresentados nesta quarta-feira pela entidade Fare, aliada da Fifa no controle de questões de discriminação no Mundial.

Piara Power, diretor da Fare, diz que os casos foram identificados desde o início do Mundial, incluindo cerca de quinze deles envolvendo jornalistas que foram alvo de assédios enquanto trabalhavam nas ruas das cidades russas e em estádios. “Esses são os números oficiais. Talvez o número real seja dez vezes maior”, disse Power, referindo-se aos casos não registrados pelas vítimas.

Federico Addiechi, diretor de Diversidade da Fifa, destacou os casos de sexismo, em que torcedores passaram a ser impedidos de entrar nos estádios. Ele salienta que, ainda que sérios, o número de ocorrências desse tipo de incidente foi pequeno diante do 1,5 milhão de torcedores, dos quais 700.000 vieram do exterior, do Mundial. Para ele, o que ocorreu na Rússia não é uma novidade em relação ao que foi visto há quatro anos, na Copa de 2014.

Na Rússia, o Ministério do Interior abriu um inquérito formal contra os brasileiros que, nos primeiros dias da Copa do Mundo, constrangeram uma mulher em Moscou, em vídeo que difundiram pela internet.

Blog com Placar

Como em 98, descendentes de imigrantes recolocam França no topo
   16 de julho de 2018   │     0:04  │  0

Kylian Mbappe comemora o seu gol pela FrançaKylian Mbappe comemora o seu gol pela França (Foto: CHRISTIAN HARTMANN / REUTERS)

Passados 20 anos de seu primeiro título mundial, a seleção francesa de futebol voltou a alcançar a máxima glória do esporte, ontem, ao vencer a Croácia por 4 a 2, no estádio Luzhniki, em Moscou. Mais do que qualquer aspecto tático ou técnico, o resultado simboliza a união de um país que recentemente se acostumou com a polarização referente à crise imigratória no continente europeu.

Dos 23 jogadores convocados pelo técnico Didier Deschamps, apenas sete não são filhos de imigrantes africanos: o goleiro Hugo Lloris, Pavard, Lucas Hernández, Griezmann, Giroud, Thauvin e Alphonse Areóla, de origem filipina. A tolerância às diferenças étnicas foi elementar na campanha bem-sucedida da seleção francesa no Mundial da Rússia, assim como aconteceu em 1998, quando os Bleus conquistaram a Copa pela primeira vez com um time repleto de descendentes de estrangeiros.

“A diversidade do nosso time é a imagem desse belo país que é a França. Para nós, isso é esplêndido. Estamos orgulhosos em representar essa bonita camisa e acho que o povo também está orgulhoso por ter uma seleção como essa”, disse o volante Blaise Matuidi, filho de pai angolano e mão congolesa.

Até mesmo a líder da extrema direita francesa, Marine Le Pen, se rendeu ao grande futebol da seleção francesa nesta Copa do Mundo. A candidata à presidência no ano passado, que tinha como uma de suas propostas frear a imigração legal e ilegal no país, parece ter se esquecido que grande parte do grupo que chegou à decisão do Mundial é composto por filhos de estrangeiros. Através de suas redes sociais, a contraditória presidente do partido Agrupamento Nacional se manifestou após o título sobre a Croácia: “Bravo, seleção francesa! Está feito! Parabéns ao Didier Deschamps e a todos os seus jogadores. Histórico!”.

Kylian Mbappé, principal estrela do time francês, é um dos 16 jogadores que possuem raízes africanas. O jogador, de 19 anos, é filho de uma ex-jogadora de handebol nascida na Argélia e de um pai camaronês. Paul Pogba, que detém o maior apelo comercial entre os atletas da seleção, é outro exemplo. Seus pais nasceram em Guiné, no entanto, o volante preferiu defender o país onde cresceu.

Em 1998, os grandes destaques da seleção que venceu a Copa do Mundo sediando o torneio também eram filhos de imigrantes. Lilian Thuram, que fez os dois gols na semifinal contra a Croácia, em Saint-Denis, é filho de mãe solteira nascida em Guadalupe, uma ilha no Caribe pertencente à França; Youri Djrokaeff é filho de mãe armênia; Zinedine Zidane tem origens argelinas; Já Marcel Desailly possui raízes em Gana.

Thuram, inclusive, foi além. Após se consagrar nos gramados com o título mundial e da Eurocopa de 2000, o zagueiro hoje é líder de uma fundação que leva o seu nome e que tem como objetivo combater o racismo no país através da educação a crianças de baixa renda, muitas delas descendentes de imigrantes.

Enquanto alguns trabalharam para integrar a sociedade francesa, líderes políticos se esforçam para se estabelecerem com pensamentos completamente retrógrados. Por ora, a atual geração de jogadores da França se limita a fazer sua parte dentro dos gramados, contudo, já é possível dizer que a taça erguida em Moscou vai muito além da glória futebolística. Simboliza a inclusão que deveria ser adotada por todo um povo.

Blog com Gazeta Press