Ele tinha um plano: como Abel venceu a final e virou um dos maiores técnicos do Palmeiras
   29 de novembro de 2021   │     13:00  │  0

O técnico do Palmeiras Abel Ferreira, o presidente Maurício Galiotte e o vice Paulo Buosi com a taça da Libertadores — Foto: Ag. Palmeiras

O técnico do Palmeiras Abel Ferreira, o presidente Maurício Galiotte e o vice Paulo Buosi com a taça da Libertadores — (Foto: Ag. Palmeiras)

Análise: estratégia montada pelo português funciona e dá ao Verdão o tricampeonato da Libertadores.

Abel Ferreira tem apenas um ano de Palmeiras, mas já se colocou entre os grandes técnicos da história do clube, em um grupo que tem nomes como Vanderlei Luxemburgo e Luiz Felipe Scolari.

Ao conquistar sua segunda Copa Libertadores neste sábado, em Montevidéu, o português concluiu com sucesso seu plano, que movimentou torcida e funcionários antes da decisão com o Flamengo.

Ao perder para o São Paulo com reservas no Allianz Parque, Abel gerou a ira de muitos e avisou: “Temos um plano e vamos segui-lo até o fim”. Pouco importava para ele a luta do rival contra o rebaixamento. O foco era se preparar bem para a final da Libertadores.

Por conta da sequência de jogos a cada três dias, a comissão técnica tomou a decisão de nas quatro partidas antes da decisão dividir o elenco em dois: os titulares atuariam contra Fluminense e Fortaleza, e os reservas contra São Paulo e Atlético-MG.

Os jogadores foram avisados de que a ideia era deixar todos em boas condições de jogo – apenas Felipe Melo, com dores no joelho, tinha algum problema físico. E ainda assim entrou na prorrogação da final.

À estratégia inicial, Abel somou a aposta certeira em Deyverson. O atacante, tão contestado, entrou no intervalo da prorrogação. Minutos depois, justificou a escolha do chefe e fez o gol do título.

Blog com Redação ge – São Paulo

Comentários 0

Operário 2 x 1 CRB – Operário faz dois gols em 10 minutos e não deixa CRB sonhar com acesso na Série B
     │     10:00  │  0

Ponta Grossa, PR, 28 (AFI) – O sonho do CRB chegar ao acesso dentro do Campeonato Brasileiro da série B acabou em apenas dez minutos. Foi o tempo para que o Operário marcasse dois gols, com Paulo Sérgio e Felipe Garcia, neste domingo à tarde no estádio Germano Kruger pela 38.ª rodada, a última da temporada. O time alagoano só diminuiu na parte final, com Marthã, decretando 2 a 1 como placar final.

O CRB precisava vencer e torcer por tropeços de outros concorrentes à quarta vaga, mas perdeu e ficou com 60 pontos, em sétimo lugar. O Operário, que só se livrou da ameaça de queda há duas rodadas atrás, terminou com 48 pontos, em 12.º lugar.

Apoiado por sua torcida, o time paranaense começou  marcando pressão na saída de bola do visitante. Abriu o placar aos cinco minutos, após avanço pelo lado esquerdo e cruzamento de Fabiano na pequena área. Paulo Sérgio bateu duas vezes para balançar as redes. Seu nono gol na competição.

O Operário queria matar o jogo, tanto que exigiu duas grandes defesas de Diogo Silva aos oito minutos. Primeiro com Rodrigo Pimpão e depois com Rafael Chorão. O segundo gol saiu aos 10 minutos. Após levantamento de Lucas Mendes pelo lado direito, Felipe Garcia saltou de peixinho e desviou a bola no canto direito do goleiro. No meio do caminho houve um desvio no pé do zagueiro Frazan, mas o gol acabou sendo anotado para o atacante.

Os gols abalaram os jogadores do CRB. Tanto que só finalizaram duas vezes ao gol do Operário, mas sem maior perigo. O técnico Allan Aal só fez uma troca com a entrada do atacante Junior Brandão no lugar do volante Wesley.

No segundo tempo, o CRB até tentou fazer uma pressão no ataque, mas criou poucas chances. O jogo só esquentou aos 39 minutos, quando o time alagoano diminuiu. Dudu cobrou escanteio fechado e Marthã completou de cabeça. Depois disso, foi pressão total do CRB, que naquela altura, precisaria de uma virada no placar e outros tropeços para sonhar com a elite. Não deu.

O blog do Arivaldo Maia, a ‘Nação Fascinante’, e todos os alagoanos, parabenizam mesmo assim, o CRB, grande equipe do futebol do Brasil.

Arivaldo Maia e Futebol Interior

Comentários 0

CSA 4 x 0 Brasil de Pelotas-RS – Azulão goleia, mas acesso é frustrado por vitória do Avaí
     │     7:00  │  1

Azulão foi impiedoso e aplicou 4 a 0 nos Gaúchos, mas acesso acabou parando na vitória do Avaí sobre o Sampaio Corrêa.

Frustrando a sua torcida, após uma impressionante arrancada na reta final da Série B do Brasileirão, o CSA não conseguiu selar o seu retorno à primeira divisão. Diante do Brasil de Pelotas, os alagoanos foram impiedosos e venceram por 4 a 0. Contudo, acabaram permanecendo na segundona após a vitória do Avaí, de virada, sobre o Sampaio Corrêa.

MARCOU LOGO

No Rei Pelé, o CSA fez valer o seu domínio e partiu para cima do Brasil de Pelotas desde o início. Ainda nos minutos iniciais, Dellatorre perdeu grande chance após bola tocada por Marco Túlio. O tento azulino, contudo, não demorou a sair. Aos 15 minutos, Gabriel cobrou escanteio e Dellatorre desviou na trave. No rebote, Matheus Felipe foi oportunista e mandou para as redes.

GOLEADA

Dez minutos depois, Dellatorre cabeceou cruzamento de Yuri e quase fez o segundo, parando em Marcelo Pitol. Quatro minutos depois, mais uma chance de ampliar: Marco Túlio sofreu pênalti de Leandro Camilo, mas, na cobrança, Dellatorre mandou na trave. Ainda assim, durante a primeira etapa, mais dois gols saíram.

Aos 34, Marco Túlio recebeu na direita e, em jogada individual, entrou livre na área para fazer o segundo. Nove minutos depois, ele tocou para Dellatorre dominar, girar e fazer o terceiro. Na volta dos vestiários, o ritmo do jogo caiu, mas o placar mudou. Aos 26 minutos, Iury Castilho aproveitou cobrança de pênalti, selou o placar final e o acesso azulino.

NA TRAVE!
Assim como em 2020, o CSA bate na trave pela segunda vez consecutiva na luta pelo acesso na Série B. Em 2019, após pôr fim a uma sequência de 32 anos longe da elite, o Azulão acabou em 18° e terminou retornando à segunda divisão. No ano passado, a exemplo da temporada atual, os alagoanos terminaram a Série B em 5° lugar, ficando sem o acesso.

O blog do Arivaldo Maia, a ‘Nação Fantástica’, e todos os alagoanos, parabenizam mesmo assim, o CSA, grande equipe do futebol do Brasil.

Arivaldo Maia e Futebol Interior

 

Comentários 1

Gabigol: ‘Nem lembrava mais como era perder um título’
     │     5:00  │  1

Gabigol comemora o gol de empate na final da Libertadores – (Alexandre Vidal/Flamengo)

Atacante fez o gol do Flamengo na derrota por 2 a 1.

Eleito melhor jogador da Libertadores, Gabigol nem sequer esboçou um sorriso pelo prêmio, afinal, o Flamengo perdeu por 2 a 1 para o Palmeiras na final, em Montevidéu. Na entrevista coletiva após o jogo, o atacante falou sobre a sensação de ser vice primeira vez pelo Rubro-Negro.

— Para ser sincero, eu nem lembrava mais como é perder um título. Dói muito — comentou o jogador depois da partida.

Até então, Gabigol havia vencido todas as decisões com a camisa do Flamengo: uma Libertadores, duas Supercopas do Brasil, uma Recopa Sul-Americana e três Cariocas. No último sábado (27), no entanto, deu Palmeiras na fina da Libertadores.

Além de melhor jogado do torneio, Gabriel também foi artilheiro, com 11 gols.

Blog com O DIA

Comentários 1

Allan Aal analisa campanha do CRB no Brasileiro e diz que vai renovar o contrato: “Fico”
   28 de novembro de 2021   │     22:47  │  0

Allan Aal diz que permanece no CRB para 2022 — Foto: Reprodução/CRB

Allan Aal diz que permanece no CRB para 2022 — (Foto: Reprodução/CRB)

Galo terminou a Série B em sétimo lugar, com 60 pontos.

O técnico Allan Aal fez neste domingo um balanço do desempenho do CRB no Campeonato Brasileiro e até apontou partidas que poderiam ter mudado a história na competição. Para ele, os confrontos diretos com Avaí e Goiás pesaram na formação final do G-4.

O CRB perdeu neste domingo para o Operário, por 2 a 1, pela última rodada da Série B. Na coletiva, além da avaliação da partida, o treinador revelou que segue no comando do time para 2022.

– Fico. Já era um acordo que tínhamos com a diretoria e uma vontade de ambos os lados. Procuramos manter um processo, o futebol é um processo, não acontecem as coisas da noite pra o dia. Eu cheguei em maio e hoje foi a última partida. Poucos meses à frente do CRB, mas buscando fazer o melhor trabalho possível e as coisas não acontecem de uma hora pra outra. Poderiam ter acontecido, o que seria um ponto fora da curva, numa questão de pegar, quando acabou o estadual, uma equipe desacreditada, uma equipe que precisava levantar a moral, reconquistar a confiança do torcedor, e isso nós fizemos em pouco espaço de tempo.

Allan citou ainda dois jogos que foram determinantes para o time não subir.

– Acho que principalmente os confrontos diretos. Se fizer uma análise fria das partidas que nós perdemos contra Avaí e contra Goiás, no mínimo um empate, você computaria um ponto a mais para você e dois pontos a menos para o adversário. Isso, na pior das hipóteses, conseguindo o empate. Esses confrontos diretos foram determinantes para que não conseguíssemos uma manutenção de briga pelo acesso somente através das nossas forças, mas eu acredito também o que foi feito até agora tem que ser valorizado porque supera em alguns momentos as expectativas de todos que acompanham o CRB. Ficamos tristes por não ter conseguido o acesso, mas brigamos por algo que ia entrar pra história. Lamentamos, ficamos tristes, mas ao mesmo tempo de cabeça erguida.

O CRB terminou em sétimo lugar, com 60 pontos e 52,6% de aproveitamento. Venceu 16 jogos, empatou 12 e perdeu 10 vezes. Diego Torres foi o principal artilheiro da equipe, com oito gols.

Blog com  Redação do ge – Alagoas

Comentários 0