Category Archives: CBF

Despesas da CBF com a Seleção somaram R$ 98 milhões em 2016
   27 de abril de 2017   │     0:04  │  0

A Seleção principal custou R$ 98,5 milhões à CBF em 2016. Essa quantia foi bem superior, por exemplo, ao que foi gasto com a Seleção no ano da Copa do Mundo – em 2014, essas cifras foram de R$ 58,2 milhões.

Incidem sobre esses valores, com mais peso, as despesas com hospedagem e passagem aérea dos jogadores, toda vez que há uma convocação da equipe. A maioria que integra o time dirigido por Tite atua na Europa.

A empresa responsável pela compra dos bilhetes aéreos é de Wagner Abrahão, dono do Grupo Águia, que cuida há vários anos das viagens da Seleção e dos times das Séries B, C e D do Campeonato Brasileiro.

Abrahão é amigo do ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e também muito próximo do atual mandatário da entidade, Marco Polo Del Nero.

Em 2015, as despesas com a Seleção representaram R$ 61,7 milhões à CBF.

Esses dados fazem parte do balanço da CBF, aprovado em assembleia realizada dia 18 de abril, no Rio. Nada disso, no entanto, foi publicado no site da entidade.

Blog com Terra Esportes

Comissão de Ética da CBF terá canal de denúncias
   21 de abril de 2017   │     0:02  │  0

A Comissão de Ética da CBF deve abrir seu canal de denúncias nos próximos dias. Segundo a entidade, faltam apenas “detalhes técnicos” para o site ir ao ar. Através dele, qualquer pessoa poderá realizar denúncias contra dirigentes ou demais pessoas ligadas ao futebol brasileiro, incluindo cartolas da própria entidade.

Da cúpula da CBF, o presidente Marco Polo Del Nero e o diretor de Assuntos Internacionais, Vicente Cândido, têm seus nomes envolvidos em polêmicas. Del Nero foi indiciado pela Justiça norte-americana e é investigado pelo Comitê de Ética da Fifa, enquanto Cândido, que é deputado federal pelo PT de São Paulo, foi citado em delação do executivo da Odebrecht Alexandrino Alencar. Ele teria recebido R$ 50 mil via caixa 2.

Os cartolas, porém, dificilmente terão seus casos analisados pela Comissão de Ética da CBF. Isso porque, em junho do ano passado, quando o Código da Ética teve seu texto final encaminhado, o então presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Caio Cesar Rocha, lembrou que o documento só teria efeito sobre casos constatados a partir da publicação do documento.

“Há uma limitação constitucional. No Brasil não é permitido criar um órgão de julgamento para investigar casos passados. Ele olha para o futuro, salvo em eventuais práticas continuadas”, disse Rocha, na ocasião.

De todo modo, o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, saiu em defesa de Vicente Cândido. “A denúncia não significa culpa. É preciso tomar muito cuidado com esse espírito, tem todo um processo de investigação”, disse. “O Vicente tem sido um diretor de Relações Internacionais muito consistente. Tem trabalhando bastante.”

Apesar disso, Feldman assegurou que todos os casos que chegarem à comissão serão motivo de análise. “Se for apresentado alguma coisa à comissão, ela vai analisar e vai julgar se arquiva ou dá andamento”, afirmou.

Blog com A TARDE

 

Deputado entra com representação e pede anulação de assembleia da CBF
   31 de março de 2017   │     22:10  │  0

O deputado Otavio Leite entrou, nesta sexta-feira, com uma representação no Ministério Público Federal do Rio de Janeiro (MPF-RJ) contra a assembleia administrativa da CBF realizada no último dia 23 de março. O novo estatuto ampliou o peso das federações estaduais de futebol e diminuiu o dos clubes, que não foram convocados para a reunião.

De acordo com o parlamentar, relator do Profut, lei de responsabilidade fiscal do futebol, por força do artigo 22-A da Lei 9.615/98 (Lei Pelé), obrigatoriamente todos os clubes de futebol das Séries A e B deveriam ter participado desta reunião, mas nenhum foi convocado.

A assembleia, realizada na semana passada, aprovou o novo estatuto da CBF. Na reunião, foi decidida a inclusão de 20 clubes da Série B na eleição presidencial da entidade, aumentando para 40 o número de clubes na votação.

Apesar da ampliação do número de equipes envolvidas, uma outra medida diminuiu o poder dos clubes em comparação às federações estaduais. Tudo por causa de um artigo que muda o peso dos votos. Na nova regra, o voto de cada clube tem peso 2, enquanto o das 27 das federações possui peso 3. Com  isso os cartolas estaduais terão 81 votos, contra 60 dos clubes. Na última eleição, em 2014, todos os votos tinham peso 1. Portanto, eram 27 para as federações, e 20 para os clubes.

Blog com Gazetaweb

Sem documentos suficientes para sanção, processo contra Del Nero na Fifa paralisa
   26 de março de 2017   │     0:03  │  0

Resultado de imagem para dEL nERO, DA cbf

Presidente Del Nero continua comandando o futebol do Brasil, apesar das denúncias da Fifa (Foto: Amazonas Atual)

De mãos atadas, a Fifa não avança nas investigações em relação ao presidente da CBF, Marco Polo del Nero, e o cartola dificilmente será banido do futebol enquanto permanecer no Brasil sem uma ação da Justiça local.

Del Nero foi indiciado pela Justiça dos EUA, em dezembro de 2015, acusado de corrupção. Dias depois, a entidade máxima do futebol anunciou que havia aberto uma investigação contra o brasileiro para determinar uma eventual expulsão do esporte. Na prática, uma decisão nesse sentido o obrigaria a deixar a CBF.

Mas, sem sair do Brasil, Del Nero evitou ser preso, como ocorreu com José Maria Marin. Para completar, uma juíza no Rio de Janeiro impediu qualquer colaboração entre o Ministério Público no Brasil e os procuradores nos EUA.

Ainda assim, a Fifa considerava que poderia reunir documentos que justificassem uma suspensão do futebol, o que exigiria que ele deixasse o poder na CBF. Em agosto de 2016, o Estado revelou que a Fifa tinha a esperança de concluir as investigações e tomar uma decisão até o final daquele ano.

Mas o que recebeu como documentação foi considerado como insuficiente para determinar sua suspensão do futebol. A entidade foi munida pelo trabalho realizado na CPI do Futebol, no Senado, um informe alternativo preparado pelo senador Romário e outros documentos. Ainda que tenham sido considerados como elementos “fortes”, eles seriam suficientes apenas para abrir um inquérito. Mas não ainda para realizar uma condenação.

Nem mesmo o indiciamento nos EUA foi considerado como uma peça que poderia garantir sua punição. Isso por conta das exigências legais e da consideração de que um indiciamento não determina culpabilidade.

Para que um caso avance na Fifa, existem agora três opções: a primeira seria de que novas evidências cheguem à entidade em Zurique. A segunda possibilidade é de que, no Brasil, o Ministério Público finalmente avance em relação às investigações contra a CBF. Em maio de 2015, o MP informou que um procedimento havia sido aberto. Mas o colocou em “sigilo absoluto”. Quase dois anos depois, nenhum resultado foi apresentado.

Por fim, ainda que praticamente excluído, a Fifa agiria se Del Nero viajasse ao exterior e fosse preso e extraditado aos EUA, exatamente o cenário que afetou Marin. O princípio usado no caso do ex-presidente da CBF é de que, com uma prisão, fica claro que não apenas existe um indiciamento, mas também uma avaliação por um segundo país de que as provas são suficientes para justificar uma detenção.

Enquanto esses cenários não ocorrerem, Del Nero deverá se manter como presidente da CBF e fora de qualquer ameaça dentro da Fifa. A própria presença do presidente da entidade, Gianni Infantino, na sede da CBF, em agosto do ano passado, causou mal-estar entre certos setores dentro da Fifa.

Blog com o ESTADO DE SÃO PAULO

Comissão técnica da Sub-20 aponta boicote de Tite e Edu
   5 de março de 2017   │     0:02  │  0

Durante o Sul-Americano Sub-20, no Equador, no qual o Brasil não ficou nem entre os quatro melhores e, por isso, perdeu vaga no Mundial da categoria, um assunto inquietava a comissão técnica da equipe: a ausência de Tite e auxiliares dele para prestigiar o time ao longo de todo o período da competição – entre 18 de janeiro e 11 de fevereiro.

Com o resultado ruim e a demissão de todo o grupo do técnico Rogério Micale e do coordenador Erasmo Damiani, o tema voltou à tona, entre os afastados pela CBF. A diferença é que agora eles dão uma interpretação ao silêncio de Tite e do coordenador da Seleção principal, Edu Gaspar, nas semanas de disputa do Sul-Americano.

O Terra apurou que os demitidos saíram com a percepção de que foram boicotados pelos que dirigem a Seleção principal.

Alegaram que receberam de Tite apoio incondicional tão logo ele assumiu a Seleção, em junho do ano passado. Realmente, o técnico fez elogios seguidos ao trabalho de Micale e o bancou junto à cúpula da CBF para comandar o time olímpico.

Mas nem a medalha de ouro inédita no futebol serviu para manter Micale, após o Sul-Americano. Para ele e Damiani, pesou a intenção de Edu Gaspar de montar um grupo “fechado”, com parceiros seus e de Tite nas seleções de base da CBF.

Blog com Terra Esportes