Monthly Archives: fevereiro 2016

Apesar do comando competente de Eduardo Neto, Santa Rita não consegue decolar
   29 de fevereiro de 2016   │     21:38  │  0

Muitos esperavam um Santa Rita forte e competitivo no Alagoano-2016. Apesar de contar com o apoio do ex-presidente da FAF, Gustavo Feijó, atual prefeito de Boca da Mata, e ter o comando de Eduardo Neto, com certeza, um craque no assunto, o time não faz a campanha que todos esperavam.

Domingo, o compromisso é complicado, fora de casa, em Palmeira dos Indios, diante do CSE que iniciou uma fase de recuperação.

Depois da derrota para o Murici, em casa, Eduardo Neto mostrou preocupação:

– Esse jogo foi tratado assim (como decisivo). Se tivéssemos feito o dever de casa estaríamos tranquilos, mas como não fizemos, os outros jogos, daqui pra frente, serão mais importantes. Temos que ter equilíbrio, pois não se faz um bom trabalho no desespero, ou sem falta de tranquilidade. Temos que ter essas coisas para administrar e buscar um bom resultado diante do CSE – concluiu.

Apesar dos tropeços, o Santa Rita é 3º colocado no Grupo B com 8 pontos.

Blog do Arivaldo Maia e Globoesporte.com

África do Sul vai enfrentar o Brasil Olímpico no Estádio Rei Pelé
     │     17:56  │  0

A Seleção Brasileira Olímpica vai enfrentar a Nigéria no dia 24 de março, às 19h, em Cariacica, no Espírito Santo, e a África do Sul, no dia 27, às 18h30, em Maceió.

Assim como o Brasil, Nigéria e África do Sul, que estão classificadas para os Jogos Olímpicos, estarão com seus times sub-23 para os amistosos desta data FIFA. O primeiro deles, contra a Nigéria, será disputado no Estádio Kleber Andrade. Já a partida contra os sul-africanos será no Estádio Rei Pelé.

A delegação brasileira se apresenta para estas duas partidas no dia 20, no Espírito Santo. A lista de convocados será divulgada no dia 4 de março, um dia após a convocação da seleção principal para os dois próximos jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

Clássico que o CRB venceu tem arbitragem contestada pelo técnico do ASA
     │     0:05  │  0

Olívio jogou muito, foi o destaque do CRB e ainda fechou o placar com um belo gol (Foto: AILTON CRUZ)

Olívio jogou muito, foi o destaque do CRB e ainda fechou o placar com um belo gol (Foto: AILTON CRUZ)

Quando chamo a matéria que abre o blog desta segunda-feira, último dia de fevereiro de 2016, afirmando que o ‘CRB modificado deu certo e venceu’, estou me referindo ao time novo que o  técnico Mazola Júnior vem escalado em cada jogo, forçado pelo calendário ‘cheio’ do clube nesta temporada.

Claro que isso não ocorre por prazer do treinador. É uma necessidade evidente porque atuando duas vezes por semana, ou até mais, não tem jogador que resista.

O jogo de ontem, com boa vitória do Galo por 3 x 1, foi mais um exemplo do momento que o Regatas está vivendo. Um clássico contra um adversário tradicional, com uma rivalidade ‘limpa’, que aumenta sempre que os dois clubes se encontram, e uma surpresa que o experiente Vica não esperava.

O ASA entrou em campo com sua habitual força, foi pra cima do CRB em busca de uma vitória e parou no sistema de jogo empregado pelo Galo. Forte marcação no meio de campo e um ataque com Lúcio Maranhão como homem referência, mas, também com o rápido garoto Luidy, Joia da base.

Além disso, contando com Olívio e Somália brilhantes no sistema de contenção, e com participação ativa dos laterais Marcos e Diego.

O alvinegro também teve bons momentos e um time de ‘pegada’ que deu muito trabalho. Boa zaga com Ramon e André Nunes, meio de qualidade com destaque especial para Jorginho, apesar do gol contra, Kessi e Rafael, além de um ataque envolvente com Klenisson e Danilo Galvão.

Em determinado momento do jogo, depois das entradas de Heleno e Raul, mesmo com um homem a menos o ASA esteve perto de empatar o jogo em 2 x 2.

Apesar da crise financeira que atinge todos os clubes, o ASA montou uma boa equipe. Vai disputar o título desta temporada com certeza.

No final, Vica reclamou bastante do árbitro José Reinaldo Figueredo. Achou injusta a expulsão de Kessi e disse que CSA e CRB não precisam de ajuda dos árbitros. Na verdade, o juiz não teve influência no placar.

Mas, errou quando não expulsou o meia Dakson, já punido com um amarelo, depois de fazer outra falta para receber nova punição e, por extensão, o cartão vermelho, como ocorreu com Kessi.

Os gols da vitória do CRB foram marcados por Jorginho, contra, Luidy e Olívio. Rafael fez o gol isolado do time arapiraquense.

O Regatas precisa apenas de um empate no próximo compromisso, contra o Sete de Setembro, fora de casa, para já se garantir, antecipadamente, no hexagonal.

Antes, terá pela frente o América, na Arena das Dunas, em Natal, para duelo decisivo pela Copa do Nordeste, na noite da próxima quarta-feira.

O próximo compromisso do ASA será no dia 06 de março, quando vai receber o Penedense, no Estádio Municipal Coaracy da Mata Fonseca, em Arapiraca.

Demais resultados da tarde de ontem pela 7ª rodada:

Santa Rita 1 x 2 Murici e CSE 1 x 0 Penedense

Rafael vibrou com o que que marcou no clássico em que o ASA acaboiu derrotado pelo CRB (Foto: AILTON CRUZ)

Rafael vibrou com o gol que que marcou no clássico em que o ASA acabou derrotado pelo CRB (Foto: AILTON CRUZ)

 

Texto: Arivaldo Maia

 

 

 

Medo de doença prejudica hipismo do Brasil às vésperas da Olimpíada
     │     0:04  │  0

Rio de Janeiro, RJ,BRASIL, 07- 08- 2015; Evento teste de Hipismo no parque olimpico de Deodoro..(Foto: Ricardo Borges/Folhapress. ) *** EXCLUSIVO FOLHA***
Cavaleiros participam de evento-teste em Deodoro, local das competições de hipismo dos Jogos

O receio em relação ao mormo, doença equina letal, afeta a programação de todos os países para as provas de hipismo dos Jogos do Rio-2016. Mas prejudica o Brasil especialmente.

A doença, transmitida por uma bactéria, levou o governo federal a interditar diversos haras pelo Brasil e, por segurança, provocou o isolamento do local de competição, no complexo de Deodoro. As delegações só poderão chegar ao local na véspera dos Jogos Olímpicos.

Essa decisão tirou da seleção nacional a vantagem preliminar de ter uma competição dentro de casa.

No caso da equipe de saltos, que tem como destaques os medalhistas olímpicos Rodrigo Pessoa e Álvaro de Miranda Neto, o Doda, foi preciso rever a preparação e até recorrer ao improviso.

Segundo o diretor do time, Caio de Carvalho, o plano era que os ginetes e seus cavalos, que têm a Europa como base, “chegassem ao menos um mês antes [dos Jogos do Rio] para treinarem no Brasil”.

Com a mudança, a delegação deve desembarcar no Rio só em 8 de agosto, três dias após o início do megaevento.

Segundo o dirigente, a aclimatação no país seria um diferencial em relação à concorrência. Quinto colocado nos Jogos Equestres Mundiais em 2014, o grupo é cotado a medalha –foi bronze em Atlanta-1996 e Sydney-2000.

A solução encontrada foi fazer o ajuste final no exterior. A base será o centro de treinamento de Doda em Valkenswaard, na Holanda
.
“A seleção até poderia vir ao Brasil antes dos Jogos treinar, mas os cavalos não poderiam voltar para a Europa, por causa das leis e porque todos são baseados lá”, afirmou Carvalho, ginete olímpico em Los Angeles-1984.

Um dos representantes do Brasil na equipe de adestramento no Pan de 2015 e no Mundial de 2014, o cavaleiro Pedro Almeida, 22, precisou adaptar sua preparação na busca de uma vaga nos Jogos.

“A Europa proibiu a entrada de cavalos vindos do Brasil, portanto temos que fazer uma quarentena antes de ir para Alemanha”, explica Pedro, que está na Argentina com o irmão gêmeo Manuel, à espera do embarque para as competições europeias.

“Se algum cavalo for pego com sintomas, não pode participar dos Jogos, por isso, os times de CCE [concurso completo de equitação], saltos e adestramento já estão fora do Brasil e ficarão até os Jogos.”

Segundo a FEI (Federação Equestre Internacional), o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) informou que não foi observado sinal de mormo nos cavalos em Deodoro antes da preparação do local para os Jogos Olímpicos.

“Como precaução adicional, todos os cavalos do Exército em Deodoro foram submetidos a mais testes. E fomos informados de que estas amostras foram todas devolvidas com resultados negativos”, diz a FEI à Folha.

Blog com FOLHA DE SÃO PAULO

Mercado de transferências chinês fecha e dá ‘trégua’ a futebol brasileiro
     │     0:03  │  0

Fechamento do mercada da China tranquilizou os clubes do Brasil e do resto do Mundo (Foto: Divulgação)

Fechamento do mercado da China tranquilizou os clubes do Brasil e do resto do Mundo (Foto: Divulgação)

Ricardo Oliveira ficou, mas foi exceção à regra no futebol brasileiro. O mercado de transferências na China, fechado às 14h (de Brasília) da última sexta-feira, tirou do Brasil alguns dos melhores jogadores do País, sendo quatro apenas do atual campeão nacional. Ralf, Gil, Renato Augusto e Jadson trocaram o Corinthians pela possibilidade de ganhar salários astronômicos na China.

Uma estimativa do site britânico Transferkartk, especializado em negociações de jogadores, aponta que só a primeira divisão da China gastou 250 milhões de libras (cerca de R$ 1,37 bilhão na cotação do dia) comprando atletas para a temporada já que começou com o pontapé inicial da Liga dos Campeões da Ásia.

Boa parte desse valor foi arrecadado por clubes brasileiros. Daqui para a China saíram os corintianos Gil, Renato Augusto, Jadson e Ralf, o são-paulino Luis Fabiano, o santista Geuvânio e também o atacante Biro Biro, que se destacou pela Ponte Preta mas pertencia ao Fluminense. Eles se juntam a uma legião que já contava com Ricardo Goulart, Diego Tardelli e Aloísio.

Outros tantos foram especulados na China, como Paulo Henrique Ganso, Anderson, Lucas Lima, Lucas Pratto e Elias. No último dia de negociações, Ricardo Oliveira se ofereceu para pagar ao Santos para rescindir seu contrato e se transferir ao Beijing Guoan, mas a diretoria não abriu mão de receber a totalidade da multa.

Também no exterior os clubes chineses caçaram brasileiros. Fecharam com Jô, que estava nos Emirados Árabes Unidos, Ramires, comprado junto ao Chelsea, e com Alex Teixeira, destaque do Shakhtar Donetsk que tinha enorme mercado na Europa.

Mas os chineses não miravam só jogadores brasileiros. Ao longo do último mês, os clubes da China atacaram também gigantes do futebol europeu, para fechar com sul-americanos, turcos e africanos. Acertaram, entre outros, com o marfinense Gervinho, os colombianos Freddy Guarin e Jackson Martínez e o camaronês M’Bia.

Mas a grande contratação foi o argentino Ezequiel Lavezzi. O negociação entre o Hebei China Fortune e o PSG não envolveu valores tão altos (cerca de 5 milhões de euros, porque ele estava em fim de contrato), mas especula-se que o atacante vá receber 15 milhões de euros por ano.

DOR DE CABEÇA

Na China, Lavezzi vai proporcionar ao técnico da seleção argentina, Tata Martino, o mesmo problema que já tem Dunga. O treinador do Brasil vai precisar acompanhar o Campeonato Chinês, que atualmente não tem previsão de transmissão por nenhum canal a cabo no Brasil, se quiser manter alguns “convocáveis” sobre a mira.

A rota contrária, com jogadores trocando a China pelo Brasil, também foi utilizada durante a janela, mas em menor grau. Chegaram da Ásia os atacantes Hyuri, Robinho (Atlético-MG), Rafael Marques (comprado pelo Palmeiras) e Kieza (comprado pelo São Paulo), além do volante Junior Urso (Atlético-MG).

Agora os clubes chineses estão proibidos de contratar atletas de outros países. A janela só volta a abrir no dia 21 de junho, ficando aberta até 15 de julho. Como há um limite de quatro estrangeiros por equipe no Campeonato Chinês e os clubes mais ricos já atingiram esse teto, as transferêncais na próxima janela tendem a ser em ritmo menor.

 

Blog com Futebol Interior