Category Archives: CLUBES

Flamengo ‘dá banho’ de público no Flu em jogos no Maracanã
   22 de abril de 2019   │     0:01  │  0

Resultado de imagem para Maraca com a nação do Fla

O Maracanã sempre foi e nunca deixará de ser a verdadeira casa do Flamengo (Foto: Blog 433)

Desde sexta (19) que Flamengo e Fluminense assumiram a gestão do Maracanã por seis meses, como determinou acordo de ambos com o governo do Estado do Rio, que rompeu contrato com a concessionária que administrava o estádio.

Os dois dividirão gastos mensais com a empreitada – R$ 2 milhões com manutenção e mais R$ 166 mil como aluguel ao Estado. Curioso nisso tudo é a disparidade de público presente ao Maracanã comparando-se jogos do Fla e do Flu em 2019.

Com exceção da final do último domingo, cada um deles disputou 15 partidas no Maracanã neste início de ano. Ao todo, o Flamengo levou 635.971 pessoas ao estádio nesses jogos, com média de 42 mil presentes.

Já o Fluminense somou um público de 312.500 nas vezes que ocupou o estádio em 2019, com média de 20 mil torcedores presentes.

Essa distância aumenta significativamente se forem excluídos dessa relação os quatro clássicos realizados este ano entre Flamengo e Fluminense no Maracanã. Nessas partidas, o público presente foi de 173.671.

Ou seja, sem esses quatro confrontos diretos, a média de público presente do Fluminense no estádio cairia de 20 mil para 12 mil – referente aos jogos do time no Carioca, Copa do Brasil e Sul-Americana.

Já o Flamengo manteria a média de 42 mil presentes por partida, demonstrando a força de sua torcida, que tem comparecido em massa tanto nos compromissos do Carioca quanto nos da Libertadores.

O acordo inicial do governo do Estado com Flamengo e Fluminense prevê a prorrogação do acerto por mais 180 dias. Durante essa gestão dos dois clubes, o Estado vai preparar um novo processo de licitação do Maracanã.

Blog com Terra Esportes

 

 

 

 

 

Maracanã tem decisão com vantagem para o Flamengo
   21 de abril de 2019   │     16:00  │  0

Abel Braga, técnico do Flamengo (à esquerda), e Alberto Valentim, técnico do Vasco (à direita), têm amanhã, no Maracanã, a oportunidade de responder a seus críticos

Abel Braga, técnico do Flamengo (à esquerda), e Alberto Valentim, técnico do Vasco (à direita), têm hoje, no Maracanã, a oportunidade de responder a seus críticos  (Fotos: Armando Paiva/Agência O Dia e Rafael Ribeiro/Vasco)

No mesmo instante em que a bola rolar no Rei Pelé, em Maceió, às 16 horas, na final com CRB e CSA, no Maracanã, Flamengo e Vasco também iniciarão o duelo final do Carioca. Questionados por suas torcidas, os técnicos de Flamengo e Vasco têm na final do Carioca a chance de aliviar a pressão e também alcançar marcas importantes na tarde de hoje. Criticado pelas atuações rubro-negras, Abel Braga pode se tornar o quarto comandante a conquistar mais de um título por dois times diferentes. Sob risco de demissão, Alberto Valentim tenta se igualar a grandes nomes que ganharam o Estadual em anos seguidos por dois clubes.

Com o 2 a 0 no primeiro jogo, Abelão é quem está mais perto de entrar no grupo de bicampeões por mais de um clube. Depois de comemorar duas vezes com o Fluminense (2005 e 2012), o treinador pode repetir com o Flamengo, pelo qual ganhou o Carioca em 2004, mesmo com as inúmeras críticas por seu time jogar menos do que pode com os jogadores que tem. Se conseguir, alcançará Zagallo, campeão duas vezes por Botafogo (1967 e 1968) e Flamengo (1972 e 2001). O Velho Lobo ainda celebrou mais uma vez, com o Fluminense (1971).

Outro multicampeão é Flávio Costa, maior técnico vencedor de Carioca, por Flamengo (1939, 1942, 1943, 1944 e 1963) e Vasco (1947, 1949, 1950 e 1952). E quem possui a maior quantidade de títulos por clubes distintos é Joel Santana, que celebra oito, sendo três pelo Vasco (1987, 1992 e 1993), dois pelo Flamengo (1996 e 2008) e Botafogo (1997 e 2010), além de um pelo Fluminense (1995).

Na outra área técnica, Valentim terá mais dificuldade para alcançar a sua marca especial. Além da desvantagem de dois gols, ele também sofre enorme pressão por seu trabalho e precisa administrar o relacionamento conturbado com o elenco. Se conseguir superar todos esses obstáculos, ele poderá comemorar o bicampeonato, já que foi campeão carioca em 2018 comandando o Botafogo.

Somente quatro técnicos conseguiram comemorar títulos em dois anos seguidos por dois clubes. O último foi justamente Abel, em 2004 (Flamengo) e 2005 (Fluminense). Além do adversário da final, Valentim pode repetir a façanha de Joel Santana, Sebastião Lazaroni e Zagallo.

E mais uma vez Joel é quem possui a marca mais impressionante. Ele foi tricampeão por três clubes: 1995 (Fluminense), 1996 (Flamengo) e 1997 (Botafogo), enquanto Lazaroni conquistou o Carioca em 1986 (Flamengo) e 1987 (Vasco, com quem venceu em 1988). Já Zagallo foi bicampeão com Fluminense (1971) e Flamengo (1972).

Blog com O DIA

Sem perder em 2019, Cruzeiro é campeão com sobras
     │     14:00  │  0

   
Resultado de imagem para Cruzeiro campeão

(Foto: Veja)

Um início de temporada irretocável. O título do Campeonato Mineiro, conquistado no sábado, após o empate em 1 a 1 com o Atlético-MG, no Independência, ratifica a excelente performance que o time comandado por Mano Menezes teve nos pouco mais de três meses e meio de temporada

A Raposa é a única equipe entre aquelas que participarão das Séries A e B do Campeonato Brasileiro que ainda não perdeu em 2019. Em 20 partidas disputadas, foram 15 vitórias e cinco empates, com a expressiva marca de 44 gols marcados (média de dois gols por jogo) e apenas nove sofridos (média de 0,45 gol por partida).

O título dá ao time cruzeirense a tranquilidade e aumenta a confiança para a sequência do trabalho, visto que o time segue na disputa da Copa LIbertadores, e no próximo final de semana estreia no Campeonato Brasileiro (no sábado, encara o Flamengo, às 21h, no Maracanã, no Rio de Janeiro). Isso sem contar que o time cruzeirense só estreia na Copa do Brasil nas oitavas de final.

Blog com GloboEsporte

Cruzeiro empata com o Galo e fica com o título de Minas
   20 de abril de 2019   │     19:03  │  0

Fred marcou o gol do Cruzeiro (Foto: ECC)

 

A ajuda do árbitro de vídeo foi novamente fundamental para uma decisão de campeonato. Desta vez em Belo Horizonte, Atlético e Cruzeiro ficaram no empate por 1 a 1, na tarde deste sábado, no Independência, e o resultado deu o título a Raposa que venceu o primeiro encontro por 2 a 1, na última semana, no Mineirão.

Neste sábado, o Atlético se mostrou bem – alias muito melhor que o Galo de Levir Culpi, mais organizado e sabendo o que faz em campo. A equipe abriu o marcador com Elias, no primeiro tempo, e se segurou em campo. Na segunda metade da etapa complementar, o árbitro marcou um pênalti após consultar o VAR e ver a bola que pegou no braço do zagueiro Leonardo Silva. Fred cobrou com categoria para deixar o placar em 1 x 1.

Para o Atlético, resta agora procurar um treinador ou dar uma chance e efetivar Rodrigo Santana – técnico que mudou o Galo da água para o vinho. O Cruzeiro segue em seu ano em busca de grandes conquistas, a equipe celeste ainda não conhece as derrotas em 2019.

Blog com Gazeta Press

 

Diniz revela que Pedro só voltaria a jogar pelo Fluminense no Brasileiro: ‘Ele se pôs à disposição’
   19 de abril de 2019   │     0:03  │  0

Pedro voltou a jogar após quase oito meses
Pedro voltou a jogar após quase oito meses (Foto: Guito Moreto / Agência O Globo)

 

A vontade de voltar aos campos falou mais alto. Fora por 234 dias em razão de uma cirurgia para corrigir os ligamentos do joelho direito, Pedro contrariou o planejamento da comissão técnica e antecipou seu retorno. Foi o próprio Fernando Diniz, treinador do Fluminense, quem fez a revelação.

— Antecipamos a volta dele. A previsão era jogar só no Brasileiro. Mas ele se colocou à disposição — disse Diniz, deixando claro que a medida não representou nenhum risco.

— Conversamos com os departamentos, e achamos que poderíamos antecipar a volta. Ele voltou e se sentiu bem, jogou quase um tempo inteiro.

Foram 40 minutos em campo na vitória do Fluminense por 2 a 0 sobre o Santa Cruz. Para quem não jogava há quase oito meses, uma conquista.

— Ele iria jogar uns 25 minutos. Mas jogou mais ou menos por 40. É bom para adquirir ritmo. Para o Campeonato Brasileiro, o time vai ficando mais robusto — completou Diniz.

A partida valeu mais para Pedro começar a ganhar ritmo e confiança. A atuação em si foi discreta. De todos os tricolores que entraram em campo, o centroavante foi quem menos teve posse de bola (1,07%) e menos trocou passes (11 certos). Na frente, tentou três finalizações. Mas apenas uma foi na direção do gol.

— É uma alegria imensa voltar a fazer o que mais amo: jogar futebol. Creio que foi uma reestreia boa. Estava há muito tempo parado. Joguei 40 minutos direto e estou me sentindo bem. Se Deus quiser, coisas grandes virão pela frente — afirmou o jogador, após o jogo, à TV Globo.

Blog com EXTRA