Category Archives: automobilismo

Presidente da FIA fala sobre saúde de Schumacher
   19 de novembro de 2020   │     22:00  │  0

O fantástico piloto Michael Schumacher sofreu um grave acidente há sete anos (Foto: EFE)

Ex-chefe da Ferrari e atual presidente da Federação Internacional do Automobilismo (FIA, na sigla em francês), Jean Todt voltou a comentar sobre o estado de saúde do alemão Michael Schumacher, heptacampeão mundial de Fórmula 1, que há cerca de sete anos sofre em consequência de um acidente enquanto esquiava na França e acabou ficando em estado vegetativo.

A declaração de Todt acontece logo após o título da temporada de 2020 ter ficado nas mãos de Lewis Hamilton, que empatou com “Shumi” depois de faturar o troféu no GP da Turquina, no último domingo, 15. “Schumacher está bem acompanhado e confortavelmente instalado. Continua lutando e só podemos desejar a ele e à família que as coisas melhorem”, disse o presidente da FIA, uma das poucas pessoas que continua fazendo visitas ao ex-piloto, em entrevista ao canal de TV francês RTL. Apesar da pandemia da Covid-19, que provocou um distanciamento social, Todt afirmou que continua a visitando Schumacher de duas a três vezes por mês.

Schumacher caiu enquanto esquiava nos Alpes franceses em dezembro de 2013, tendo ficado com lesões cerebrais. O ex-piloto bateu a cabeça em uma pedra e ficou em coma, entre a vida e a morte. Foi submetido a duas intervenções cirúrgicas, das quais saiu em coma induzido, em estado crítico, mas estável.

Em março de 2014, ainda em coma, Schumacher começou a respirar sem aparelhos, tendo tido alta em setembro para continuar a recuperação em casa, com a família mais próxima. Durante algum tempo, o ex-piloto parecia estar reagindo aos tratamentos, alimentando esperanças em uma eventual recuperação.

Mas, em maio de 2016, Todt revelou detalhes sobre o estado de saúde de Schumacher: tinha piorado drasticamente e tinha a vida por um fio. No ano passado, foi noticiado que o ex-piloto deixou de estar acamado e que a sua vida não depende de uma máquina.

A família tenta manter seu estado de saúde em silêncio absoluto. Em uma das raras declarações públicas sobre o tema, Corinna Betsch, esposa de Schumacher, deu a entender que o alemão segue reagindo lentamente.

Todt também comentou sobre Mick Schumacher, filho de Michael, que está na liderança da atual temporada da Fórmula 2. Para o presidente da FIA, o alemão poderá ganhar uma chance na F-1 em 2021.

“Provavelmente correrá na Fórmula 1 no próximo ano, estamos muito contentes por ter novamente um Schumacher no mais alto nível do automobilismo”, disse o francês. O francês Romain Grosjean e o dinamarquês Kevin Magnussen deixarão a Haas no final da atual temporada e Schumacher vem sendo especulado para assumir uma das vagas, assim como o russo Nikita Mazepin.

Blog com ESTADÃO Conteúdo

Fittipaldi é multado após não indicar bens à penhora
   15 de novembro de 2020   │     23:00  │  0

Emerson Fittipaldi  (Foto: Parceria Lance & IstoÉ)

O ex-piloto de Fórmula 1 Emerson Fittipaldi foi multado em R$ 20 mil pela Justiça de São Paulo após não indicar bens que deveriam ser penhorados para pagamentos de dívidas provenientes de ações na Justiça contra ele. Segundo o colunista Rogério Gentile, do ‘Uol’, o bicampeão da F1 tem pelo menos 145 ações judiciais abertos com credores que podem chegar a R$55 milhões.

Ainda segundo o blog, a penhora se refere a um serviço de buffet prestado pela empresa ‘Flávio Audi Cateb Eventos’ em 2012 no valor de R$ 100 mil, durante a competição ‘Seis horas de São Paulo’, promovido por uma das empresas de Fittipaldi em Interlagos. O valor da multa refere-se a 20% do valor da dívida.

A defesa de Fittipaldi alega que o ex-piloto não apresentou bens para ser penhorado por não possuí-los.

– Fittipaldi não pode ser compelido a indicar o que não tem e nem ser prejudicado por não possuir bens – disse à Justiça o advogado Donato Santos de Souza, que o representa.

A empresa de buffet, no entanto, afirmou que o bicampeão tem uma vida ‘nababesca’, ou seja, de muito luxo, no exterior. Em outro processo, o banco ‘Safra’ aponta que Fittipaldi ‘esconde’ patrimônio nos Estados Unidos através de empresas de fachada e cobra uma divida de R$ 776,4 mil.

Em entrevista ao ‘O Estado de S. Paulo’, Fittipaldi disse não possuir bens e alegou que passa por dificuldades financeiras.

– Primeiramente, nunca escondi nenhum patrimônio. Já paguei muita dívida e estou pagando e vou liquidar tudo. Os caras inventaram esse negócio, me deixou com uma imagem péssima, foi algo diabólico, e que não tem nada a ver com a realidade – afirmou.

Blog com ISTOÉ

 

Maior vencedor da Fórmula 1, Hamilton cogitou jogar futebol
   28 de outubro de 2020   │     21:00  │  0

O piloto britânico Lwis Hamilton, da Mercedes, faz uma selfie para comemorara a pole position do Grande Prêmio da Espanha de Fórmula 1O piloto britânico Lwis Hamilton, da Mercedes, também desejou jogar futebol profissionalmente – (Foto: PIERRE-PHILIPPE MARCOU/AFP)

Lewis Hamilton se tornou o maior vencedor da história da Fórmula 1. A caminho de igualar Michael Schumacher como maior campeão da história (sete títulos), ele já superou o alemão em número de vitórias (92 a 91) ao subir no lugar mais alto do pódio do GP de Portugal.

Quem vê os números impressionantes do inglês na categoria mais famosa do automobilismo mundial dificilmente acreditaria que ele pensou em seguir carreira em outro esporte. Sim, torcedores. Conforme o próprio Hamilton, ele poderia ter tentado se aventurar nos gramados do nosso bom e velho futebol.

“Eu penso que teria sido um jogador de futebol se não tivesse me tornado um piloto”, declarou o piloto, em entrevista ao jornal inglês The Telegraph em 2007, ano que já estreou na Fórmula 1 com o vice-campeonato mundial pela McLaren – a um ponto do finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari.

Nascido e crescido na cidade de Stevenage, Hamilton foi além e revelou nesta entrevista que atuou nos tempos de escola ao lado de um tal de Ashley Young – esse sim seguiu carreira no futebol, vestiu a camisa da seleção inglesa e hoje está na Inter de Milão após quase dez anos defendendo o Manchester United.

“Eu tinha mais velocidade do que Ashley Young naquele tempo, mas ele era mais habilidoso. Eu era um meio-campista e poderia ir para uma dividida tão forte que arriscava quebrar minha perna. Eu sou muito competitivo em tudo. Honestamente, não sei de onde vem isso”, comentou o hoje piloto da Mercedes.

Apesar de seguir carreira nas pistas, Hamilton chegou a mostrar um pouco de sua habilidade com a bola em 2016, em um desafio lançado pelos freestylers Billy Wingrove e Jeremy Linch.

O maior vencedor da história da Fórmula 1 é torcedor do Arsenal. Maldosos dirão que ele tem conseguido mais vitórias recentemente do que o seu time do coração.

Em novembro de 2018, o inglês fez questão de homenagear o francês Arsene Wenger, o comandante do clube nas últimas grandes conquistas e que encerrava ali sua passagem de 22 anos pelos Gunners. “Sempre tive grande admiração por ele”, declarou.

No ano seguinte, o piloto da Mercedes conheceu pessoalmente Aubameyang, artilheiro do time londrino, em encontro devidamente registrado pelo gabonês nas redes sociais.

Blog e GOAL

 

Fórmula 1 conversa com SBT, Band e Cultura para continuar na TV aberta
   13 de setembro de 2020   │     21:00  │  0

artigo-F1-novo

A decisão da Globo em não renovar o contrato de transmissão da Fórmula 1 para 2021 abriu um curioso caminho que pode manter a maior das categorias do esporte a motor na TV aberta no Brasil. SBT, Band e até Cultura estão em contato com o Liberty Media, soube o GRANDE PRÊMIO.

O assunto Fórmula 1 ronda o SBT já há algum tempo e é tópico de conversas de membros da cúpula desde o começo da temporada de 2020, muito antes de saberem que a Globo não renovaria os direitos com o Liberty Media. No restaurante da emissora, por exemplo, os dirigentes costumam ter um ‘papo de boteco’ para analisar as corridas. Assim aconteceu, por exemplo, depois do GP da Estíria, em que todos os executivos, sem exceção, falavam da vitória de Lewis Hamilton e da volta final em que Lando Norris brilhou. A emissora, inclusive, já estuda a criação de um departamento apenas para cuidar de esportes.

A incapacidade de produção em tempos de pandemia e o retorno que o futebol deu recentemente na decisão do Campeonato Carioca entre Flamengo e Fluminense levaram a direção do SBT a tal caminho. O que é visto com certa restrição por funcionários porque, em uma conta de padaria, o canal não tinha dinheiro para comprar os direitos do Campeonato Italiano — que caiu no colo do Grupo Bandeirantes.

No caso do SBT, a negociação com a Fórmula 1, informada pelo site Notícias da TV e confirmada pelo GP, acontece logo após a emissora adquirir os direitos de transmissão da Libertadores, principal torneio de futebol na América do Sul. Téo José, assim, foi contratado para assumir as narrações, mas tem vasta experiência também no automobilismo, com um currículo de anos de Indy e, recentemente, Fórmula E, MotoGP e Nascar no FOX Sports.

Para a Cultura, seria um enorme passo adiante na programação, que hoje conta com um jogo por semana da Superliga Feminina, um jogo da Superliga Masculina e regionais de futebol em suas afiliadas, como o Campeonato Paraense.

Outra que também analisa o cenário é a Bandeirantes, que voltou a ter eventos importantes da ‘velha guarda’, como a NBA e o Campeonato Italiano. A Band readquiriu os direitos da Indy às vésperas deste campeonato e quer se mostrar ao Liberty Media como uma emissora crível que tem expertise no esporte, também soube o GP.

Na Record, o departamento comercial até tem interesse, mas o problema é convencer a IURD, a igreja que controla a emissora, a abrir mão dos seus horários nos momentos em que falam para alguns escutarem — sobretudo nas corridas da madrugada.

A Disney, dona dos canais ESPN e FOX Sports no Brasil, está monitorando a situação. A Fórmula 1 é exibida nos EUA pelo primeiro canal usando toda a base da Sky Sports e pelo segundo canal na América Latina.

Blog com LANCE

Após quatro décadas, família Williams deixa a Fórmula 1
   8 de setembro de 2020   │     15:00  │  0

Fundador da equipe, Frank Williams é uma das figuras mais icônicas da história da Fórmula 1 (Foto: Gerry Penny/EFE)

Após mais de 40 anos na direção de uma das equipes mais famosas da Fórmula 1 e mais de 750 corridas disputadas, a família Williams está se afastando para que os novos proprietários tenham uma chance clara de reviver as glórias da equipe.

Claire Williams, cujo pai, Frank Williams, fundou a escuderia em 1977, fez uma pronunciamento antes do GP da Itália: “Tomei a decisão de me afastar da equipe a fim de permitir para Dorilton (Capital, fundo norte-americano, novo proprietário da equipe) um novo começo como os novos proprietários. Não foi uma decisão fácil, mas acredito ser o certo para todos os envolvidos”, disse Claire Williams em um vídeo gravado.

“Com o futuro da equipe agora assegurado, parece ser este o momento apropriado para nos afastarmos do esporte.”

Claire revelou que a Dorilton queria que ela permanecesse junto da equipe nas provas desta temporada. “Agradecemos muito o incentivo de Dorilton para continuar, mas nós sabemos que a equipe estará em boas mãos e o nome Williams seguirá”, disse. “Este pode ser o fim de uma era para a Williams como uma equipe familiar, mas é o início de uma nova era para a Williams Racing e desejamos muito sucesso no futuro.”

A Williams ganhou sete títulos de pilotos e nove títulos de construtores. Um dos pilotos campeões foi Nelson Piquet, em 1987. No entanto, o último deles veio com o canadense Jacques Villeneuve em 1997. A Williams ganhou 114 corridas e conseguiu 128 pole position.

Um fato muito triste e marcante na história da equipe ocorreu na temporada de 1994, com a morte de Ayrton Senna, no GP de San Marino, em Imola.

“Estamos neste esporte há mais de quatro décadas. Somos incrivelmente orgulhosos de nossa história e do legado que deixamos”, disse Claire Williams. “Nós sempre estivemos neste esporte por amor, pelo puro prazer de estar nas corridas de automóvel.”

Blog com Jovem Pan